Os Guerreiros da Batalha digladiam-se no Nintendo DS

Produzido pela TMS Entertainment e Japan Vistec — sob os cuidados do diretor Mitsuo Hashimoto, que também assina os filmes animados de grandes séries como Dragon Ball, Dr. Slump, BeyBlade e Chobits entre outros — o animê, Bakugan Battle Brawlers vem conquistando uma legião de fãs cada vez mais fervorosa.

A história das cinco criaturas místicas (os Bakugans) e seus “adestradores” humanos já conta com mais 100 episódios, sem mencionar a infinidade de produtos relacionados. A trama principal apresenta as aventuras de um grupo de amigos que acham as cartas dos Bakugans caindo do céu e resolvem criar um campeonato envolvendo todas as pessoas que encontraram esses itens mágicos.

Surgia assim o Bakugan Guerreiros de Batalha, formado por sete crianças: Dan, Shun, Runo, Marucho, Julie, Alice e Joe Brown. Em meio a brincadeiras e duelos — a relação entre os humanos e os Bakugans é bem similar à dos treinadores e Pokémons — a equipe busca por informações sobre a verdadeira origem dos Bakugans, enquanto repelem as investidas de Hal-G e Naga (um treinador corrompido e um Bakugan maligno, respectivamente).

Para os não iniciados, os duelos Bakugans (uma espécie de misto de Pokémon e Pokébola) desenrolam-se da seguinte forma: cada jogador conta com três Bakugans, três Gate Cards e um pequeno deck de cartas de atributo (no melhor estilo Yu-Gi-Oh!).

Os jogadores (dois ou mais) posicionam as cartas “portais” (Gate Cards) no tabuleiro e devem arremessar seus Bakugans (em sua forma esférica) sobre as cartas postadas na mesa, ativando ambos os itens.

Uma vez sobre a Gate Card o Bakugan assume a forma de batalha (conjurando um monstro), esperando um oponente para lutar ou dominando a carta ao permanecer mais de um turno sem oposição.

Durante os combates as criaturas ainda se utilizam de vários bônus que aumentam o seu poder de ataque ou debilitam o adversário. O vencedor é definido de acordo com o G-Power (força bruta) dos Bakugans, sendo que a criatura com o maior percentual de G-Power ganha o embate.

Em Bakugan: Battle Trainer o objetivo é adestrar e duelar Bakugans. No melhor estilo Pokémon, você deve evoluir suas criaturas e colocá-las no ringue.

A trama não segue nenhum arco apresentado no animê ou mangá da franquia. Desta vez Dan — o maior treinador Bakugan do mundo — deve resgatar as criaturas que foram abduzidas por seres alienígenas.

A bordo de uma estação espacial, Dan deve duelar para recuperar os Bakugans perdidos. A cada vitória você recupera uma criatura — que entra para o seu “rancho” e pode ser treinada e enviada para novos duelos. O jogo usa bem os recursos do Nintendo DS e agrada em cheio aos fãs do gênero e fiéis seguidores da legião Bakugan.

Bakugan Battle Trainers é essencial para os fãs do animê, especialmente para os recém-iniciados no mundo das criaturas místicas e duelos de monstros. O jogo apresenta uma dinâmica de jogo simples, bem acessível e variada, além de contar com vários Bakugans. Apesar das limitações o jogo é um prato cheio para quem realmente gosta da franquia.

Coringa

Na realidade, Bakugan: Battle Trainer é uma coletânea de minijogos baseados no universo Bakugan. Isso porque o jogador deve adestrar e evoluir sua criatura através de diferentes jogos (que conferem pontos de experiência para evoluir o Bakugan).

Essa dinâmica confere grande diversidade a jogabilidade, que varia conforme cada desafio proposto, sem contar os estágios de duelo, que trazem a já conhecida estrutura de combates da série.

Pau para toda obra

Os recursos do Nintendo DS são muito bem utilizados. Os minijogos de adestramento e evolução são inteligentes e divertidos, fazendo pleno uso da stylus e até mesmo do microfone embutido do portátil. O direcional é utilizado ocasionalmente e os botões são totalmente ignorados atrelando todos os comandos ao uso da stylus.

Guerreiros de Batalha

O jogo conta com uma grande variedade de Bakugans, 30 ao todo, o que certamente é algo muito atraente para os fãs da franquia. Porém os não iniciados também tiram vantagem desse aspecto, haja vista que podem variar suas estratégias de combate conforme as peculiaridades de cada ser.

Bem acabado

Os gráficos são limpos, coloridos e bem definidos — em alguns momentos supera vários títulos do Nintendo Wii. O design da interface também é um ponto positivo, conforme as animações correm na tela superior. Mas devido à(?) ação na tela inferior é fácil perder alguns elementos importantes da história e da própria jogabilidade. Todavia a disposição da tela superior sempre deixa as caixas de texto na base, tornando-as mais “visíveis” ao jogador.

Vira o disco

Os efeitos de som e música são limitados e tendem a se repetir ao longo do jogo, tornando-o extremamente irritante. Além disso, as dublagens também não variam muito e você ficará aborrecido após alguns poucos minutos de jogo.

Para os fãs

Apesar de relativamente atraente para os fãs do gênero (simuladores de vida e a própria franquia Pokémon), o jogo é voltado para os fãs da série Bakugan. Os personagens e monstros possuem estatísticas e habilidades que só têm significado para os jogadores que acompanham a saga e conhecem as idiossincrasias dos Bakugans.

E a galera?

O jogo peca ao não contar com nenhuma modalidade multiplayer. O título apresenta enorme potencial para partidas competitivas e até mesmo cooperativas.

Evoluir o seu Bakugan e colocá-lo à prova contra seus amigos seria algo natural (como os embates de Pokémons e duelos de Yu-Gi-Oh!), porém os desenvolvedores não aproveitaram a deixa e Bakugan Battle Trainer fica um pouco mais pobre.

72 ds
Bom