Tinja o chão de vermelho com o sangue de seus inimigos na nova aventura de Conan.

Criado pelo escritor estadunidense Robert E. Howard, o cimério Conan (que já completou 75 anos de existência) foi extensamente explorado nas mais diversas mídias: livros, filmes, quadrinhos e programas de televisão são apenas algumas amostras da versatilidade do guerreiro que virou rei pela espada. Com tamanho sucesso a transposição da fantástica mitologia criada por Howard para o mundo dos videogames era apenas uma questão de tempo.

O primeiro título surgiu ainda em 1984 para os saudosos Commodore 64 e Apple II; na trilha de Conan: Hall of Volta (nome do primeiro jogo baseado no personagem) outros títulos foram lançados, mas nenhum mostrou o apelo digno do bárbaro.

Agora nos consoles de sétima geração a obra de Howard retorna a vida e embora esta nova edição de Conan não se basear nas grandes produções cinematográficas que o tornaram amplamente conhecido, o game segue basicamente o mesmo preceito dos filmes: o protagonista enfrenta diversos inimigos, dizimando-os de forma brutal e selvagem, no maior estilo God of War.

Heavenly Conan of War Sigma

A história é tão “inovadora” quanto qualquer outro romance envolvendo as aventuras do guerreiro Conan, o que não significa dizer que não sejam todas muito envolventes ou extremamente divertidas. O enredo clichê mostra uma bela Amazona que convence Conan a frustrar os planos apocalípticos de um antigo feiticeiro megalomaníaco.

Para quem já conhece outros títulos do gênero, como God of War, Ninja Gaiden Sigma ou Heavenly Sword, a jogabilidade de Conan não apresentará nenhum problema. Mesmo trazendo algumas novidades ao sistema que ficou famoso nas aventuras de Kratos, o novo título do cimério não difere muito de seus pares acima citados.

Primeiramente, conforme você dizime seus inimigos; resgate donzelas seminuas, ou colete urnas de tesouros, você irá somar pontos de experiência (XP), na forma de runas vermelhas. De acordo com a quantidade de runas acumuladas você poderá adquirir novas técnicas (combos).

Ferramentas de guerra

Como o guerreiro bárbaro possui várias formas de combate (arma simples, arma dupla, armas de duas mãos e combinação de arma com escudo), você terá uma infinidade de golpes para aprender e dominar.

Conteúdo impróprio para menores!A maioria das espadas, machados, escudos, lanças e outros aparatos de combate, pode ser “emprestado” de seus inimigos mortos, que ao tombarem no campo de batalha deixam espalhados pelo chão uma porção de membros e armas. Com as todas as combinações diferentes não existe uma superior a outra, apenas aquela que o agrada mais, seja empunhando dois machados, ou um enorme lança, Conan será igualmente letal.

A diferença fica por conta do seu estilo, se você prefere ataques rápidos, voltado exclusivamente ao ataque, certamente irá preferir empunhar duas armas ao mesmo tempo. Caso prefira ataques lentos, mas devastadores uma grande espada ou lança serão mais apropriada ao seu estilo. Também vale lembrar que os diferentes inimigos possuem vulnerabilidades singulares, ou seja, cada um é mais ou menos sensível a um tipo de ataques ou arma.

Por Crom!

São mais de uma centena de movimentos diferentes, que vão desde golpes atordoantes, movimentos especiais de encerramento, sendo que cada um varia de acordo com o estilo de luta escolhido.

Como se isto já não fosse suficiente, ao longo do jogo você irá encontrar várias partes da armadura encantada de Conan, a cada parte localizada você irá desbloquear ataques mágicos capazes de salvar o herói bárbaro das situações mais perigosas. Além de todos estes recursos destrutivos você ainda terá a possibilidade de pegar e arremessar vários elementos do cenário, bem como atear fogo e outras práticas de terror.

Nada como esquertejar um inimigo pela manhã!Além de muita mutilação e combates alucinantes o jogador também encontrará alguns quebra-cabeças, apesar de bem intencionados — já que oferecem uma breve pausa no fluxo de sangue visto no jogo — não são bem engendrados e adaptados a jogabilidade do título, mostrando-se “desastrados” e até mesmo frustrantes, principalmente os enigmas que envolvem saltos entre plataformas, como os do tradicional Prince of Persia.

Rios de sangue enrubescem o campo de batalha

Os gráficos de Conan são tão conflituosos quanto à relação do bárbaro cimério com o com seu deus Crom; enquanto o jogo apresenta algumas cenas impressionantes com muito sangue e desmembramento, em nenhum momento chegam a impressionar e realmente passar o “clima” dos consoles de última geração.

No calor das batalhas o guerreiro Conan desfere combinações mortais de golpes de espada, em determinados momentos, conforme você quebre o ataque de seu inimigo, a movimentação fica em câmera lenta em uma espécie de “sword time”, que mostra o quão viscerais são os golpes de Conan.

Os membros decepados e as poças de sangue cobrem o chão transpassando toda a violência do mundo de Hyboria, são humanos, animais e outras criaturas fantásticas, todas muito bem representadas, recriando um universo que fez fama nos quadrinhos e no cinema e na televisão.

Quem é o próximo defundo!Mas deve-se deixar bem pontuado que em nenhum momento estas cenas tão impressionantes — que incluem cenas de nudez — realmente demonstram o poderio tecnológico das máquinas de sétima geração. Algumas transições das animações parecem quebradas e granuladas e ao longo do jogo você encontrará texturas que parecem estar em baixa-resolução. Sendo que além destes pequenos problemas o jogo também não suporta resoluções de tela superiores a 720p.

Se você espera um jogo com o visual de Gears of War ou Uncharted: Drake's Fortune certamente ficará muito decepcionado. Basicamente o jogo é belo e seu visual e estilo são suficientes para mantê-lo entretido, portanto não chega nem perto de todo o potencial do PS3.

O brandir das espadas

Mesmo que o jogo não retire sua inspiração diretamente dos filmes estrelados por Arnold, certamente os responsáveis pela trilha sonora bebem da mesma fonte que Basil Poledouris (responsável para trilha do filme) já que, tanto no filme como no jogo as músicas são um dos grandes destaques.

Temas orquestrados capturam todo o espírito do clássico de 1982, trazendo de volta a mitológica era Hyboriana. Você certamente irá se lembrar dos grandes confrontos presentes na película da John Milius, enquanto escuta algumas das peças musicais presentes no jogo. Seu tom épico e a dinâmico ditam o ritmo dos golpes e acrescentem um tempero todo especial ao jogo.

Confira a nova atração do Conan Carreiro World.Em relação às dublagens apenas um comentário, apesar da alta qualidade do trabalho realizado pelo ator Ron Perlman, ficou um tanto estranho ver o guerreiro cimério com a mesma voz do demônio vermelho. Ron Pearlman, responsável pela personificação do “herói“ dos quadrinhos Hellboy acabou ficando muito associado a sua contraparte demoníaca do filme, o que dificulta muito o estreitamento da relação com outro personagem.

E enigma do aço

Conan não é nada inovador, com exceção de algumas pequenas novidades apresentadas em sua jogabilidade, o jogo limita-se a reproduzir o sistema de jogo que tornou God Of War um dos maiores sucessos dos últimos tempos.

Com algum empenho o jogo pode ser terminado em poucas horas — de seis a oito horas, dependendo da dificuldade escolhida. Além da curta duração, o jogo oferece recursos online limitadíssimos, resumindo-se apenas a um painel no qual os usuários podem comparar suas pontuações.

Mas não se desespere mesmo com estas limitações, Conan renderá uma boa experiência de jogo, em especial para todos os fãs do personagem ou qualquer simpatizante da literatura fantástica povoada por criaturas místicas e personagens singulares. Mesmo não sendo inovador em sua apresentação, Conan consegue instigar o jogador por um bom tempo, tanto que a curta duração serve de lembrete de como o título poderia ser mais explorado, deixando em todos um gostinho de “quero mais”.

84 ps3
Ótimo