Voxel

Análise em progresso: RAGE 2 brilha como shooter, mas não como mundo aberto

Último Vídeo

Como uma cria de dois estúdios experientes – id Software e Avalanche Studios –, RAGE 2 vende a ideia de unir o melhor de dois mundos: a técnica de um bom shooter, oriunda do vasto portfólio da id, e um mapa completamente aberto, que é especialidade da Avalanche.

Uma trouxe ao mundo DoomQuake e HeXen, além de emprestar a tecnologia de sua engine para Wolfenstein, entre outros títulos. A outra desenvolveu Just Cause e Mad Max, dois jogos com abordagens originais em mundo aberto sob a mesma premissa: oferecer um playground regado a insanidade.

RAGE 2 tem cara de um e focinho do outro. Enquanto a análise completa não sai, consigo relatar as primeiras impressões do shooter em mundo aberto – dois conceitos que, aqui, não caminham no mesmo passo de qualidade.

Shooter com peso e fluidez – talvez o melhor desde o reboot de Doom

Se enfileirarmos os estúdios de shooters em atividade, nomes possantes passam pela indústria de games: DICE (de Battlefield), Respawn (de Titanfall e Apex Legends), Sledgehammer, Treyarch e Infinity Ward (os três cuidam de Call of Duty), e outros. Mas nenhum – e quero frisar: nenhum – tem o pioneirismo da id Software. Estúdios, me desculpem, mas a id está uns bons anos à frente de vocês quando o assunto é crocância em shooter.

A mesma que lá atrás, no começo dos anos 90, fundada, entre outras pessoas, por John Romero e John Carmack – dois gigantes do mercado –, viria a definir um padrão para jogos de tiro em primeira pessoa.

Um estilo cru, sem temperos, empecilhos ou firulas; é o contrário de gourmetização. São jogos sem frescuras, entregues em formato bruto, e RAGE 2 não tem a menor vergonha de vestir essa carapuça, mesmo que, para isso, deixe toda uma seriedade para trás – ninguém precisa dela aqui.

gfdgfd

A mecânica de tiro do jogo é impecável, não deve nada ao Doom de 2016 ou aos Wolfenstein. Na verdade, o ritmo frenético, que é um dos cartões-postais de RAGE 2, acontece em detrimento de narrativa ou personagens aprofundados, e isso, aqui, jamais é um defeito. A Bethesda honestamente veiculou o título dessa forma em campanhas de marketing cheias de humor.

Já o mundo aberto...

É tão, mas tão gostoso sentar o sarrafo no gatilho que às vezes você se esquece de que a outra metade de RAGE 2 – que cabe à Avalanche – não oferece o mesmo selo de qualidade. Sem muito tamanho, o mundo aberto tem aquela paleta desértica que se recicla por praticamente todo o mapa, cheio de vazios que provocam o insosso sentimento de “ai, lá vou eu dirigir por esse mundo meio meh”.

A competência do combate é completamente destoante da navegação pelo mundo aberto. A dirigibilidade é caseira; você parece estar controlando um “sabonetão” que se desloca para as laterais, como se fosse uma daquelas malas de viagem com rodinhas, guiadas por qualquer lado. O volante de RAGE 2 é bem desengonçado.

vfd

As atividades se expandem pelo mapa conforme você progride na história (curta, aparentemente), embora não ofereçam muita variedade. Mas, sinceramente, não sinto falta de tanta coisa com aquele shooting crocante que o jogo oferece. Basicamente, é tiro, porrada e bomba, e qualquer coisa que vá além disso corre o risco de beirar a barra forçada. Nesse sentido, o jogo é honesto.

Some a isso um tom hilário, conduzido pela roupagem de Mad Max, e RAGE 2 é a id Software provando ser soberana no gênero que ajudou a consolidar. Nenhum outro estúdio, na minha singela opinião, chega perto dessa robustez, que consegue aliar velocidade e peso numa medida incrível. Usar os gatilhos é quase uma massagem aos dedos – no Xbox One X, plataforma em que estou jogando, essa afirmação é legítima.

Um suco de testosterona.

É um jogo que tem aquela cara de nota 75-80? É, mas com um sentimento bem positivo. Estou me divertindo horrores com RAGE 2 e devo postar a análise completa em breve. O jogo já está disponível para PS4, Xbox One e PC.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.
Voltar para notícia
Carregando...
Comentários
Carregando...
Este comentário foi apagado. Desfazer
+1
-1
Este comentário foi apagado. Desfazer
Responder Excluir Editar
+1
-1
Ver mais comentários Ver mais comentários