O seu PlayStation vai sofrer alucinações!

Na música, uma díade (ou Dyad, em inglês) é o nome dado a qualquer combinação de duas notas musicais distintas. Sabendo disso, é possível imaginar que Dyad, lançado exclusivamente na PSN na última terça-feira, seja um game musical.

Embora a música seja um dos elementos principais do jogo, é impossível classificá-lo apenas com essa designação. Isso porque, enquanto todos os 27 níveis de Dyad se mesclam perfeitamente com a trilha sonora, não é nela que determina a sua jogabilidade. Mais correto seria dizer, então, que Dyad une diversos gêneros clássicos em uma jornada sensorial.

Durante todos os estágios, você controla aquilo que poderia ser descrito como uma partícula de luz. Viajando por túneis coloridos e iluminados, você viaja rumo ao desconhecido enquanto precisa realizar algumas tarefas enquanto desvia de outras partículas presentes no caminho.

Tudo isso seria bastante comum, não fossem os cenários caleidoscópicos cheios de luz capazes de confundir qualquer pessoa que não esteja segurando o controle (e, às vezes, até mesmo o próprio jogador).

Afinal, a psicodelia é tamanha que a desenvolvedora teve de colocar, inclusive, um aviso para alertar todos aqueles que apresentam problemas de fotossensibilidade e epilepsia. Ainda assim, uma proposta inovadora aguarda todos os que decidirem se arriscar nessa jornada cheia de cor e luz.

Trazendo bastante inovação para o PlayStation 3, Dyad é um grande título que reforça ainda mais a lista de exclusivos do console da Sony. Com uma proposta original, o game é bastante viciante e é capaz de proporcionar muitas horas de diversão – seja no modo Remix ou na tentativa de obter uma melhor posição no ranking de cada um dos 27 estágios.

Além disso, a grande mistura de mecânicas torna o game um dos lançamentos mais interessantes dos últimos meses. Desde uma lista de troféus bastante desafiante até mesmo um modo de jogo mais relaxante, o game tem conteúdo suficiente para agradar a maior parte do público.

A única ressalva, no entanto, acontece por conta de seus visuais excessivos. Como o jogo aposta forte em luzes e cores intensas, vale a pena baixar a versão demonstrativa e verificar como você se relaciona com os visuais. Ao mesmo tempo, descansos entre as partidas são altamente recomendáveis. Levando isso em consideração, não perca tempo e embarque neste espetáculo de luz e som.

Mudando a mecânica

Se todas as cores e o ritmo dos trailers de Dyad ainda não fizeram você chegar a essa conclusão, saiba que uma das coisas que este game não pode ser chamado é de monótono e parado. E não é apenas por conta da alta velocidade de alguns estágios.

O jogo consegue essa façanha porque apresenta uma grande variedade de mecânicas diferente, as quais são apresentadas e mescladas ao longo da campanha. Se no primeiro estágio, por exemplo, é necessário apenas agarrar as outras partículas para pontuar, no próximo é preciso agarrar duplas da mesma cor.

Img_normal
Já no terceiro, é preciso juntar duplas e não esbarrar em nenhuma outra partícula, enquanto em um dos momentos finais do jogo há seis tarefas simultâneas para serem executadas no mesmo nível pelo jogador.

Desse modo, o game consegue ser variado e complexo sem demorar demais nas explicações a ponto de se tornar chato e sem apresentar todos os comandos de uma única vez de modo que se torne incompreensível.

Diferente e sem complicação

Dyad não é um game que se encaixa em um gênero tradicional, e apenas isso já o torna bastante interessante. Mais legal que isso, no entanto, é que o game consegue se apresentar sem maiores complicações.

Para isso, todos os estágios do jogo estão subdivididos em categorias com nível crescente de complexidade. Se os primeiros apresentam as diferentes mecânicas básicas utilizadas ao longo do game, os últimos combinam tudo de uma única vez sem dó e piedade.

Img_normal
A abordagem é bastante interessante e consegue, com sucesso, fazer com que o jogador não se sinta (muito) perdido enquanto precisa realizar seis tarefas diferentes ao mesmo tempo em que viaja rapidamente dentro de um túnel cheio de luz coloridas. Um feito e tanto.

A psicodelia é para todos!

Uma das grandes façanhas de Dyad é que o jogo apresenta desafios para todo mundo. Enquanto há 27 níveis diferentes, todos eles oferecem propostas capazes de divertir jogadores tanto casuais como hardcore.

Isso porque todos os níveis são divididos em três. Há o modo principal, no qual os jogadores precisam completar cada estágio cumprindo algumas metas (que podem ser desde uma pontuação mínima até um tempo máximo para o término da fase).

Quando completadas, as fases abrem o Remix Mode, no qual os jogadores podem alterar as propriedades do estágio e jogar sem compromisso. É possível alterar a batida da música, anular colisões e até mesmo habilitar um modo infinito para relaxar e aproveitar os visuais.

Img_normal
Já quem conseguir três estrelas no modo principal (o melhor ranking disponível) em uma determinada fase habilita o nível respectivo no Trophy Mode. Como o nome sugere, nesta modalidade cada nível vale um troféu. No entanto, a maior parte dele (incluindo os primeiros) é bastante desafiante, fazendo com que conseguir a platina de Dyad seja um feito verdadeiramente memorável.

Onde estou?

Os visuais fantásticos de Dyad certamente são um ponto positivo do game. No entanto, toda a sua variabilidade assim como a alta velocidade de alguns estágios são suficientes para fazer com que o jogador se perca por alguns instantes.

Considerando a complexidade dos últimos estágios, isso acaba sendo prejudicial em alguns momentos. Isso porque, uma vez que o desafio é exatamente um dos grandes atrativos de Dyad, isso acaba tornando-se um problema quando não se pode culpar o jogador pela derrota.


Cortando o barato

Reforçando mais uma vez, Dyad é um jogo que apresenta um verdadeiro espetáculo visual. As cores e luzes espalhadas pelos seus cenários, por exemplo, o tornam bastante aprazível de ser simplesmente observado. Ainda assim, durante os momentos mais alucinados do jogo, é possível perceber a ocorrência de screen tearing ­– falha gráfica responsável pela ocorrência de cortes na tela.

90 ps3
Excelente