Seu Review foi enviado com sucesso.
Enquanto ele fica pendente de aprovação, dê sua nota para o jogo. Sua opinião é importante para a comunidade!
Avaliar este jogo
Voxel
Call of Duty: Ghosts
COMUN.
85
VOXEL
Call of Duty: Ghosts
Avaliar este jogo
Review
Avaliar este jogo

O início de uma nova guerra [vídeo]

Douglas Vieira da Silva

Videoanálise

Sempre que o final do ano se aproxima temos certeza de algumas coisas, como shoppings lotados de pessoas fazendo compras, especiais de Natal na televisão e um novo jogo da série Call of Duty. E neste ano não poderia ser diferente.

Após três jogos dentro da subdivisão Modern Warfare para Call of Duty, a produtora Infinity Ward decidiu que era hora de apresentar algo novo dentro da série para os jogadores. O resultado disso foi Call of Duty: Ghosts, novo título da franquia que já está disponível para PC, PlayStation 3, Xbox 360 e Wii U.

Como acontece anualmente, cada Call of Duty vem com a promessa de oferecer uma campanha empolgante, além de um multiplayer que divirta e, ao mesmo tempo, tente trazer modificações aqui e ali. Ghosts vem para seguir essa ideia, mas será que consegue? Confira nas próximas linhas.

Respondendo à pergunta feita no início da análise (se Call of Duty: Ghosts conseguiria trazer uma boa campanha e, ao mesmo tempo, algumas adições para o multiplayer): sim, o novo jogo da Infinity Ward consegue cumprir o seu papel.

Fãs não terão do que reclamar do que é encontrado aqui, e aqueles que nunca se aventuraram na série têm a oportunidade de dar o primeiro passo em uma histórico totalmente nova. Além disso, novatos na franquia também podem se divertir em um multiplayer que oferece a oportunidade de fazer uma espécie de treinamento contra o computador no modo Squad.

No fim, o grande tropeço que fica é na falta de variedade no modo multiplayer convencional. Algumas ideias são até boas, mas é impossível não pensar nelas como algo do tipo “vamos trabalhar numa engine nova [que, sejamos francos, melhorou o visual do jogo, mas nada muito gritante] e aí depois vemos o que cabe nesse multiplayer”. Uma pena.

Este jogo foi adquirido pelo redator Douglas Vieira para a realização desta análise. As versões para Xbox 360 e PS3 foram disponibilizadas pela Activision.

Campanha empolgante

O game traz uma nova história para a série. Nela, os Estados Unidos ocupam o posto de heróis na luta contra um grupo chamado The Federation, formado após a unificação dos países da América do Sul (e, veja só, isso rende uma fase no Brasil). Além de soldados, também entra em ação uma equipe chamada Ghosts, da qual os irmãos e protagonistas Logan e Hesh, além do cachorro Riley, fazem parte.

Tudo que se espera de um Call of Duty está em Ghosts: explosões, tiros, fugas, cenas chocantes, camaradagem entre os soldados e por aí vai. Com a experiência adquirida, a Infinity Ward conseguiu, mais uma vez, criar um enredo envolvendo um elenco capaz de cativar o jogador, com destaque para o canino Riley.

Img_normal

Batizado dessa forma para homenagear o soldado de Call of Duty: Modern Warfare 2 (Riley era o nome de Ghost), o cachorro é um excelente parceiro. Quando a coisa aperta o animal parte para a ação, servindo como ferramenta de exploração graças à câmera que carrega nas costas, atacando e realizando outras ações.

Matar algum oponente com Riley, aliás, é algo gratificante. Nos momentos em que o game oferece a oportunidade de controlá-lo, as ações se tornam furtivas e é possível ver um cachorro “com sangue nos olhos”, pronto para acabar com a vida do inimigo. Entretanto, todo cuidado é pouco, já que um tiro faz com que o animal deixe de agir.

Além de Riley, há outros personagens que marcam a campanha – que não é tão longa, mas diverte. Neste grupo é possível mencionar Elias, pai dos irmãos protagonistas, e até mesmo o vilão Rorke como figuras que certamente vão chamar a sua atenção.

Entre esquadrões e alienígenas

Os games recentes da série Call of Duty sempre buscam trazer algo novo para os jogadores. Em Modern Warfare 3 foi o modo Mission, em Black Ops 2 a adição de uma pequena campanha envolvendo zumbis e em Ghosts temos as modalidades Squad e Extinction.

O modo Squad serve tanto para aqueles que querem se divertir com os amigos quanto para os que não se importam de ter um time formado por bots. Entretanto, não se engane: a inteligência artificial vai fazer o seu papel, evitando assim que você “carregue o time nas costas”.

Nesta opção o jogador conta com cinco variações de jogo: Squad vs. Squad, Wargame, Safeguard, Safeguard Infinite e Squad Assault. Com exceção do Safeguard e Safeguard Infinite, nos quais você e mais três amigos devem sobreviver ao ataque dos inimigos, os demais oferecem a opção de se divertir com o computador ou tendo outras pessoas no time.

Para aqueles que perguntam qual seria a utilidade de um modo do tipo, a resposta: ele serve como treino para quem nunca se arriscou no multiplayer da série, colocando Ghosts à frente dos títulos anteriores nesse sentido. Além disso, a experiência adquirida aqui é revertida para a evolução do personagem, oferecendo alguns recursos extras para usar nos combates convencionais contra outros jogadores.

Já o modo Extinction promete atrair aqueles que curtem jogatina cooperativa, e com razão: trabalho em equipe é fundamental aqui. Os jogadores possuem um objetivo definido e, além de detonar o que aparecer pelo caminho, devem destruir casulos de alienígenas que estão espalhados pelo mapa.

Outro detalhe: aqui você não controla um soldado genérico. É possível escolher classes com habilidades diferentes para os personagens, o que adiciona estratégias às partidas e deixa tudo mais divertido – claro, desde que cada um saiba exatamente o que deve fazer.

Mudanças relacionadas à evolução

Diferente de Black Ops 2, o jogador não possui um limite de 10 espaços para gastar com melhorias para o personagem. Entretanto, há um sistema parecido com os Tokens do último jogo em Ghosts, intitulado Squad Points.

Ao evoluir, o personagem acumula pontos que são úteis para várias coisas: adquirir novas skins, comprar armas e melhorias para elas e por aí vai. Há até alguns perks (habilidades especiais) que são obtidos ao investir Squad Points após habilitá-los, e, como a quantidade exigida varia (adicionar uma mira Red Dot na arma, por exemplo, custa 3 Squad Points), é bom pensar bem em como gastar o “suado dinheiro”.

Sistema de clãs

Ainda sobre o multiplayer, o sistema de clãs em Ghosts se mostra uma investida da Activision de entrar mais firme no cenário do eSport. Aliás, isso não é recente, já que em Black Ops 2 você podia até fazer transmissão de partidas, mas agora os jogadores também ganham o auxílio de um aplicativo para gerenciar as estatísticas do grupo e, claro, mais experiência para os membros.

Em Ghosts, os grupos possuem uma área própria para se enfrentar, além de uma tabela com a pontuação de cada um dos clãs. É com ela que a Infinity Ward pretende definir os times que serão classificados para o Call of Duty: Championship em 2014. É bom preparar o seu time e também torcer para que essa não seja apenas mais uma adição, como foi o League Play em Black Ops 2.

Mapas variados

Sempre que um Call of Duty novo chega, a grande pergunta é: e os mapas para o multiplayer? Felizmente, em Ghosts eles são bem variados e com potencial para agradar a todos os grupos de jogadores.

Além das áreas médias, há ainda mapas enormes e nos quais você pode realizar alguma ação para mudar o andamento da partida, como em Stonehaven. Essa área tem um castelo com um portão que os jogadores podem fechar, e, caso isso aconteça, os adversários precisam passar por um caminho maior para entrar.

Img_normal

Claro, aumentar mapas é uma faca de dois gumes, pois se corre o risco de vagar por vários segundos sem encontrar ninguém, o que pode frustrar alguns. Particularmente, acho divertido, especialmente num confronto entre jogadores que utilizam apenas rifles de precisão.

Videoanálise

Sempre que o final do ano se aproxima temos certeza de algumas coisas, como shoppings lotados de pessoas fazendo compras, especiais de Natal na televisão e um novo jogo da série Call of Duty. E neste ano não poderia ser diferente.

Após três jogos dentro da subdivisão Modern Warfare para Call of Duty, a produtora Infinity Ward decidiu que era hora de apresentar algo novo dentro da série para os jogadores. O resultado disso foi Call of Duty: Ghosts, novo título da franquia que já está disponível para PC, PlayStation 3, Xbox 360 e Wii U.

Como acontece anualmente, cada Call of Duty vem com a promessa de oferecer uma campanha empolgante, além de um multiplayer que divirta e, ao mesmo tempo, tente trazer modificações aqui e ali. Ghosts vem para seguir essa ideia, mas será que consegue? Confira nas próximas linhas.

85 pc
Ótimo

Outras Plataformas

85 ps3
85 xbox-360