Ao contrário da audiência do programa, o jogo é um desastre total e serve de exemplo de como não deve ser um jogo.

Como se sabe, diante de um cenário pouco promissor, escasso em títulos e incentivos, os games nacionais acabam sendo esmagados pelas colossais empresas de jogos estrangeiras que tem milhôes de dólares para investir em seus títulos.

Eis que a iniciativa de se lançar um jogo similar ao já famoso The Sims, usando como apoio o sucesso do reality show Big Brother Brasil, poderia reverter parciamente este quadro. Não é o que ocorre. Com uma enorme emissora por trás, esta oportunidade merecia maior investimento tanto no desenvolvimento, tanto na publicidade assim como em campanhas de marketing (tal como foi feito no vendável Show do Milhão).

Requisito mínimo para rodar este jogo: paciência

Você, felizmente, não terá que enviar vídeos nem outras coisas gozadas para a emissora para participar do jogo. Ao invés disso, encarnará alguns estereótipos típicos do programa, um tanto quanto inusitados: militar aposentado, webmaster, surfista profissional entre outros mais comus. Após montar seu personagem distribuindo os pontos por parâmetros simples e escolher a idade o jogo começa (detalhe: existem alguns atributos um tanto engraçados, tais como higiene, libido e caráter... pergunto-me então se os participantes do programa careciam dessas qualidades).

O cenário é um tanto desolado, por assim dizer. Poucos detalhes no céu e ao horizonte, talvez isso seja proposital para refletir a sensação de isolamento do resto do mundo. Mesmo assim, há algum espaço para interação com os outros personagens e objetos. Você pode nadar, sentar, dormir, tomar banho, se alimentar assim como beijar, paquerar e, claro, brigar com eles. A velocidade do jogo é um tanto lenta e irritante, deveriam ter mais opções de passagem de tempo, além disso a câmera é confusa e não acompanha o personagem algumas vezes (procure deixar na opção de câmera 3 no menu controlando o deslocamento na borda da tela para facilitar).

A monotonia é eventualmente quebrada pelas provas que te darão pontos para ser o líder, eleito toda quinta-feira. Tais provas consistem, por exemplo, em mini games como tiro ao alvo. O multiplayer consegue, por sua vez, dar uma dinâmica maior, uma vez que é possível conversar com chat além de, claro, ter um ser humano com companhia.

Uma boa tentativa

Os gráficos são simples e poderiam ter alguns detalhes a mais. Só que tal simplicidade é bem vinda, principalmente no Brasil, em que a maioria das pessoas não possuem placas 3d de 512 megas com Pixel Shader, Light Transforming entre outros super efeitos. A trilha sonora é um tanto pobre, não pela qualidade em si mas pela quantidade e momentos em que ela interfere no jogo. Não raro, você se sentirá sozinho com tanto silêncio, sendo perturbado unicamente pelos resmungos, que mais parecem ratos, dos outros personagens.

Para aqueles que querem um jogo simples e são super fâs do Big Brother Brasil, vale a pena dar uma conferida. Caso todos os eventos e a sistemática do reality show te agrade, a compra será um bom investimento.
38 pc
Vergonhoso