Voxel

Coluna: Metroid faz 30 anos, mas a Nintendo liga para isso?

Último Vídeo

Acima, Samus em sua aparição mais recente. Infelizmente, não é em um jogo da série Metroid...

Este é um artigo pessoal e as opiniões desta matéria não necessariamente refletem a opinião do TecMundo Games.

O último sábado (6) marcou uma data extremamente importante para uma das franquias mais adoradas pelos fãs da Nintendo: nesse dia, Metroid comemorou nada menos do que 30 anos. E o que ele está para receber em comemoração a esse número? Bem... Temos Federation Force chegando dentro de algumas semanas. Sabe aquele game anunciado pela Big N tempos atrás que ninguém se interessou em jogar? Pois é. Exatamente esse.

Para muitos, isso pode não parecer grande coisa – afinal, a série não é exatamente conhecida pelo público como acontece com Mario ou Zelda para merecer um alarde da companhia ou mesmo um grande lançamento, seja um novo título ou uma coletânea. Mas é aí que vem a pergunta: será que Metroid faz mesmo pouco sucesso ou a própria Nintendo parece determinada a manter Samus à sombra de seus outros grandes jogos?

Um sucesso como poucos

Basta dar uma breve olhadinha em como a série como um todo foi avaliada pela crítica através dos anos para entender do que estou falando. Basicamente, Metroid tem um escore impressionante no famoso Metacritic, com notas acima de 90 em mais da metade dos títulos. Mesmo seus games mais criticados, por sua vez não se saíram muito abaixo disso, ficando ainda na faixa dos 80 pontos.

Indo além dos números, no entanto, quem é fã de Samus Aran sabe como Metroid é uma série impressionante. Seus primeiros games foram literalmente definidores de gênero (afinal, foram eles que deram origem aos “Metroidvania”), com uma jogabilidade extremamente precisa e que incentivava o jogador a explorar o cenário e fazer os hoje comuns backtrackings; enquanto isso, outros títulos ainda estavam limitados apenas a andar para a direita e pular plataformas.

Hoje isso pode parecer pouco. Mas acredite: andar para a esquerda em um sidescroller foi algo simplesmente revolucionário trazido por Metroid.

Da mesma forma, duvido ser o único de nossos leitores que guarde a trilogia Prime com enorme carinho. Devo admitir, na verdade, que o game foi o primeiro a me incentivar a entrada no mundo dos shooters em primeira pessoa – não só por suas batalhas e puzzles incríveis, mas porque ele foi o primeiro título que conheci a mostrar com tanto cuidado cada detalhe do universo daquele jogo, verdadeiramente me fazendo sentir imerso na aventura.

Se você acha que estou exagerando, basta pegar qualquer título da série para ver que os games se sustentam até hoje: dentro das limitações de seus consoles, Metroid sempre se superou em visual, jogabilidade e, acima de tudo, em contar histórias complexas com um mínimo de informação.

Mesmo Other M, um dos títulos pior-avaliados da série, ainda impressionou pela jogabilidade inovadora e extremamente fluida

Fadado ao esquecimento?

Curiosamente, mesmo com todo esse amor pela franquia, o clamor dos fãs e os números absurdos das críticas, a Nintendo preferiu reviver Star Fox, uma série que veio tendo um fracasso depois do outro desde o N64. Aparentemente, ela preferiu deixar para pensar em uma nova aventura de Samus apenas no NX.

E sabe qual é o pior de tudo? Essa nem mesmo é a primeira vez que Metroid fica de fora por uma geração inteira. Foram quase dez anos de espera desde Super Metroid, do SNES, até a chegada do primeiro Prime e de Metroid Fusion, no Gamecube, ignorando por completo o N64. Ao menos quando voltou, o game veio com força total, criando sucessos espetaculares tanto nos consoles quanto nos portáteis.

Essa história, inclusive, já virou piada dos fãs, visto que novamente Metroid segue abandonado em uma marca tão importante – o que repete como foi cinco anos atrás, quando os 25 anos de Zelda e Mario foram comemorados com eventos grandiosos, enquanto Samus nem mesmo foi lembrada.

“Esse é um dos meus favoritos. Acho que nós temos que mudar o 25 para 30 agora.”

Com isso, é quase impossível não se perguntar por que a franquia é quase esquecida. Seria isso resultado das vendas baixas da série, por exemplo? Realmente, esse seria um bom motivo para a Nintendo tomar essa decisão... Não fosse o fato, é claro, de que muitos gamers nem sabem o que é Metroid, de tão pouco divulgado que ele é pela empresa.

Ou pior: agora eles vão pensar que se trata de um jogo com soldados cabeçudinhos jogando bola. E, como vimos a reação do público antes, isso pode ser o prego que faltava no “caixão” da série.

Sem Samus e com soldados caricatos, no lugar daquele clima sombrio e cheio de tensão da série; dificilmente poderia haver uma pior maneira de apresentar Metroid à nova geração

Infelizmente, a situação não parece nada boa para a caçadora de recompensas mais badass do mundo dos games, e parece que não há nada que possamos fazer, pois mesmo os clamores do público não deram resultados. Mesmo assim, a Nintendo ainda garante que devemos ver um Metroid “de verdade” no futuro, e não posso deixar de ser otimista com o futuro, já que todas as vezes em que esperei, a demora compensou com algo impressionante.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.