Feio como um domingo chuvoso

Após representar a principal categoria da Fórmula 1 com muito estilo nos consoles de mesa e PC, a Codemasters decidiu levar seu principal game também ao PlayStation Vita. F1 2011 chega ao novo portátil da Sony querendo ser tão grande quanto seu irmão maior.

Com todas as equipes e pilotos do torneio real, o game adiciona novos modos de jogo e traz pequenas funções que não estão presentes na edição para PC, PlayStation 3 e Xbox 360. Por outro lado, derrapa em aspectos que podem ser considerados essenciais para uma experiência similar à dos consoles.


F1 2011 é o primeiro game de corrida de respeito para o PlayStation Vita. Para curtir o game, porém, é preciso ignorar os péssimos gráficos da versão. Se você conseguir olhar além dos visuais, estará diante de um game com opções para todos os gostos, que é uma ótima alternativa tanto para rápidas pausas quanto para longas jogatinas.

Volantes bem regulados

A jogabilidade criada pela Codemasters para seus jogos de corrida é uma das melhores do mercado. Na versão de F1 2011 para o PlayStation Vita, os controles sofreram pequenas alterações pra melhor se adaptarem ao console, mas continuam com a mesma qualidade de sempre. A resposta dos botões é precisa e todas as funções presentes no game original também aparecem aqui.

Apesar dos portáteis serem normalmente voltados para partidas rápidas e jogos curtos, a Codemasters não se esqueceu dos fãs da simulação. É possível regular praticamente todos os aspectos mecânicos do veículo. Ficaram de fora, porém, a regulagem de mistura de combustível e as informações sobre temperatura de motor e pneus, que na versão para consoles e PC podiam ser acessadas a qualquer momento durante as corridas.

Quem prefere uma diversão rápida pode optar pelo estilo arcade e utilizar assistentes de direção, que reduzem a velocidade automaticamente nas curvas e indicam o melhor caminho a seguir. A dificuldade também é totalmente personalizável e permite que mesmo os novatos nas pistas possam dirigir de forma competitiva pelas pistas virtuais.

F1 2011, porém, quase não utiliza os recursos exclusivos do PlayStation Vita. Em uma das opções de controle – que nem é a principal – a superfície traseira sensível ao toque é utilizada para troca de marchas, exatamente como em um carro da categoria. Não há nada mais além disso.

Edição estendida

Para compensar a ausência das temporadas cooperativas online, a Codemasters incluiu duas novas opções exclusivas para o PlayStation Vita. O modo mais interessante é o Challenges, no qual a habilidade dos jogadores será desafiada em pequenos minigames que envolvem os mais diversos tipos de pilotagem.


Em uma das fases, por exemplo, é preciso ultrapassar o mais número de adversários antes que o tempo chegue ao fim, enquanto em outra, o objetivo é dar o maior número de voltas coletando checkpoints pelo caminho. Aliado ao sistema de troféus, o modo faz com que o jogador volte muitas vezes ao game e tente, cada vez mais, melhorar suas próprias marcas.

Há também o Championshiop, opção na qual é possível escolher um piloto e jogar com ele durante toda uma temporada. Dessa forma, é possível disputar o campeonato de Fórmula 1 exatamente como ele é visto na televisão e dar aquela forcinha para levar seu piloto favorito ao topo do pódio.

Conversa relevante

Apesar de poder ser considerado um port, F1 2011 apresenta uma pequena melhoria em relação a seu irmão maior. O engenheiro da equipe, agora, passa informações realmente importantes ao piloto durante as corridas, em vez de ficar repetindo frases sem sentido.

Pela voz dele, você será capaz de acompanhar seu desempenho em tempo real durante as provas, além de saber até que ponto você está sendo competitivo em relação aos adversários. Tal aspecto torna o game ainda mais emocionante e incentiva o jogador a melhorar seu estilo de direção.

Não é um jogo de celular

O aspecto que mais chama a atenção em F1 2011 é também o seu maior defeito. Os gráficos, que na versão para consoles são belíssimos, surgem no Vita mais parecendo um game para celular. E até isso pode ser considerado um exagero, pois até mesmo títulos para iPhone são capazes de apresentar visuais melhores que o do jogo da Codemasters.

Para alguns, pode ser covardia comparar os gráficos das versões “maiores” com os deste lançamento para o Vita. É importante lembrar, porém, que o console da Sony é chamado por muito de “PS3 portátil”, e games como Uncharted: Golden Abyss mostram que o aparelho tem alto potencial neste aspecto. Sendo assim, F1 2011 apresenta um desempenho muito abaixo do possível (e do esperado).

Apesar da fidelidade na recriação das pistas, que aparecem exatamente como suas contrapartes reais, os circuitos passam longe da beleza vista aos domingos de manhã. O mesmo vale para os carros, que contam com texturas chapadas e de baixa resolução. O destaque fica para as rodas poligonais dos veículos.

Pequenos detalhes, que poderiam fazer toda a diferença, também foram deixados de lado. O som dos motores, que na versão original era bem característico de cada um dos carros, soa agora como um ronco genérico. As colisões também tiveram seu realismo incrivelmente reduzido e, na maioria das vezes, você só perceberá que seu carro está avariado pelo indicador na tela.

Problemas que poderiam ter sido corrigidos


Ao mesmo tempo em que corrigiu detalhes que melhoraram a experiência no Vita, a Codemasters deixou passar outros conceitos que já eram um problema na edição para consoles. É o caso da imaculada inteligência artificial, que nunca causa acidentes durante a corrida.

A desenvolvedora também pesou a mão nos fiscais de prova, deixando-os extremamente rígidos. Qualquer toque do jogador em um veículo adversário é passível de punição, que custará preciosos segundos em sua classificação final. A recíproca, porém, não é verdadeira, e é possível ver oponentes literalmente jogando o carro em cima de você sem serem advertidos por isso.

96 pc
Excelente

Outras Plataformas

96 ps3
96 xbox-360
70 psvita