Em agosto de 2015, a Capcom fez um anúncio que muitos fãs esperavam desde 2001, quando o primeiro remake de Resident Evil aconteceu no GameCube. Catorze anos depois do lançamento do que seria um dos melhores remakes da história, a Capcom disse: “Sim, estamos fazendo um remake de Resident Evil 2”.

A demora foi longa e os segredos, muito bem escondidos: nada passou por baixo dos panos, e a surpresa foi grande quando Resident Evil 2 Remake finalmente ganhou uma face, uma apresentação concreta durante a E3 2018 – aquecendo o coração dos fãs, empolgando novatos e hypando todos os jogadores por uma das maiores promessas de 2019.

Afinal, algo tão nostálgico para os gamers e que está em desenvolvimento há tantos anos é motivo para a criação de expectativas altíssimas. Com a promessa de modernizar uma experiência de mais de 20 anos, trazer o terror de volta à franquia Resident Evil e entregar algo familiar e, ao mesmo tempo, inédito para todos os jogadores, Resident Evil 2 Remake está quase em nossas mãos.

Para ajudar você a entender o que sabemos até o momento, o Voxel preparou um especial bem extenso compilando todas as informações já divulgadas, que vão deixá-lo a par de tudo o que é preciso para desfrutar de uma das experiências mais aguardadas do ano.

O que você precisa saber antes do enredo de Resident Evil 2?

Se você começou a jogar a série agora ou não se lembra (ou, ainda, só teve contato com alguns títulos mais novos), traremos um pequeno resumo da franquia até o momento. Apesar de Resident Evil 2 não ser uma sequência que requer um conhecimento prévio para entender tudo, é legal saber o contexto em que o game se passa.

Em maio de 1998, um incidente ocorreu nos laboratórios da Umbrella, uma companhia farmacêutica, os quais ficavam isolados nas montanhas Arklay, nos arredores de Raccoon City, e o T-vírus contaminou o local, matando funcionários e disseminando a epidemia zumbi para as florestas no entorno. Com notícias de assassinatos bizarros, a S.T.A.R.S., equipe especial da polícia da cidade, é enviada para investigar o que está acontecendo por lá.

Entretanto, a equipe Bravo desaparece sem grandes explicações, e a equipe Alpha, com os protagonistas Jill e Chris, é acionada para esclarecer os eventos. De uma maneira resumida, o time de elite percebe que a área estava infestada de monstros e, no decorrer da trama, descobre a pesquisa de armas biológicas da Umbrella. No fim, tudo foi tramado por Albert Wesker, chefe da S.T.A.R.S. e secretamente pago pela empresa, que queria testar as armas biológicas com uma força-tarefa da polícia.

Ao fim da história, apenas cinco membros da S.T.A.R.S. sobrevivem, mas a mansão e os laboratórios são destruídos pela própria Umbrella para acobertar os fatos. Em relatórios da missão, Chief Irons, delegado de Raccoon City, não acredita nos sobreviventes e demite a equipe – posteriormente, as intenções de Irons seriam reveladas.

Apesar da destruição dos laboratórios, o T-vírus, responsável pelas armas biológicas e pela criação de monstros e zumbis, vaza para a área metropolitana de Raccoon City por alguns eventos combinados, causando caos e destruição alguns meses depois.

História

A trama de Resident Evil 2 nos leva para a noite do dia 29 de setembro de 1998 na cidade de Raccoon City, localizada no Meio-Oeste dos Estados Unidos. Após os acontecimentos do primeiro Resident Evil, que ocorreram em julho, o T-Vírus vazou da mansão Arklay e aos poucos foi infectando os arredores.

Sem saberem da Lei Marcial decretada na cidade, Leon e Claire chegam à Raccoon City: Leon em seu primeiro dia de trabalho na R.P.D. (Raccoon Police Department ou Departamento de Polícia de Raccoon) e Claire em busca de seu irmão, Chris Redfield, um dos protagonistas do primeiro jogo da série.

Durante a campanha dos dois personagens, eles devem sobreviver ao caos de Raccoon City e tentar escapar com vida enquanto descobrem a conspiração da Umbrella que levou aos incidentes que transformaram a cidade e criaram uma epidemia zumbi.

Mas, com o remake, há algumas dúvidas: o jogo vai alterar algum elemento do passado? Resposta: Não. Apesar de expandir as tramas de fundo de cada personagem, trazer acontecimentos inéditos e até mesmo áreas novas, a ideia é que a cronologia se mantenha intacta.

Como Resident Evil 2 original tinha dois finais para cada protagonista, o remake utilizará somente os eventos considerados canônicos como inspiração, conforme revelado pelo produtor Yoshiaki Hirabayashi em entrevista.

Cenários

Ruas de Raccoon City

Um dos diferenciais de Resident Evil 2 em relação ao primeiro game é que a ambientação é inteiramente urbana. Embora o jogo original explore pouco as ruas, o remake terá uma expansão um pouco melhor desse cenário.

Delegacia (R.P.D.)

Similar à mansão Arklay do primeiro jogo, esse é o principal cenário de Resident Evil 2. A delegacia é pouco convencional, com muito luxo e obras de arte espalhadas por todo o prédio. Antigamente, a R.P.D. era um museu, o que explica sua aparência diferente. O edifício também tem ligação com os esgotos da cidade e, por consequência, acesso ao laboratório subterrâneo secreto da Umbrella.

Esgotos

Em um primeiro olhar, o sistema de esgoto parece ser como qualquer outro. Mas a Umbrella aproveitou a área “pouco amigável” e a usou como intermédio para o acesso ao seu laboratório secreto. No remake, as instalações públicas e passagens sujas serão lar de monstros e chefes, como o crocodilo gigante.

Laboratório subterrâneo da Umbrella

Apesar de levar o nome de “laboratório”, o complexo é muito maior do que apenas algumas salas. O local tem diversos andares e setores diferentes que conduziam os mais variados tipos de pesquisas secretas e ilegais – e só não foi descoberto por causa da polícia, que recebia propina para evitar incômodos. Em 1998, alguns repórteres começaram a desconfiar da situação, mas logo os incidentes de Raccoon City ocorreram.

Orfanato

Essa é uma área inteiramente inédita. Ainda não há muitas informações sobre ela, mas a descrição oficial indica que se trata de um orfanato construído pela Umbrella nos arredores da delegacia. Até o momento, não se sabe o tamanho da área nem o que a Umbrella conduzia secretamente no local.

Bônus: Banheiros da delegacia

Um pequeno devaneio, mas que vale a menção. A delegacia original não tinha nenhum banheiro, o que era estranho, mas compreensível pela idade do jogo (não havia tanta atenção aos detalhes). A Capcom sabe da brincadeira dos fãs, que perdurou por décadas, e por isso colocou diversos banheiros espalhados pela R.P.D.

Personagens

Um dos protagonistas de Resident Evil 2, Leon é um policial novato que chega à Raccoon City sem saber do estado de sítio em que a cidade estava. Assim como outros personagens, Leon quer tentar escapar da cidade com outros sobreviventes, mas vai se ver no epicentro de uma conspiração envolvendo a Umbrella, a polícia de Raccoon City e até mesmo o governo.

Em busca de seu irmão, Chris Redfield, Claire também desconhece o estado da cidade de Raccoon City e acaba adentrando em uma noite de horrores. Além de procurar uma forma de fugir da cidade, a protagonista deseja ajudar Sherry Birkin no processo e descobrir mais sobre as tramas maquiavélicas da Umbrella.

Inicialmente, Ada parece ser apenas mais uma sobrevivente no caos permeado ao redor de Raccoon City, mas ela é muito mais: a companheira da Leon é, na verdade, uma espiã atrás dos segredos da Umbrella.

Sherry é apenas uma criança pega no fogo cruzado entre todos os conspiradores do incidente de Raccoon City. Negligenciada pelos pais, William e Annette, a garotinha acaba utilizada como refém por outras pessoas que querem o G-Vírus.

Mulher de William Birkin e mãe de Sherry, a cientista é uma parceira do marido na criação do G-vírus, mas desempenha um grande papel de intermediária nas relações com a polícia de Raccoon City e na proteção da pesquisa do vírus.

William Birkin é o pivô dos acontecimentos de Resident Evil 2. O cientista da Umbrella é o criador do G-vírus e aspirava se tornar um executivo da empresa, mas ficou descontente com o descaso da companhia e a visão dos diretores. Durante os acontecimentos de Resident Evil e Resident Evil 2, o cientista decide manter sua pesquisa para si mesmo e trair a Umbrella, com a intenção de vendê-la ao exército norte-americano. Entretanto, as coisas dão errado, e ele acaba injetando nele mesmo a própria criação, virando um monstro no processo.

O delegado da R.P.D. pode parecer um aliado, mas é um dos catalisadores dos acontecimentos da história, acobertando os rastros da Umbrella em Raccoon City e causando problemas aos protagonistas.

Marvin é um dos poucos policiais que sobreviveram ao ataque de zumbis na R.P.D. depois que Chief Irons trancou todos lá dentro, mas talvez “sobrevivente” não seja a melhor palavra, já que o tenente está bem perto de morrer. Em seu pouco tempo de vida, ele dará mais contexto a Leon sobre o que está acontecendo e o auxiliará na jornada.

Dono da loja Kendo Gunshop, o lojista é mais um que só quer sobreviver à noite de pesadelos de Raccoon City. Apesar de participar muito brevemente no original, o personagem terá uma história levemente expandida no remake.

Armas

Nada melhor para combater uma cidade infestada de zumbis e armas biológicas do que um arsenal grande à disposição, não é mesmo? Leon e Claire passarão por diversas partes de uma delegacia e podem encontrar armas e munição de sobra. Confira a lista dos equipamentos confirmados até agora.

a clássica pistola automática de Leon que pode ser aprimorada com partes específicas. Quando melhorada, tem cadência de tiro maior e mais precisão.

esse revólver é um estreante na série e conhecido por ser de defesa pessoal em alguns países. Compacta e potente, a arma de Claire é um bom equipamento de início, mas sofre pela pequena quantidade de balas (apenas 5).

também conhecida como Browning HP em Resident Evil 2 original, essa pistola tem um pente com mais balas e pode ser usada por Claire (ainda não foi confirmado se ela estará na campanha de Leon).

até o momento, a clássica pistola da série é um bônus de pré-venda ou exclusiva da versão Deluxe.

pistola de Ada Wong. Até o momento, há poucas informações sobre ela.

a shotgun de Leon está de volta e com todo o glamour e potência apresentados no original. Assim como a pistola, a W-870 também pode ser aprimorada com algumas partes.

uma arma extremamente poderosa e que tem diversos tipos de munição, como explosiva, incendiária e corrosiva. Usado por Claire, o lança-granadas também pode ser aprimorado.

essa submetralhadora conta com uma cadência de tiro bem alta, mas consome muita munição. Ideal para hordas de zumbis ou inimigos mais poderosos.

uma das armas mais poderosas do jogo, a Magnum ainda não apareceu oficialmente, mas sabemos que ela existe, já que há munição específica na demonstração e a Tokyo Marui, empresa de airsoft, utilizou uma imagem de divulgação que mostra a pistola de Leon aprimorada (o modelo será vendido no Japão).

uma das armas secundárias, aproveitada de Resident Evil 1.5, a granada pode ser usada como ataque ou item de defesa, já que é possível contra-atacar um golpe com ela.

também uma arma secundária, capaz de atordoar os inimigos tanto no ataque como na defesa.

diferentemente do original, a faca pode ser usada como ferramenta para abrir alguns selos do ambiente, como um item de defesa e até mesmo como uma arma secundária forte para incapacitar zumbis ao cortar suas pernas; contudo, a arma tem uma barra de desgaste e pode quebrar.

Inimigos

Assim como no original, Resident Evil 2 Remake terá diversos inimigos clássicos da franquia. Apesar de a expectativa ser de que todos os oponentes mais icônicos apareçam, alguns deles ainda não deram as caras em trailers nem estão confirmados, como os corvos, as aranhas gigantes e as plantas mutantes.

Zumbis

A alma da franquia está de volta. Os zumbis são os inimigos mais icônicos da série e retornam de uma maneira muito mais amedrontadora, com um aspecto grotesco e muito mais resistência a tiros. Dessa vez, talvez seja melhor incapacitar um zumbi do que matá-lo para economizar balas. E é melhor não dar bobeira: eles podem se jogar de escadas e até mesmo abrir portas para persegui-lo.

Cachorros

Os cachorros mortos-vivos estão de volta e ágeis como sempre, dando dor de cabeça aos protagonistas.

Lickers

Dessa vez, os lickers (ou “carnífices”, como foi traduzido) serão mais presentes durante todo o jogo, aparecendo mais frequentemente do que no passado. Além disso, eles serão cegos e poderão ser contornados com mecânicas furtivas..

Adult-G

Antigamente, Adult-G era um chefe intermediário nas campanhas de Leon e Claire, mas no remake será um inimigo de elite que aparece de vez em quando para complicar a vida do jogador.

Crocodilo gigante

O chefão clássico retorna ao remake e está tão imponente quanto antes. Algumas mudanças foram feitas, mas isso é tudo que você precisa saber, para evitar spoilers.

Mr. X

Apesar de ser chamado de Mr. X, o chefão não tem oficialmente esse nome e é um Tyrant (uma arma biológica) que deve matar as pessoas que sabem demais sobre os planos da Umbrella.

Mudanças em relação ao original

Diferentemente de alguns remakes (ou até remasters) que optam por recriar à risca a experiência original – como Crash, Spyro e Shadow of the Colossus –, Resident Evil 2 Remake vai na contramão: a ideia é reimaginar tudo, com quase todos os elementos, de história ao gameplay, reformulados de uma maneira diferente.

A primeira e mais impactante mudança vem na jogabilidade. As câmeras fixas saíram, e entrou o modelo moderno de Resident Evil, com a famosa câmera sobre o ombro. Teoricamente, isso poderia facilitar um pouco o game, mas a Capcom trabalhou bem o elemento de surpresa e compensou de muitas formas o medo do desconhecido, colocando corredores escuros e outras mecânicas que auxiliam no terror.

Uma das adições para complementar o gameplay é a dificuldade adaptativa implementada originalmente em Resident Evil 4. Para evitar frustrações, esse sistema aumenta ou diminui o desafio de acordo com a experiência do jogador. Está matando os zumbis muito rápido e sobrando munição? Você verá mais deles (e alguns mais resistentes). Está morrendo demais? O game vai dar uma leve ajuda.

Embora a história seja a mesma do original, a equipe de desenvolvimento se dedicou bastante para melhorar e expandir cada personagem do game, não só nos visuais. Dos protagonistas aos personagens secundários, todos foram retrabalhados e ganharam mais detalhes, personalidades mais presentes e até mesmo planos de fundo mais bem trabalhados.

Para dar coerência à campanha, a Capcom eliminou o formato de quatro rotas diferentes: Leon no cenário A e Claire no B ou vice-versa. Como no original só há um canônico, os desenvolvedores optaram por ter apenas duas campanhas, uma para cada protagonista, que mesclem alguns elementos de cada cenário.

Há outras mudanças e adições menores também. Existem muitos cenários novos, como salas inéditas ou até mesmo áreas completamente novas (como o Orfanato), a trilha sonora foi refeita (mas os fãs podem jogar com a trilha original se comprarem a versão Deluxe), e também há colecionáveis, chamados de Mr. Raccoon – você precisará destruir todos os mascotes de Raccoon City espalhados pela campanha.

Por fim, mas não menos importante, as máquinas de escrever para salvar o jogo e o baú para guardar os itens continuam, assim como no original. Entretanto, há uma diferença: nas dificuldades convencionais, você poderá salvar quantas vezes quiser, mas na dificuldade “Intenso” os Ink Ribbons serão necessários para guardar seu progresso.

Ambientação

Pode parecer óbvio para muita gente, mas não é: Resident Evil 2 Remake se passa no mesmo período que o original, em 1998. Não é incomum que remakes peguem as experiências antigas e as refaçam em eras modernas, mas não é o caso aqui. Pode esperar falta de celulares, computadores antigos e diversos elementos da década de 90.

E o game também nada seria sem sua atmosfera bem-construída que entrega terror aos jogadores. Resident Evil 2, o original, era assustador em seus próprios méritos em 1998 (ano em que foi lançado), mas muita coisa de lá não serviria atualmente. Como a equipe refez tudo, nada mais justo do que alterar a ambientação. Segundo o produtor Hirabayashi, a temática aqui é umidade e medo da escuridão. É quase como se tudo tivesse mofado e nos dá a impressão de que todo o desastre se passa em uma noite de chuva intensa na cidade de Raccoon City.

O título é realmente muito escuro. Até mesmo com a lanterna que acompanha os dois protagonistas, você terá problemas em avançar em salas escuras. Um único zumbi que esteja no ambiente (inclusive um que você já saiba que esteja lá) pode usar a falta de luz a seu favor e surpreender o jogador.

Modos extras

Por enquanto, a Capcom confirmou que os dois modos extras originais estarão de volta ao game. Nada foi dito sobre um possível Extreme Battle, mini game que lembra o clássico Mercenaries, e já sabemos que o game não terá nenhum componente online.

4th Survivor: nesse modo, controlaremos Hunk, assim como no original, o único das forças da Umbrella que sobreviveu ao ataque de William Birkin. Mais detalhes ainda serão revelados, mas a fórmula deve ser a mesma: correr contra o tempo até chegar ao heliporto da delegacia e fugir com vida (enquanto lida com muitos inimigos e munição escassa).

Tofu Survivor: semelhante ao outro modo, o objetivo também é correr ao heliporto e tentar escapar com vida da cidade. Entretanto, controlamos um tofu que só tem uma faca como arma.

Mecânicas novas

Apesar de ser um remake, a Capcom deixou claro desde a revelação que podemos esperar coisas inéditas, como puzzles novos, progressão diferente e até mesmo mecânicas distintas. Além da mudança clara de perspectiva, há algumas novidades no gatilho.

Madeira de reforço: assim como em Resident Evil Remake, teremos um recurso escasso que será um “extra” ao jogador (no outro game, eram o cantil e o querosene). As madeiras servem para reforçar janelas e impedir que zumbis invadam a delegacia, mas elas ocupam espaço no inventário e são raras. Mas não as usar em janelas pode trazer hordas grandes de zumbis em corredores apertados. Portanto, pense bem em como distribuir seus recursos.

Combinação de pólvora: assim como em Resident Evil 3 (e posteriormente em Resident Evil 7), os jogadores poderão combinar tipos de pólvora, branca e preta, para criar munição.

Contra-ataque: originalmente, não havia granadas, e as facas serviam apenas como um quebra-galho quando a munição acabava. Agora, a Capcom introduziu uma mecânica de contra-ataque contra os monstros que usa a durabilidade da faca ou uma granada, similar à mecânica de Resident Evil Remake de GameCube.

Furtividade: o game original tinha muitas coisas, mas furtividade certamente não era uma delas. Embora não seja exatamente algo presente no game inteiro, você pode andar devagar e evitar fazer barulho para que inimigos, como os lickers, não o vejam.

Lançamento

Se você está empolgado para saber mais e com grandes expectativas, não terá que esperar muito: Resident Evil 2 Remake chega no dia 25 de janeiro ao PlayStation 4, Xbox One e PC.

Gostou do que viu? Não deixe de comentar logo abaixo!

Comentários

Design: Fernando Perazzoli @lowcade

Redação: Vinicius Munhoz @viniciussmunhoz

Coordenação: Renan Hamann @Renanham