Final Fantasy Crystal Chronicles: My Life as a King
Voxel
Final Fantasy Crystal Chronicles: My Life as a King

Final Fantasy Crystal Chronicles: My Life as a King

Nota Voxel
53
Avaliado no WII
Últimas atividades

Pontos vulneráveis do inimigos

Pela cor . É possivel perceber o ponto fraco de um inimigo pela coloração, exemplo. Se ele for amarelado, será um inimigo de trovão, vulneravel á gelo. Se for vermelho, é claro que será de...
Dica enviada por -DG- 07/06/2009 às 05:41h

Guia Para Iniciantes

Para você que é iniciante em Final fantasy, aqui vai algumas dicas : - Não economize potions para matar os Boss - Não gaste todos os deus poderes em inimigos normais - Salve sempre que puder, porquê...
Dica enviada por NikoB 14/11/2008 às 14:04h
11/06/2008 às 10:51h

Final Fantasy Crystal Chronicles: My Life as a King

Final Fantasy Crystal Chronicles: My Life as a King não é, nem de longe, um Final Fantasy que todos conhecem e amam — com um pouco de exagero, talvez. Sequer tem pontos em comuns suficientes para ser considerado parte de Crystal Chronicles. Uma comparação? Seria na realidade uma espécie de SimCity “junior”, com pouquíssimos recursos e uma...
Review enviada por Mariana Queiroz Fernandes

Review enviada por

Dica enviada por
Carregar Mais
Ficha Técnica
Data de lançamento 12/05/2008
Classificação
Desenvolvedora Square Enix
Distribuidora Square Enix
Número de jogadores 0-0
Sobre
Final Fantasy Crystal Chronicles My Life as a King traz um estilo de jogo bem diferente daquele que a maioria das pessoas está acostumada a esperar de Final Fantasy. Mesmo sendo considerado parte de Crystal Chronicles, My Life as a King guarda poucas semelhanças com a série, sendo antes uma espécie de SimCity com elementos de fantasia.

Em My Life as a King, o jogador controla um rei ainda criança que se vê diante da colossal responsabilidade de recriar todo um reino. Seguindo para uma espécie de “terra prometida” reservada por seu pai, o rei Epitav, o menino é responsável por reconstruir todo um reino para assim acabar com a existência nômade do seu povo. Para isso, o jovem rei terá a ajuda de uma bela assistente, um grupo bastante singular de criaturas e também de um pingüim chegado aos insultos.

O rei, entretanto, jamais entrará em combate direto. Cabe a ele, acima de tudo, o papel de administrador, enviando servos para colher matéria prima para a construção da cidade, escolhendo novos aventureiros dentre voluntários e mesmo planejando diretamente a cidade; sempre tomando cuidado para não se exceder nos gastos.

Para construir no reino (cujo nome será dado pelo jogador), basta que se movimente de um lado para o outro o Wii-mote. Isso fará com que a bela assistente do rei apareça, oferecendo opções para construção. Entretanto, a expansão do reino não pode ser algo arbitrário, já que lugares específicos estão previstos para as construções.

Quem jogar pela primeira vez My Life as a King vai perceber uma certa carência do jogo em construções. Inicialmente estão disponíveis apenas duas: a casa e a loja de armas. Qualquer conteúdo adicional (desde novas construções até roupas novas para o rei) deverá ser baixado no Wii-ware, o que terá um custo.
 
Ver mais