Foge do Jaguadarte. Alice retorna mais louca do que antes, mas acaba entalada na toca do Coelho

A continuação de American McGee's Alice — releitura esquizofrênica do clássico escrito por Lewis Caroll — agrada, mas não causa o mesmo impacto que o seu predecessor. Em Alice: Madness Returns voltamos ao perturbado mundo fantasioso criado por Alice, conforme tentamos desvendar os mistérios da sua psique fraturada.

Lutando contra a sua própria insanidade, Alice continua tentando se recuperar da trágica morte de seus pais. A garota está de volta à Londres, liberado do manicômio sob os cuidados pessoais de um psiquiatra local, mas parece que os dez anos de tratamento não adiantaram muito.

Perturbada com os fantasmas do passado a garota desce pela toca do Coelho mais uma vez, todavia, seu estado mental alterado também afetou sua versão do País das Maravilhas, que está totalmente distorcido e mais perigoso do que nunca.

Alice: Madness Returns é um jogo mediano. O título conta com visuais estilizados e uma jogabilidade interessante, porém, sofre com vários problemas técnicos e momentos de inanição criativa.

Alice: Madness Returns é um bom jogo que agradará aos fãs de jogos de ação/plataforma. O título deixa um pouco a desejar — especialmente por conta da expectativa gerada pelo seu predecessor, American McGee's Alice —, mas ainda prende a atenção por algumas boas horas de jogo.

A direção de arte peculiar, bem como os efeitos sonoros, são os grandes destaques — apesar de os visuais penarem com vários problemas técnicos. A jogabilidade simples, com um sistema de combate bem ajustado, garantem a diversão. Entretanto, o jogo peca pela falta de variedade e a repetição das ações se torna tediosa.

Alice: Madness Returns vale a pena principalmente para os fãs do original, mesmo sendo inferior ao seu antecessor.

“Sorrelfiflando através da floresta”

Alice: Madness Returns é belíssimo, isso se levarmos em consideração apenas a direção de arte. O título apresenta visuais estilizados que criam dois universos distintos, mas igualmente perturbadores. A realidade sombria e a alucinação deturpada de Alice são apresentadas brilhantemente graças a um design muito inspirado.

Img_normalCriativos e assustadores, o universo de jogo passa um clima surreal, onírico, que prende o jogador mesmo sem utilizar recursos técnicos de ponta. Os cantos grotescos da mente de Alice despontam em ambientes cheios de “vida”, povoados por lesmas multicoloridas e bonecas de porcelana amaldiçoadas — sem contar Chapeleiros desmembrados e camundongos despóticos.

A história está repleta de enigmas e reviravoltas e prende a atenção do jogador. Além disso, os personagens do título original estão de volta — no entanto, todos sofreram mudanças, adaptando-se a nova “realidade” de Alice.

Alice: Madness Returns aproveita alguns elementos da visão original de Lewis Carroll e corrompe todo o resto. A trama é tão abstrata e atraente quanto os visuais. Como já adiantamos, o jogo acompanha Alice — que apesar de ter sido liberada da instituição em que estava internada, ainda não está curada.

“Sua espada Mavorta”

Alice: Madness Returns é um jogo de ação com elementos de plataforma. Mesmo sem inovar, o título agrada por utilizar com muita classe vários elementos típicos do gênero.

Img_normalO sistema de combate é eficiente, mesclando ataques à distância e corpo a corpo (melee). Além disso, as armas são extremamente criativas, condizendo com o estilo bizarro de toda a produção. Assim, você empunhará a lâmina Vorpal — uma faca de açougueiro —, um moedor de pimenta e até mesmo um cavalinho de brinquedo como armas na sua luta pela sanidade.

A dinâmica de batalha segue apostando no estilo simples e eficiente. Você pode travar a mira em um inimigo, atacar com golpes à distância ou corpo a corpo, além de se defender e esquivar.

Outro elemento interessante é a possibilidade de encolher. Quando Alice ativa essa habilidade ela fica menor e intangível. Nesse estado você poderá acessar áreas especiais, além de poder “enxergar” elementos escondidos do cenário.

“As lesmolisas touvas”Img_normal

Um dos maiores problemas de Alice: Madness Returns é que a criatividade presente na história e na direção de arte, não se aplica ao resto do design do jogo. Você até encontrará alguns elementos interessantes, porém, o uso repetitivo das ideias acaba se tornando tedioso.

Em suma, os cenários belos e elaborados abrigam sempre os mesmo desafios. Salvo por alguns quebra-cabeças contextuais, tudo se resume a correr, saltar e golpear. Além disso, as poucas variações da jogabilidade não chegam a empolgar e, com o tempo, também começam a se repetir.

No entanto, o ponto crítico do jogo é a sua limitação técnica. Apesar de o conceito artístico ser um dos melhores aspectos do título, a tecnologia gráfica por trás dos visuais é muito problemática. Texturas mal acabadas e bugs permeiam toda a produção.

O uso da câmera também reserva alguns momentos de frustração. Algumas mudanças de perspectiva e ângulo de ação parecem desajeitados e, por vezes, acabam prejudicando o jogador.

Compre com o menor preço:
70 pc
Bom

Outras Plataformas

70 ps3
70 xbox-360