Não é à toa que Red Dead Redemption 2 está rodeado de expectativas: trata-se de um produto que está há oito anos em desenvolvimento e o primeiro jogo da Rockstar na atual geração. O título também carrega a responsabilidade de conectar, enquanto prequel, uma narrativa que teve várias camadas de densidade no primeiro Redemption, lançado em 2010.

A Rockstar sempre se caracterizou por fazer o que bem quer com gerações de consoles. Vide GTA 5, que saiu em 2013, inaugurou um novo motor, retrabalhou a física “pesada” de GTA 4 e, é claro, entregou um modo online completamente autônomo, que caminha, até hoje, com as próprias pernas – e ainda faz o jogo vender horrores.

Usando a roupagem do fim da era do Velho-Oeste, Red Dead Redemption 2 promete um mundo aberto orgânico, explorável em seus mínimos e máximos, personagens secundários que reagem de maneira imprevisível e mudam suas linhas de diálogo graças a um complexo sistema de IA, interações aleatórias com diversos elementos do ambiente – não somente pessoas – e inúmeras atividades opcionais. Esses são alguns dos pilares que a Rockstar se comprometeu a entregar na tentativa de oferecer uma experiência imersiva, respaldada numa temática de suma importância da história mundial.

Para facilitar sua vida e tentar te posicionar nessa terra de ninguém, o Voxel preparou este especial com o intuito de compilar os principais detalhes sobre a jornada conhecidos até aqui e, assim, colocar você no epicentro dela. As informações deste conteúdo foram, em sua maior parte, baseadas nas divulgações que a Rockstar fez no site oficial de Red Dead Redemption 2.

História

A aventura se passa em 1899, isto é, 12 anos antes da saga de John Marston, em regiões fronteiriças do Oeste dos Estados Unidos com o México, trechos com montanhas rochosas, florestas e planícies. Como sempre, a Rockstar utiliza nomes fictícios para reproduzir locações do mundo real.

Nessa época, o fim da era do Velho-Oeste começou. Após um roubo ter se desenrolado da pior maneira possível na cidade de Blackwater, um dos principais centros industriais do mundo do jogo, Arthur Morgan – protagonista – e a gangue de Dutch Van Der Linde se veem forçados a fugir e reconstruir sua reputação. Para isso, eles devem “roubar, assaltar e lutar no coração da América para sobreviver”. Nesse contexto, Arthur se vê embrenhado em conflitos internos que ameaçam separar a gangue e deve fazer uma escolha entre seus próprios ideais e a lealdade ao grupo com quem cresceu.

Personagens

Os personagens que integram o ecossistema desse mundo têm personalidades construídas com esmero, de acordo com a Rockstar. Esse quesito sempre foi valorizado pela desenvolvedora; ela disse, inclusive, que prefere trabalhar com atores desconhecidos do que astros famosos. Na visão dela, isso traz “mais imersão” à experiência.

O bando de Dutch Van Der Linde é grande o suficiente para caber numa minienciclopédia. Neste especial, buscamos nos ater aos principais nomes da aventura – e, se você jogou o primeiro Redemption, vai reconhecer muitos rostos além de John Marston, Jack Marston e Abigail:

Arthur Morgan

Protagonista de Red Dead Redemption 2, Morgan se posiciona como o membro mais confiável e capaz de Dutch desde que era um garoto. A vida como fora da lei é “tudo que Arthur sabe”, nas palavras da Rockstar. O gângster é frio, calculista e impiedoso, mas tem seu próprio senso de honra. Ele é, em definição resumida, o cara que cumpre o trabalho dado.

Dutch Van Der Linde

É o líder da principal facção criminosa do jogo. O primeiro Red Dead Redemption já mostrou que Van Der Linde, na posição que ocupa, deve agir com frieza na maior do tempo; ele costuma ser justo com seus subordinados e respeita um código de conduta respaldado em ideais, estudo e inteligência. Se posta como alguém extremamente bem informado e articulado.

John Marston

É raro acontecer nos títulos da Rockstar, mas sim, ela vai usar personagens do primeiro Redemption no segundo. Os dois games estão diretamente conectados, mais do que qualquer outro GTA já esteve (ainda que estes se passem no mesmo universo). Para deleite dos fãs, John Marston está de volta, aqui posicionado cronologicamente antes da primeira aventura.

O fora-da-lei cresceu em orfanato e nas ruas. Aos 12 anos, foi encontrado por Dutch para ficar sob os cuidados do líder. Sagacidade, coragem e ousadia são algumas das características de Marston, e esses pilares lhe custaram algumas cicatrizes no rosto – mas ele não leva desaforo para casa. De acordo com a Rockstar, John e Arthur são os “protegidos” favoritos de Dutch.

Abigail Roberts

Abigail, como você bem deve se lembrar, é a mulher de John Marston, e essa união dá luz a Jack Marston, que tem suma importância no epílogo do primeiro Red Dead Redemption. O passado de Abigail é igualmente conturbado: como órfã, ela viu as mazelas da sociedade através de bares pútridos e bordéis no Oeste, mas sempre teve maturidade para aprender o necessário – ainda que a lição tenha sido amarga – e saber se virar no mundo.

Jack Marston

Filho de John e Abigail, Jack Marston nasceu em 1895 e, portanto, aqui tem apenas 4 anos de idade, uma vez que a aventura se passa em 1899. O sangue da mãe e do pai garante a ele coragem e audácia, além de um grande coração: Jack é um apreciador dos animais e da natureza, e a gangue de Dutch, com quem ele também cresceu junto aos pais, vê o garoto como um afilhado protegido e querido por todos.

Sadie Adler

Viúva, Sadie Adler deseja se vingar daqueles que mataram seu marido. Decisiva e segura de suas escolhas, Sadie não tem medo dos perigos do mundo e é absolutamente leal àqueles que ama – e Arthur pode ser crucial nesse processo.

Bill Williamson

Com sua velha carabina pendurada nas costas e chapéu dobrado na lateral esquerda – bem ao estilo do primeiro Red Dead Redemption, para quem se lembra –, Williamson é um ex-soldado dispensado do exército de forma possivelmente “não honrosa”. Ele tem cabeça quente, não engole sapo à toa e tende a agir em primeira instância para depois pensar no que fez – por sorte, tem força o suficiente para ter tal audácia.

Javier Escuella

Notório caçador de recompensas, Escuella é um mexicano revolucionário que rapidamente se identifica com os ideais de Dutch. Leal, comprometido e sempre disposto a um tiroteio.

A gangue de Dutch Van Der Linde também tem outros nomes proeminentes, cada qual com sua importância dentro do grupo: Molly O’Shea, Susan Grimshaw, Pearson, Micah Bell, Charles Smith, Leopold Strauss, Karen Jones, Tilly Jackson, Uncle, Mary-Beth Gaskill, Lenny Summers, o reverendo Swanson, Josiah Trelawny e Sean MacGuire.

Locais

O mundo de Red Dead Redemption 2 promete ser vasto, selvagem e diversificado. A Rockstar já disse que “todo o mapa” do jogo anterior está embutido aqui, mas numa extensão naturalmente maior. Se tomarmos como base o trabalho feito na Los Santos de GTA 5, que ampliou geograficamente e em profundidade a mesma cidade de GTA San Andreas, a área de Red Dead Redemption 2 pode simbolizar um dos maiores mundos abertos da história dos games.

Ambientes rurais, concentrações industriais, montanhas e vilarejos configuram um cenário que se contrasta entre os perigos da natureza e as ameaças dos humanos (tanto os fora-da-lei quanto os famigerados federais). Você vai atravessar os seguintes locais:

Valentine

Alocada em Heartlands, coração do mapa, Valentine é famosa por seus leilões e sua vertente voltada aos negócios, atraindo comerciantes, forasteiros, apostadores, bandidos e prostitutas, todos em busca de fazer algum dinheiro extra – ou só se divertir mesmo.

Saint Denis

Saint Denis parece ser a réplica de Nova Orleans por se propagar como “uma fusão de culturas e pessoas em que empresários, socialites, trabalhadores, pedintes e ladrões vivem lado a lado”.

Mount Hagen

A nevosa região de Mount Hagen se reflete nos picos gelados de Ambarino em torres que ficam sobre o Lago Isabella. Esse trecho representa a passagem principal em direção ao sul e requer mais volume na vestimenta de Arthur – ir até lá com fome e maltrapilho, por exemplo, não é uma boa opção.

Rhodes

Alocada ao sul do mapa, Rhodes é marcada pela corrupção oriunda, entre outras coisas, da briga entre duas famílias: os Braithwaites e os Grays, que tradicionalmente cultivaram as grandes plantações do local.

Strawberry

Convertida em centro cultural, Strawberry mudou bastante após a chegada de um excêntrico prefeito vindo da costa oeste. O político quis transformar o local no principal ponto turístico da região.

Lagras

Cercado por trechos pantanosos, Lagras é um pequeno assentamento em que as pessoas são autossuficientes da maneira mais simples e rural possível, sobrevivendo à base de pesca e atuando como guias a visitantes que desejam conhecer a região.

Annesburg

Annesburg é caracterizada por famílias de mineradores responsáveis por fornecer carvão por quase um século. O Rio Lannahechee é o principal meio da logística deles – mas nada compensa as péssimas condições de trabalho e os baixos pagamentos.

Vida Selvagem

O mundo de Red Dead Redemption 2 é casa de aproximadamente 200 tipos de animais diferentes. Isso acrescenta uma enorme gama de seres vivos ao ecossistema que o primeiro Redemption apresentou – inclusive espécies que, hoje, mais de um século depois, se encontram em risco de extinção.

Num contexto em que a natureza existe de maneira mais próxima aos humanos, colados à vida selvagem, cada um desses bichos reage dentro de seus próprios habitats de maneira única, jamais “scriptada” – afinal de contas, o invasor aqui é você, não eles. Sob essa premissa, a ideia é entregar um “safari” diversificado e realista, baseado em estudos reais sobre o comportamento e a biologia dos animais. É o que o site da Rockstar apresenta. E cita alguns exemplos:

Viajam em enormes bandos, que se ramificam em planícies e montanhas

Na vida real se estendem do Alasca à Califórnia, nadam em enormes cardumes e funcionam como presas para os momentos de pescaria;

Farejam sua presença a distância e atacam em bandos, flanqueando vítimas humanas e animais menores;

Voam em formações fixadas de acordo com a direção do vento;

Se fingem de mortos para enganar animais maiores – ou você;

Impõem seu território ao se erguerem em duas patas e podem “blefar” a vítima.

Todos eles fazem parte de uma cadeia predatória com menos leis que o mundo atual e, conforme mencionado, muito mais próximos aos humanos – lembre-se: você pode ser o caçador ou a caça.

Cavalos

Red Dead Redemption 2 tem nada menos que 19 raças de cavalo. Os animais têm pelagens e comportamentos diferentes; os Appaloosas, por exemplo, também conhecidos como “cavalos-pintados”, são aptos para caça e guerra. Os Arabians, por sua vez, são facilmente adaptáveis à natureza e extremamente dóceis – o tipo mais comum de equino, aquele marrom clássico.

Os cavalos podem ser comprados, roubados ou encontrados soltos pelo mundo. O animal representa o principal meio de transporte do jogo; é sua companhia constante, o guardião de estimação que, como tal, precisa ser domado (e isso leva tempo). A Rockstar relata que os seguintes quesitos devem ser sempre levados em consideração:

É importante manter os animais bem alimentados, limpos e afagados. Como todo companheiro de quatro patas, devem receber carinho e atenção;

São 59 pelagens diferentes, com selas customizáveis de ponta a ponta, capazes de carregar armas e outros itens de seu inventário. A garupa do animal tem espaço para colocar carcaças de animais caçados e bandidos capturados.

Armas, caça e pescaria

A Rockstar ainda não divulgou todos os detalhes sobre as atividades opcionais que Red Dead Redemption 2 trará, mas a pescaria, tão cultuada pelos jogadores, está garantida. Pescar pode ser um exercício recreativo ou uma necessidade.

O mesmo serve para a caça. Rastrear animais requer paciência e concentração; é preciso se movimentar cuidadosamente e observar a direção do vento ou sua presa pode notar sua presença e fugir. Aliás, armas e calibres específicos são necessários para que você extraia o melhor de sua caça. Carnes e peles podem ser usadas como recursos que trazem diversos benefícios a Arthur – inclusive dinheiro, pois podem, alternativamente, ser vendidas em açougues.

Por falar em arsenal, Red Dead Redemption 2 oferecerá mais de 50 armas, desde pistolas simples até escopetas de cano duplo, arco e flecha, facão de caça e mais. Os gameplays divulgados mostraram um detalhe curioso: Arthur pode usar armas diferentes em cada mão – revólver em uma e miniescopeta em outra, por exemplo.

A Rockstar também já disse que há vários tipos de munição e que o arsenal está todo sujeito a customizações que visam melhorar precisão, alcance e dano. À medida que uma arma é utilizada, melhor será o domínio que Arthur tem sobre ela – da mesma forma, o oposto tem consequências: se você não cuidar delas, a performance pode piorar. Mantenha seu armamento limpo e lubrificado.

Dead Eye

Mecânica presente desde Red Dead Revolver, o Dead Eye, que desacelera a ação e permite que você mire em diversos pontos para efetuar múltiplos disparos em inimigos, está aprimorado em Red Dead Redemption 2, como era de se esperar.

A Rockstar divulgou apenas um gameplay oficial mostrando o sistema em ação, e algumas das melhorias previstas já puderam ser identificadas:

O novo Dead Eye gradativamente expande e se torna mais sofisticado ao longo do jogo;

É possível fazer seleção automática de alvos ou manualmente posicionar seus disparos em múltiplos bandidos;

Os pontos fracos dos inimigos são destacados durante a ação para que Arthur possa atirar com mais precisão;

O sistema cresce com você e será ainda mais crucial em momentos de vida ou morte.

Lançamento

Todas essas questões serão respondidas quando Red Dead Redemption 2 for lançado, no dia 26 de outubro de 2018, para PS4 e Xbox One. Mesmo após o lançamento do game, este dossiê fica catalogado como um guia aos veteranos e aos recém-chegados à franquia.

Gostou? Registre seu comentário aqui embaixo:

Comentários

Design: Fernando Perazzoli @lowcade

Redação: Bruno Micali @micalibruno

Coordenação: Igor Napol @igornapol