Bom para os fãs do filme, ruim para os fãs de corrida

Carros é um longa-metragem da Pixar que fez sucesso devido a uma série de fatores: humor, qualidade, simplicidade... O filme também teve repercussão no mundo dos video games com o lançamento do game Cars. O jogo é igualmente simples e tenta atingir principalmente as pessoas mais jovens que gostaram do que viram nos cinemas.
 
Não tardou para que viesse uma sequência para o game original. Cars: Race-O-Rama conta com ainda mais modos de jogo — todos com foco, é claro, nas corridas com os famosos personagens do filme — para que aqueles que aprovaram o primeiro título possam se divertir novamente com Lightning McQueen, Chick Hicks e os demais veículos de corrida.
 
É uma pena, entretanto, afirmar que Race-O-Rama não é um bom jogo. Tudo bem, a acessibilidade é inquestionável e o nível de fidelidade em relação ao longa-metragem é razoável, mas... Parece que a equipe da Incinerator Games (estúdio da própria THQ) se esqueceu de caprichar nos recursos técnicos do game e explorar o potencial das plataformas PlayStation 3 e Xbox 360.
 
Mas vamos às principais características do título distribuído pela gigante THQ. Primeiramente, é importante lembrar que o jogo conta com dois principais modos: Story Mode e Arcade Mode. Enquanto o gamer tem a oportunidade de conhecer mais sobre a saga de Lightning McQueen nos diferentes locais do filme através do Story Mode, o Arcade Mode agrupa uma série de pequenos modos de jogo variados para quem quer correr sem grandes preocupações.
 
Além disso, o game é bastante simples. Não é possível personalizar os comandos de corrida, mas (para o alívio de muitos) os controles são bem acessíveis. Na versão para PlayStation 3, há um segundo conjunto de comandos que envolve a utilização do Sixaxis, o sensor de movimento do controle da Sony.
 
Os desafios podem ser encarados através de três níveis de dificuldade: Beginner, Average e Professional. A inteligência artificial, infelizmente, deixa um pouco a desejar e facilita as coisas para o jogador até mesmo no nível Average. Se você quer experimentar um jogo bastante competitivo e desafiador, Race-O-Rama não é a melhor opção.
 
De modo geral, o game estimula o jogador a correr da melhor maneira possível na tentativa de desbloquear um grande número de itens: peças, personagens, mapas... Muitas vezes, é importante repetir uma etapa mais de uma vez para ter acesso aos bônus. Um bom exemplo é a coleta de três Sparkplugs (velas de ignição) em uma corrida.
Voando baixo

O jogo conta, ainda, com uma leve personalização dos veículos. E vale lembrar que Lightning McQueen não é o único personagem famoso a ser controlado. O que você acha de controlar Mater (o "reboque" de Radiator Springs) em eventos por tempo?

Entretanto, é triste constatar que nem mesmo as particularidades de Race-O-Rama — como as corridas com Monster Trucks e as "seções de fotos" em pleno ar — salvam o game do fracasso. O conjunto simplesmente não convence e os diferentes modos de jogo apenas enaltecem os defeitos da jogabilidade insossa.
Pessoas que possuem um senso crítico mais aguçado definitivamente não gostarão deste game. Está claro que o alvo da THQ foi o público mais jovem, visto que tudo é bastante acessível e são muitos os modos de jogo oferecidos. Quem realmente gostou do longa-metragem da Pixar pode até se interessar pelo título da Incinerator Games, mas é impossível deixar de afirmar que os problemas inundam a tela.
 
A fraca jogabilidade combina negativamente com a falta de polimento técnico. Animações entrecortadas, falhas nos controles de volumes e na qualidade de sons e diálogos, comandos nada confortáveis e outros infortúnios denigrem ligeiramente a imagem positiva que o filme transmite. Quem apenas quer conhecer um bom título de corrida pode se decepcionar fortemente com Cars: Race-O-Rama.

Muitas opções

A quantidade de mapas e modos a serem explorados é, talvez, o destaque mais expressivo deste game. O Story Mode é um bom prato para quem pretende se deliciar com os ambientes familiares, por mais que a reprodução desses cenários não seja lá essas coisas. A saga de Lightning McQueen é interessante e conquista facilmente crianças e adolescentes.

Enquanto isso, o Arcade Mode é um amplo conjunto de tipos variados de corrida. Tudo bem, a jogabilidade não gera uma forte diversão em qualquer um desses modos, mas, para quem decidir embarcar mais fundo na experiência, há muito a ser feito. Desafios por tempo, mini games envolvendo a coleta de itens específicos, corridas competitivas...

Relativamente fiel

Mesmo que os gráficos não entrem em perfeita sintonia com o contexto visual do game, é possível dizer que a apresentação da ambientação de Carros não é inteiramente fraca. Através de pequenas sutilezas na reprodução visual e sonora dos tão conhecidos personagens e cenários, o jogador começa a se sentir mais confortável.

Locais como Radiator Springs fazem com que os fãs do longa-metragem realmente se sintam mais à vontade durante os desafios. Há quem diga que a história é muito sólida e complexa para ser inteiramente exibida em um só jogo. Portanto, o ideal é que Race-O-Rama mostrasse apenas uma parte do enredo amigável do filme de forma mais direta e divertida.

Pequenos "charmes" técnicos

Tecnicamente, o jogo da Incinerator Games não é nada chamativo, mas há pequenos detalhes que podem conquistar a atenção de certos jogadores. Infelizmente, são poucos os efeitos que conseguem se sobressair em meio às diversas falhas gráficas. Por outro lado, certas falas dos personagens e alguns sons são bem interessantes.

Fim de corridaDe qualquer maneira, a iluminação do Sol no horizonte é algo que deixa as cores das texturas ainda mais vibrantes. Além disso, o "blur" (efeito que literalmente borra objetos na tela) gerado pela utilização do "boost" ("turbo") é levemente atraente. Enquanto algumas animações são satisfatórias, outras afundam drasticamente o contexto visual do game.

Simples e prático

Este ponto, na realidade, é uma faca de dois gumes. Muitos jogadores criticam a simplicidade dos comandos de corrida, mas boa parte do público-alvo da THQ ficou contente com a praticidade encontrada nos comandos. Tornando os controles mais acessíveis, os desenvolvedores satisfazem os gamers que querem se divertir despreocupadamente, sem complicações.

Enfim, a combinação entre "drift" — derrapagens — e "boost" é um dos pilares centrais da jogabilidade. Além de aumentar o número de pontos obtidos durante uma corrida, a derrapagem acelera a recuperação do "boost" e permite que o jogador combine esses dois elementos para manter uma alta velocidade por vários metros sem precisar se preocupar com o gasto do "turbo".

Cadê o capricho?

Na realidade, foram vários pontos que espantaram o Baixaki Jogos no mau sentido. Mas o mais expressivo deles é a falta de polimento no desenvolvimento geral do game. O PlayStation 3 e o Xbox 360 poderiam apresentar um jogo muito mais atraente se os desenvolvedores tivessem caprichado na apresentação dos menus, das corridas, dos personagens e dos diferentes desafios.

Nada de excepcionalNada parece ser apresentado com fluidez e naturalidade. Cortes abruptos nas animações (principalmente na transição entre uma e outra) e problemas na equalização dos sons são bons exemplos de infortúnios que os jogadores encontram em Race-O-Rama. E que tal, durante uma corrida, não conseguir realizar curvas abertas devido à presença de paredes invisíveis?

É curioso constatar, ainda, que não são poucos os períodos de "loading" durante a experiência. As dicas exibidas durante esses momentos de carregamento de dados não são o suficiente para evitar que certas pessoas se enervem com o jogo.

Nenhum diferencial na jogabilidade

Correr, derrapar, utilizar o "turbo", e... Só isso? Pois é, além de ser muito, mas muito simples, a jogabilidade apresenta problemas graves. Um dos piores é a falta de solidez e resposta em comandos como pular. Sim, é possível fazer com que Lightning McQueen sobreponha facilmente determinados obstáculos. E isso arrecada ainda mais pontos.

Outro grande infortúnio consiste na descentralização aleatória da câmera. Tudo bem, a sensação de realismo é superficialmente enaltecida com a movimentação do veículo controlado, mas por que deixar a câmera completamente desnorteada em determinados momentos? É difícil de engolir problemas como esse durante as corridas.

Graficamente deplorável

Vamos analisar da seguinte maneira: por que a boca dos personagens, no game, é apresentada de forma poligonal e com bordas serrilhadas, sendo que não há nada disso no filme? Detalhes desse tipo, ao lado de texturas pobres, má aplicação de efeitos e filtros (como o anisotrópico) e problemas diversos, estão longe de entrar em sintonia com o poder de processamento gráfico dos consoles PlayStation 3 e Xbox 360.

O jogo não é tão bonito assim...Na plataforma da Microsoft, a apresentação visual é um pouco mais decente. Ainda assim, os aspectos físicos (como batidas e comportamento dos veículos na pista) em ambas as versões contribuem ainda mais para que este jogo não agrade os fãs do gênero corrida.
59 ps3
Fraco

Outras Plataformas

60 xbox-360