O circo da Fórmula 1 ficou mais divertido [vídeo]

Img_normal
A Codemasters dispensa apresentações quando o assunto são os jogos de velocidade. Sempre focada nos simuladores, a criadora de títulos como DiRT, GRID e, claro, F1, tenta agora uma abordagem um pouco diferente. Saem as leis da física e os carros possantes, entram cores, diversão, power-ups e versões cabeçudas dos atletas da principal modalidade do automobilismo.

F1 Race Stars chega com a tarefa de agradar a públicos bem distintos. De um lado, a desenvolvedora quer encantar as crianças, que ainda são novas demais para se preocupar com a simulação nos video games. De outro, precisa criar uma experiência divertida para os fãs da Fórmula 1 que já conhecem uma de suas principais séries.

Na tentativa de cumprir essa tarefa, a Codemasters criou algo nunca visto antes em um game da categoria. Ultrapassando enormes barreiras de licenciamento, a empresa produziu um título com ares de Mario Kart, em que a habilidade no volante vale menos e o que realmente importa é o bom uso dos itens e a sorte para não ser atingido pelos oponentes.

Se você é fanático por Fórmula 1, com certeza vai gostar de controlar os pilotos reais e dar umas voltas descompromissadas pelas pistas de F1 Race Stars. Fora desse nicho, porém, o título perde boa parte de sua força, constituindo-se apenas como um game de corrida divertido, mas pouco variado e atrativo.

Img_normal
A experiência, de forma geral, é repetitiva e não prenderá o jogador ao controle por muito tempo. Os clichês e representações bobas deixam as pistas pouco interessantes e os itens não chamam a atenção. Ainda assim, F1 Race Stars é uma amostra de que a Codemasters sabe trabalhar fora dos simuladores. Resta a nós esperar que ela faça como em seus grandes jogos: aprenda com as próprias falhas e entregue sequências sempre melhores que as versões anteriores.

Como você nunca viu

Img_normal
A Fórmula 1 é reconhecida como uma das categorias com as mais rígidas leis de licenciamento. São dezenas de marcas envolvidas em patrocínio, muitos atletas cujas imagens estão sempre em jogo e uma federação que faz de tudo para manter a integridade e o respeito do esporte. O trabalho com todas essas limitações acaba sendo a grande força de F1 Race Stars, principalmente para quem é fã da modalidade.

É difícil não se divertir controlando uma versão cartunesca de seu piloto favorito, que se comporta como sua contraparte real, com movimentos e expressões característicos. Os competidores passam o tempo todo se provocando e gritando frases de efeito, a maioria deles na língua de seu próprio país.

Para agradar as meninas, a Codemasters criou ainda duas escuderias inéditas, que contam com garotas no volante. As personagens inéditas também possuem seus próprios atributos e conjuntos de movimentos, dando uma variedade ainda maior ao rol dos 24 pilotos da Fórmula 1.

Malícia é tudo

Apesar da habilidade no volante não ser mais o fator primordial para a vitória, saber lidar com o carro e a pista ainda é essencial em F1 Race Stars. Ao contrário da maioria dos jogos de corrida “festivos”, usar o freio é necessário, já que existem diversas curvas fechadas. Escorar o carro nos adversários ou comer grama não é uma opção, já que causa uma perda significativa de velocidade.

Gameplay BJ

Isso não significa, porém, que você sempre precisa correr “certinho”. As pistas são compridas e estão cheias de atalhos e caminhos alternativos, que podem ser utilizados a favor do jogador. Saber a hora certa de utilizar um determinado item também é essencial para não desperdiçá-los e melhorar suas chances de vencer.

Adaptando as regras

Mesmo com o clima divertido e cartunesco, F1 Race Stars não deixa de ser Fórmula 1. A Codemasters fez um ótimo trabalho de adaptação das regras, transformando-as em algo mais adequado ao clima leve do título, mas sem distorções que as tornassem algo irreconhecível. Tudo está lá: o Safety Car, o DRS e até o clima dinâmico. Apenas o KERS ficou de fora.

A chuva e o carro que controla o ritmo da corrida, por exemplo, foram transformados em power-ups, que são ativados quando coletados pelo jogador e diminuem a velocidade de todos os outros carros. Já o sistema de aproveitamento de energia funciona por meio de uma superfície especial pela pista e ganhou ares do famoso “turbo”, presente na maioria dos jogos de corrida.

Img_normal
As paradas nos boxes também estão lá. Em F1 Race Stars, os veículos sofrem danos na medida em que são atingidos pelos poderes especiais dos adversários, perdendo velocidade de forma significativa. Uma passagem pelo pit – que aqui não tem nada de stop – é suficiente para consertá-los e permitir que você volte a um estado competitivo. O gerenciamento de combustível também aparece em um dos modos especiais de jogo.

Pouco a ser feito

Em seu modo Carreira dividido em torneios, F1 Race Stars apresenta uma série de modos diferentes. Apesar de não fugirem do usual, as modalidades incluem corridas de eliminação ou provas em que o gerenciamento de combustível é fundamental. Inexplicavelmente, nada disso está presente no multiplayer, que tem opção de tela dividida em até quatro pessoas e poderia ser muito mais legal.

Img_normal
Assim, os jogadores que gostam de chamar os amigos em casa ficam restritos apenas à jogabilidade tradicional, com corridas comuns e itens padrões. O mesmo vale na jogabilidade conectada. Apesar de F1 Race Stars ser um game divertido, ele se torna repetitivo e enfadonho após partidas sucessivas e não há amizade que resista a isso.

Poderes ordinários

Apesar da desenvolvedora ter atravessado muita coisa, as travas da Fórmula 1 ainda existem neste game. E isso acontece, principalmente, no sistema de itens, que possui opções pouco inspiradas e variadas. Você vai se cansar de ver bolhas espalhadas pela pista, todas com diferentes cores, mas basicamente a mesma função irritante: prender você por alguns segundos.

Não há nada fora do normal em F1 Race Stars e, na maioria do tempo, você vai se cansar de coletar turbos ou bolhas. Os itens realmente legais, como os torpedos que te levam para o pelotão da frente, quase nunca aparecem para você, apesar de seus competidores surgirem com eles durante todo o tempo.

Img_normal
Uma crítica mais direta ainda pode ser feita ao item que permite um teletransporte. Apesar de ser bastante útil para dar ao jogador uma boa chance de brigar por pontos, sua utilização é mal programada e, na maioria das vezes, libera o piloto na grama ou diante de uma curva, sem que ele possa fazer nada a não ser bater. Muitas vezes, o avanço obtido com o power-up se perde quando é preciso dar a ré ou perder velocidade em um trecho sem asfalto.

Um Brasil de samba e florestas

Em F1 Race Stars, a Codemasters retrabalhou algumas das pistas que fazem parte do calendário oficial da Fórmula 1. Saem os traçados bem construídos e dinâmicos para a entrada de castelos, loopings e todo tipo de artifício que lembre o país-sede da prova. Na tentativa de tornas as coisas mais lúdicas e interessantes, porém, a desenvolvedora acabou caindo na armadilha dos clichês.

Se você é desses que odeia ver o Brasil sendo representado apenas como Carnaval e floresta, vai se irritar bastante com o game. A pista em nosso país conta com carros alegóricos e as tradicionais ruas de Salvador, que levam o jogador até um trecho pantanoso com cavernas, pontes de madeira, muito matagal e coqueiros. Para completar, os pilotos brasileiros Felipe Massa e Bruno Senna possuem dublagem com forte sotaque hispânico.

Img_normal
O mesmo vale para todas as outras pistas, cheias de clichês e saídas fáceis. São castelos de vampiros na Alemanha ou dragões e lutadores de sumô no Japão. Alternativas bobas tomadas por uma desenvolvedora que, todos sabemos, realiza pesquisas exaustivas para recriar os circuitos da Fórmula 1 em seus jogos “grandes”. O mesmo esmero e cuidado, porém, não existe na reprodução engraçadinha de F1 Race Stars.

77 pc
Bom

Outras Plataformas

77 ps3
77 xbox-360