Voxel
97
Compartilhamentos

Quais seriam os 7 piores games da franquia Dragon Ball?

Último Vídeo

Ao longo de 32 anos, Dragon Ball ganhou mais de uma centena de títulos nos consoles, portáteis e no PC e tinha bastante joguinho mequetrefe no meio. Claro que tem sempre a questão da nostalgia que impede a gente de ver a má qualidade de um game.

Eu por exemplo amava “Buu Yuu Retsuden” do Mega Drive, que foi o primeiro jogo de Dragon Ball que tive contato, até descobrir com os anos que... ele era bem mais ou menos. Por isso a gente resolveu listar os 7 piores games de Dragon Ball. 

7. DRAGON BALL Z: BATTLE OF Z (2014)

Battle of Z foi o jogo que a Bandai Namco usou para inserir pela primeira vez na franquia alguns personagens e elementos do longa A Batalha dos Deuses, como Bills, Whis e o Goku Super Sayajin Deus. É um game de luta com elementos de RPG com grupos de 4 contra 4.

A crítica de games deu notas medianas, mas muitos dos fãs detestaram. O game não tinha multiplayer offline no versus nem no cooperativo, as batalhas eram desequilibradas, a câmera não ajudava e seus colegas controlados pela inteligência artificial definitivamente não ajudavam. Um exemplo de como adaptar a nova fase da franquia de um jeito errado.

battle of z

6. DRAGON BALL EVOLUTION (2009)

Em 2009, o mundo recebeu uma das piores adaptações de animações para live-action da história do cinema. Dragon Ball Evolution transformou tudo que as pessoas gostavam no anime em um desastre constrangedor que não só desrespeita o material original como é totalmente péssimo como filme. E como naquela época a maioria dos blockbusters viravam game, Evolution não foi exceção.

A Dimps Corporation, que fez o médio Budokai 2 e o ótimo Advanced Adventure, recebeu a ingrata tarefa de desenvolver a adaptação — que não veio nem mesmo pros consoles domésticos da época, se tornando um exclusivo do PSP.

Era um game de luta que trazia Goku, Chi Chi, Bulma, Yamcha Piccolo e mais meia dúzia de personagens em uma história contada de um jeito ainda mais ridículo do que no filme. O gameplay em si nem era ruim, apesar de ficar monótono depois de um tempo, mas o pacote da experiência… A partir de agora, a gente nunca mais fala desse filme, ok?

dragon ball evolution game

5. DRAGON BALL Z: ULTIMATE BATTLE 22 (1995)

Ultimate Battle 22 saiu em 1995 para o PlayStation no Japão, mas foi só em 2003 que ele veio oficialmente para o Ocidente — eu me lembro de ter jogado ele na sexta série em 2001. O nome vem dos 22 personagens disponíveis, apesar de que você podia desbloquear mais cinco.

O visual era esquisito. Enquantos os cenários eram poligonais, os personagens foram feitos sprites 2D levemente melhores que os do Super Nintendo. Os problemas estavam na movimentação truncada, golpes que não transmitiam sensação de impacto, animações sem qualquer fluidez e tudo nele era absolutamente entediante.

Ultimate Battle 22

4. DRAGON BALL Z: FOR KINECT (2012)

Pra quem pensou que soltar kamehameha com as próprias mãos seria divertido, teve que pensar de novo. Assim como Star Wars, Dragon Ball foi outra franquia de sucesso que tentou criar algo legal para o Kinect no início da vida do periférico, mas falhou como um verme insolente.

O jogo era basicamente uma versão de Ultimate Tenkaichi — outro game medíocre da série —, colocando o jogador em primeira pessoa e os controles na base dos movimentos com gestos. Como vários games do primeiro Kinect, a captura de muitos movimentos não funcionava, fazendo do combate corpo a corpo uma luta sem precisão. Sem contar que a variedade de comandos era bem limitada e tudo acabava ficando repetitivo em questão de minutos.

 dragon ball kinect

3. DRAGON BALL GT: FINAL BOUT (1997)

Esta é provavelmente a escolha mais polêmica da nossa lista por um simples motivo: muitas pessoas jogaram Final Bout quando eram crianças e foram cegas pela memória afetiva. Eu mesmo adorei esse negócio por anos até cair a ficha. Mas a gente ajuda vocês a verem melhor.

Muito do amor que Final Bout recebeu foi por ser o primeiro game a se dedicar à série GT, que tinha acabado de ser lançada, e por ser o primeiro game totalmente poligonal de Dragon Ball. Mas justamente por navegar por águas desconhecidas, quase nada funcionava direito.

Final Bout

Apesar do visual legal e fiel dos personagens, os cenários eram completamente genéricos e esquecíveis. O gameplay era lento, muito lento. Faltava variedade de golpes, o sistema de combos era praticamente inexistente, as animações eram vergonhosas e a jogabilidade como um todo era pouco responsiva.

Certas coisas demoravam mais de um segundo pra acontecer depois de apertar um botão. Antes que alguém diga que a gente tá cobrando muito por um game de luta poligonal de 1997, Soul Edge e Tekken 3 já tinham saído na época para o mesmo PlayStation 1.

2. DRAGON BALL Z: SAGAS (2005)

Na era do GameCube, Xbox e PS2, Dragon Ball Z ganhou um jogo ação e aventura chamado Sagas. De cara, a ideia parecia interessante: um beat’em up de Dragon Ball, que ia da saga Sayajin à fase Cell, fugindo do formato de jogos de luta que a série tanto usa.

O problema é Sagas parece ter sido feito numa Game Jam do fim de semana. A jogabilidade era não apenas repetitiva como também terrível! Pontos do cenário que travavam o personagem, as animações eram pobres e risíveis, tinha problemas de colisão, efeitos sonoros cretinos, muitos glitches, problemas na câmera, excesso de linearidade… Enfim, não tem absolutamente nada que fosse polido nesse negócio.

Dragon Ball Z Sagas

1. DRAGON BALL Z: TAIKETSU (2003)

E o primeiro lugar não poderia ser de outro jogo senão Dragon Ball Z: Taiketsu. Essa pérola do Game Boy Advanced foi desenvolvida pela Webfoot Technologies, que fez port de vários jogos da série para os portáteis da Nintendo. São 16 personagens porcamente modelados que se movem como se fossem feitos de massinha e estivessem num stop-motion.

O gameplay é lento e desengonçado, e os controles imprecisos, o que torna quase impossível de fazer qualquer combo. E o pior, tirando o alcance e a velocidade, todos os personagens lutam exatamente do mesmo jeito. Se algum dia for uma questão de vida ou morte jogar um game de luta de DBZ no GBA, vai de Supersonic Warriors (que, inclusive, foi desenvolvido pelo mesmo estúdio de Dragon Ball FighterZ).

taiketsu

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.