Voxel
987
Compartilhamentos

Assassin's Creed: do melhor para o pior (ranking segundo o Metacritic)

Último Vídeo

Assassin’s Creed está voltando com jogo novo em 2017, depois de ter ficado um ano de molho. E para relembrar, a gente pensou em ranquear os nove primeiros games da série principal, do pior deles para o melhor. Mas isso de classificar é meio... subjetivo, né? Pois é. E por isso que dessa vez eu vou usar um sistema um pouco mais objetivo e de consenso geral: o Metacritic.

O Metacritic soma a nota de algumas dezenas de reviews e faz uma média. Mas como existem notas individuais pra cada plataforma, eu peguei a nota dada em cada um dos consoles, mais o PC, somei e dividi pelo número de plataformas, obtendo a média das médias. Ah, a seguir, vamos trazer alguns spoilers dos games. Agora chega de embromation e vamo pras colocações.

9. Assassin’s Creed Unity (2014) - Nota 70,6

Provavelmente nenhum jogo da série foi mais odiado que Assassin’s Creed Unity. Apesar de uma maravilhosa direção de arte, que inclui a perfeita reprodução da Catedral de Notre Dame, um grande salto gráfico nas cutscenes e os beijos mais realistas já feitos num videogame, os problemas técnicos constantes no lançamento do jogo sujaram muito a imagem da franquia.

AC Unity também incomodou a crítica e o público por causa da completa reformulação dos controles, o design das missões co-op, a inteligência artificial ruim dos NPC e muitos glitches. 

ac unity

8 . Assassin’s Creed Rogue (2014) - Nota 72,6

Enquanto Assassin’s Creed Rogue apostou em uma proposta interessante, mostrando um assassino que se rebela e se torna templário, pra alguns, ele pareceu uma expansão de Black Flag. A campanha foi considerada curta, as sidequests meio sem graça e o game também sofreu com alguns bugs. Ele provavelmente também foi prejudicado pela má recepção de AC Unity, já que foi lançado no mesmo dia, para atender os consoles da geração passada. 

ac rogue

7. Assassin’s Creed Syndicate (2015) - Nota 76

Assassin’s Creed Syndicate — que seria chamado de “Victory” até ter seu nome mudado depois de um vazamento — teve uma recepção melhor que os games do ano anterior. A história dessa vez foi pra Londres vitoriana e pela primeira vez na série inseriu dois protagonistas, em vez de um, os gêmeos Frye.

O jogo foi criticado pela falta de inovação no gameplay, mas elogiado pelas missões de assassinato, personagens carismáticos e pela adição do gancho, que na verdade foi uma evolução do sistema de tirolesa de Revelations unida a um tipo de arpéu do Batman.  

ac syndicate

6. Assassin’s Creed: Revelations (2011) - Nota 80

Assassin’s Creed Revelations não é um jogo ruim, mas foi onde os sinais de cansaço da fórmula começaram a aparecer. Enquanto o game dá a Ezio e Altair um final digno, rolou também estranhamento com a arte, que mudou radicalmente os rostos de alguns personagens.

A trama se passa na antiga Constantinopla dominada pelo Império Otomano, e entrega uma narrativa digna do auge da série, que apenas foi prejudicada pelo cansaço do público com a repetição em anos seguidos do mesmo personagem. De todo modo, um jogo sólido.

ac revelations

5. Assassin’s Creed (2007) - Nota 80,3

O primeiro game da série está longe de ser o melhor, mas foi bastante revolucionário para a época. O título evoluiu de um projeto da série Prince of Persia e introduziu um sistema de parkour muito menos linear e mais inteligente do que aqueles usados da trilogia das Areias do Tempo, da geração anterior.

Assassin’s Creed ainda contava com uma bela direção de arte e trazia ao mesmo tempo na tela uma quantidade de NPCs praticamente inédita nos consoles. Mas esse primeiro capítulo da franquia não envelheceu muito bem.

Dez anos depois, as missões parecem ainda mais repetitivas do que eram na época e as missões paralelas são ainda menos interessantes. De qualquer forma, ele representou uma bela evolução técnica e mecânica naquele contexto.

4. Assassin’s Creed III (2012) - Nota 83,5

Assassin’s Creed 3 é na verdade o quinto jogo da série — e deixou muita gente animada em seu anúncio, já que depois de três títulos estrelados pelo Ezio, a gente finalmente teria carne fresca. Pessoalmente, eu acredito que esse seja o game com o pior e mais frustrante final da série e que parte da experiência narrativa tenha sido prejudicada pelo novo protagonista pouco carismático.

Mas… O plot twist do início é incrível, os gráficos para aquela época eram muito legais e as novas mecânicas de combate, escaladas e outras coisas e agradaram bastante parte da crítica.

ac 3

3. Assassin’s Creed IV: Black Flag (2013) - Nota 85,4

Black Flag foi chamado quando foi lançado de “o melhor Assassin’s Creed desde Assassin’s Creed 2”, o que representa bastante. O novo protagonista, que é na verdade o avô do Connor de Assassin’s Creed III, é um personagem bem interessante, mas o que mais foi revolucionário nessa virada de chave na série, que estava chegando à nova geração de consoles foi a possibilidade de, além de um assassino, ser também um pirata!

Navegação, batalhas navais e todo aquele clima das aventuras envolvendo ilhas do tesouros deu um novo frescor à série — que inclusive inspirou uma nova franquia da Ubisoft que ainda está pra ser lançada: Skull & Bones. E quanto à trama que se passa nos dias atuais: dane-se, né? Mataram o Desmond…

ac 4

2. Assassin’s Creed: Brotherhood (2010) - Nota 89

Para aqueles que nunca entenderam as altas notas de Brotherhood, eu explico: esse jogo é a versão aperfeiçoada e polida de Assassin’s Creed 2. A história apresenta um Ezio mais maduro e fodão, lutando contra vilões populares que nós adoramos odiar.

Na parte técnica, o visual foi embelezado, novas mecânicas para recrutar e treinar assassinos foram introduzidas, deixando o game muito mais estratégico, e claro, teve a chegada de um multiplayer bem decente para o padrão daqueles tempos.

ac brotherhood

1. Assassin’s Creed II (2009) - Nota 89

Não podia ser diferente, Assassin’s Creed 2 recebe o primeiro lugar. Ainda que a média dele seja igual a do Brotherhood, é de senso comum que este seja o Assassin’s mais amado pelo grande público. Isso porque ele pegou tudo que o primeiro game fez de certo, e aperfeiçoou inserindo novas mecânicas, melhor direção de arte e mais diversidade nas missões.

O progresso de Ezio ao longo dos anos, a busca pela vingança da sua família, os incríveis cenários da Itália renascentista… Tudo isso e mais um pouco fez com que o título fosse o favorito de muitos para o prêmio de Jogo do Ano de 2009.

ac 2

Mas e aí, pessoal, curtiram a seleção? Como seria a ordem do ranking de vocês? Contem pra gente aqui nos comentários e mostrem essa lista pra aquele seu amigo ou amiga que ama Assassin’s Creed e perguntem quais são os preferidos dele ou dela. Meu nome é Guilherme Dias, muito obrigado pela companhia e até a próxima!

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.