Voxel
35
Compartilhamentos

Confira toda a evolução da franquia Monster Hunter, de 2004 a 2018

Último Vídeo

Enquanto a série Monster Hunter pode ser uma novidade para muitos de nós, a franquia tem um histórico sólido no Japão, onde faz sucesso há 14 anos. Foram seis games principais, oito spin-offs e uma porrada de versões expandidas e aperfeiçoadas.

Pode não parecer, mas essa é uma das séries de games mais bem-sucedidas do Oriente, principalmente em seus três últimos jogos, e hoje a gente vai tentar ver como tudo isso aconteceu. Esta é a Evolução de Monster Hunter.

Monster Hunter - PS2 (2004)

O primeiro Monster Hunter fazia parte de uma iniciativa do Production Studio 1 da Capcom de desenvolver três games focados nos recursos online do PlayStation 2. Apesar de você conseguir jogar bastante coisa no single-player, a maior parte parte do conteúdo estava na seção online, que permitia co-op com até mais três jogadores

O princípio, que até hoje permanece na série, era caçar e matar monstros, e a partir dos restos mortais das criaturas criar armas e armaduras. Era uma jornada que pedia estratégia, habilidade e bom gerenciamento de itens.

Monster Hunter 1

O game saiu tanto no Japão quanto nos Estados Unidos em 2004, mas infelizmente não vendeu muito bem aqui no Ocidente, principalmente pela falta de marketing. Versões expandidas desse primeiro game saíram no ano seguinte também para o PSP e Wii, com os nomes "Monster Hunter G" e "Monster Hunter Freedom".

Monster Hunter 2 - PS2 (2006)

Ainda que o desempenho de Monster Hunter tenha sido bem fraco na América do Norte e Europa, o game foi um sucesso no Japão. Isso garantiu a produção de uma sequência que, por esse motivo, acabou saindo só por lá. Novos recursos foram incluídos, como ciclo de dia e noite, mudança de estações, minigames além é claro da chegada de novos monstros e armas.

A sequência ainda introduziu o uso de gemas e mais opções no offline, como por exemplo pausar a partida e o uso de alguns personagens antes só disponíveis no modo conectado. No ano seguinte, uma versão portátil do jogo foi feita para o PSP e essa sim chegou ao Ocidente.

Monster Hunter 2

Em 2009, o mesmo PSP ganhou uma versão expandida do game chamada de “Freedom Unite”, com mais missões, equipamentos e monstros, chegando em 2014 para os dispositivos mobile da Apple .

Monster Hunter 3 Tri - Wii (2009)

O terceiro Monster Hunter da série principal foi inicialmente planejado para o PS3, mas por questões de custos a Capcom o transformou em um exclusivo do Wii. Esse novo capítulo trouxe novidades como o chat de voz, o Switch Axe no arsenal e a possibilidade mergulhar e lutar embaixo d’água, apesar de tirar elementos como o uso de duas espadas e o arco. Além disso, todas as áreas são novas e apenas três monstros dos games anteriores aparecem.

Monster Hunter 3

Desta vez o game veio para o público ocidental, ainda que com alguns meses de atraso, e ganhou um port aperfeiçoado para o Nintendo 3DS alguns anos depois chamado de Monster Hunter 3 Ultimate, que acabou vindo também para o Wii U.

Monster Hunter 3 vendeu bem em sua versão do Wii e ainda melhor no 3DS. Enquanto as resenhas no Ocidente consideraram ele um ótimo game, a revista japonesa Famitsu deu nota máxima, uma das poucas ocasiões que isso aconteceram nos 20 anos da publicação.

Monster Hunter 4 - 3DS (2013)

Depois de virar port para consoles portáteis três vezes, a série estreou seu quarto game exclusivamente no 3DS. Aqui foi aumentado o ênfase nas mecânicas de plataforma, com escaladas mais fluidas e mais ambientes verticais; e pela primeira vez é possível se agarrar nos monstros e atacá-los.

Os monstros também podem ser infectados com um vírus que deixa eles ainda mais perigosos. O combate aquático foi retirado, mas duas novas classes de armas foram introduzidas, além de todas as anteriores retornarem com novos movimentos.

Monster Hunter 4

Monster Hunter 4 foi sucesso absoluto de vendas no Japão. Com o lançamento da versão Ultimate, que também chegou ao Ocidente, parte da crítica considerou o melhor game da franquia até aquele momento.

Monster Hunter Generations - 3DS (2015)

Generations, além de perder o número no título, adicionou ataques especiais, novos estilos de combate e a possibilidade de jogar como um felino, que até aqui só eram companheiros de jornada. Desta vez, bem mais recursos de customização foram incluídos, e teve a chegada de novas áreas e monstros, além do retorno de parte do conteúdo que os fãs mais gostavam, com algumas atualizações.

Monster Hunter Generations

As vendas foram praticamente o dobro do que a Capcom esperava e ainda alavancaram as vendas do portátil Nintendo 3DS em 360% de uma semana para a outra, se provando um verdadeiro system seller.

Seguindo a tradição da série, uma versão expandida do game foi produzida logo depois, chegando também para o Switch em alta definição no ano seguinte. Nos Estados Unidos, Generations foi sucesso comercial e crítico, sendo indicado ao The Game Awards 2016 na categoria de Melhor Jogo Portátil.

Monster Hunter World - PS4/XONE/PC (2018)

Com o público ocidental aderindo à série, e com um histórico invejável de vendas, a Capcom decidiu investir pesado em um Monster Hunter  que fosse menos de nicho, com apelo mais mundial e com cara de blockbuster do ano.

Monster Hunter World foi então o primeiro título da franquia a chegar ao Japão, América do Norte e Europa ao mesmo tempo, permitindo também pela vez que jogadores dos três continentes jogassem entre si.

Monster Hunter World

World evoluiu com gráficos melhores, um mundo aberto vivo e um ecossistema incrível. Desta vez, a trama ficou em foco, contando até com diálogos de voz e cutscenes cinematográficas. O modo online passou a permitir que os caçadores entrassem e saíssem de quests com mais liberdade e todas as quests podem ser realizadas no offline.

Crossovers com Street Fighter V, Marvel vs. Capcom, Horizon: Zero Dawn e até Mega Man fizeram aparições e serviram como parte da campanha de marketing da Capcom para promover o game. E provavelmente nenhum Monster Hunter tinha sido tão promovido no Ocidente. O resultado veio rápido: em apenas três dias 5 milhões de cópias foram enviadas às lojas. Mais de 1,3 milhão vendidas só no Japão.

monster hunter world

A recepção dos críticos também foi absoluta, com game alcançando média acima de 90 no Metacritic. Este foi o primeiro Monster Hunter a chegar em uma plataforma PlayStation em 12 anos e o primeiro em inglês a chegar um console Xbox.

Spin-offs

Além da série principal, oito spin-offs foram produzidos na franquia, e a maioria deles nunca saiu para outros países além do Japão.

  • Monster Hunter Frontier Online é um MMORPG feito apenas para o Japão e que saiu para PC em 2007, com um port para o Xbox 360 em 2010;
  • Monster Hunter Online é outro MMO de PC, produzido para o mercado chinês em 2013;
  • Monster Hunter: Frontier G, um terceiro MMO que não veio para o Ocidente, mas que foi lançado no PC, Xbox 360, PS3, Vita e Wii U entre 2013 e 2014, seguido de uma versão versão atualizada que também chegou ao PS4;
  • Monster Hunter Diary: Poka Poka Airou Village é um exclusivo do PSP de 2010, que ganhou duas versões expandidas, sendo a segunda para o 3DS;
  • Monster Hunter Portable 3rd saiu para PSP e PS3 entre 2010 e 2011, mas também apenas no Japão;
  • Monster Hunter Dynamic Hunting é um jogo de luta feito exclusivamente para o iOS em 2011 — este teve lançamento mundial;
  • Monster Hunter Explore também foi produzido para dispositivos mobile em 2015, com versões para iOS e Android, mas ficou apenas no Japão;
  • E por fim, Monster Hunter Stories, um RPG com menos foco em ação e com combate em turnos, que foi lançado para o 3DS mundialmente, entre 2016 e 2017.

E aí, você já conhecia todos esses games da franquia? Quais deles você jogou? Se você gostou desse quadro, aproveita pra deixar um like e conferir também outros episódios, como a Evolução do Sonic ou a Evolução da Call of Duty ou ainda a Evolução de Wolfenstein.

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.