Junte-se ao Daft Punk para um mix inesquecível

Depois dos heróis da guitarra, é chegada à hora de uma nova legião de guerreiros musicais subirem no palco. Desde que foi anunciado oficialmente pela Activision, o jogo DJ Hero e seu periférico vem chamando a atenção dos jogadores.

Faixas exclusivas, mixadas especialmente para o jogo, por grandes nomes da “cena” tecno internacional, aliadas a uma jogabilidade familiar e um novo periférico foram apenas alguns dos atributos que construíram o caminho para a chegada de DJ Hero.

Com um “som” próprio e a responsabilidade de carregar o sobrenome da família “
Hero”, a nova derivação da popular franquia de jogos rítmicos da Activision — desenvolvido pelo estúdio FreeStyleGames — chegou para fazer muito barulho no mundo dos video games.

Mesmo com o preço nada convidativo e algumas pequenas falhas, DJ Hero é uma compra garantida, ou pelo menos uma boa locação. O jogo é extremamente divertido, muito por conta da integração afinada entre a jogabilidade e o periférico em forma de pickup.

Faixas interessantes e diversificadas embalam o título que consegue superar suas limitações. Questões menos como a ausência de um editor de músicas (quem sabe uma sugestão para a próxima edição) passam despercebidas visto a qualidade das faixas já presentes no jogo.

No final da festa você terá a impressão de que qualquer crítica serve mais como sugestão para a uma futura edição da franquia do que um ponto negativo propriamente dito.

Nos mínimos detalhes

É hora de voltar para a escola. São tantas novidades que o jogador obrigatoriamente deve passar por um breve tutorial antes de ingressar no modo carreira. Além disso, todas as faixas do jogo estão bloqueadas, sendo liberadas ao longo da progressão dos níveis (divididos em “shows”, como em Guitar Hero).

Em linhas gerais a jogabilidade é simples, porém por tudo ser tão novo você deverá realizar as breves lições dos três tutoriais para apreender a manejar o seu novo brinquedinho musical. Mas não se deixe enganar, essa aparente simplicidade utiliza-se de uma dinâmica de jogo extremamente ágil para entregar porções verdadeiramente desafiadoras.

Brinquedo novo

Um destaque do jogo é justamente o seu periférico especial. O novo controlador, que reproduz uma pickup real, é belo e extremamente prático. Qualquer jogador minimamente iniciado nos títulos rítmicos reconhecerá a funcionalidade dos botões coloridos (apenas três nesta edição), enquanto as outras funções apresentam-se de forma extremamente intuitiva.

“Let the beet rock”

Outro ponto alto é as mais de 90 trilhas disponíveis no jogo. Os mash-ups são assinados por DJs de renome internacional como Grandmaster Flash, Jazzy Jeff, Shadow, The Scratch Perverts, AM, Cut Chemist, J. Period, Yoda e Z-Trip.

Além disso, as faixas mixadas também merecem destaque por conta da sua variedade e qualidade, incluindo nomes como Herbie Hancock, Queen, Lady Gaga, David Bowie e Rihanna — sem se esquecer do controverso Slim Shady, ou Eminem. Mas sem sombra de dúvida o grande destaque do jogo fica com a participação da dupla francesa Daft Punk — que também contribuiu ativamente no desenvolvimento do título.


Não jogue a sua guitarra fora

Algumas faixas incluem um bônus especial, a participação da guitarra. Enquanto um jogador assume o comando da pickup outro usuário entoa riffs na guitarra. O melhor de tudo é que você não precisa necessariamente jogar com a popular “guitarra de plástico”, já que o título permite a utilização do controlador normal para estas sequências. Mas vale ressaltar que esta função é opcional.

Na balada

Um dos grandes trunfos de DJ Hero é justamente o de transmitir a sensação de estar comandando uma festa, mixando músicas e agitando a galera. Os gráficos não são exatamente primorosos — mas não destoam muito das outras versões da linha “Hero” — mas o clima criado pelo show de luzes e os cenários bem desenvolvidos (especialmente o estágio especial dedicada a dupla Daft Punk) envolvem o jogador e asseguram a diversão.

Barrados no baile

Com uma trilha sonora tão eclética e interessante, é de se estranhar que alguns ícones do gênero tenham ficado de fora dessa primeira versão de DJ Hero. Mesmo os não iniciados no mundo da música eletrônica certamente já ouviram falar de Fatboy Slim, ou quem sabe do icônico Kraftwerk. É uma pena que esses nomes tenham ficado de fora da lista, mas resta ainda a esperança de possíveis pacotes de atualização (como acontece com os outros membros da família “Hero”).

DevagarDaft Punk... precisa falar mais?

A sensibilidade do botão crossfader. Enquanto a adição do sistema à jogabilidade é muito bem-vinda — o jogador deve alterar manipular o seletor crossfader privilegiando uma determinada faixa de áudio em partes específicas da música —, a operação do mesmo reserva alguns problemas.

Além da aparência frágil, o seletor exige que o movimento de alternância de pistas seja preciso, algo difícil já que o usuário deve mover o botão entre as três posições (centro, esquerda e direita) de forma rápida e exata.

Salgado

Outro aspecto negativo é o preço, no Brasil o preço oscila entre 550 (a versão do PlayStation 2) e 900 reais (edição do PlayStation 3). A diversão é garantida, mas os preços podem desanimar até os jogadores mais empolgados.

90 ps3
Excelente

Outras Plataformas

90 xbox-360