Retorne ao Reino de Ivalice e descubra a verdadeira história por trás da Guerra dos Leões.

The War of the Lions foi o segundo título a ser anunciado pela campanha promocional Ivalice Alliance, lançada pela Square Enix para celebrar o aniversário da franquia Final Fantasy ao mesmo tempo em que explora o potencial dos consoles portáteis PSP e Nintendo DS.

Originalmente lançado para o Playstation 1 em 1998, Final Fantasy Tactics revolucionou o gênero ao mesmo tempo em que explorou uma nova faceta da franquia, desviando-se um pouco do formato tradicional de RPG — que consagrou a série — introduzindo elementos táticos que acabariam proliferando por diversos títulos semelhantes.

Essa revisão do clássico do PS1 traz algumas novidades como gráficos bem trabalhados, novos personagens, classes, modos de jogo e até mesmo uma nova tradução para a história, que sofreu com os erros cometidos na transposição dos textos em japonês para o inglês.

Ramza encara seu destino.

Revisionismo histórico

Arazlam J. Durai é um historiador do reino de Ivalice, que em seus estudos procura a verdade por trás de um dos períodos mais conturbados do reino: a Guerra dos Leões (War of the Lions) e a ascensão ao trono do Rei Delita Heiral.

O historiador contesta a participação do rei na Guerra e alega que o verdadeiro herói do confronto foi um homem chamado, Ramza Beoulve. Para provar as asserções de Arazlam, o jogo reconta a história, mostrando o que realmente aconteceu durante o conflito que definiu o futuro do reino.

Nos remotos tempos de Ramza, acompanhamos o então mercenário e guarda-costas, da princesa Ovelia, enquanto ele e seus companheiros defendem um monastério, de um ataque surpresa. Em meio à batalha, um seqüestrador consegue quebrar as defesas e raptar a princesa Ovelia e para surpresa de todos, o seqüestrador é Delita Heiral, futuro rei e melhor amigo de Ramza.

Complexamente simples

Antes de tudo, deve-se ter em mente de que The War of the Lions é, em seu núcleo, um jogo de estratégia em turnos, no qual você controla um grupo de soldados posicionados estrategicamente sobre um cenário tridimensional, assemelhando-se às peças de um jogo de xadrez.

Como no xadrez, cada peça, ou no caso, cada personagem, possui características singulares positivas e negativas. O sistema de “jobs” atribui a cada função de personagens, habilidades especiais únicas, sejam de ataque ou defesaCiranda, cirandinha...

Entretanto o que pode parecer superficial logo se transforma em um poço de areia movediça que engole o jogador em um universo de opções. São menus, indicadores, itens, escalas… e muito mais, tudo a sua disposição para criar o melhor exército do mundo fantástico de Ivalice.

De escudeiro a cavaleiro

O sistema de progressão dos personagens é à base dessa construção, você comanda um grupo formado basicamente de “Escudeiros” (são aprendizes, com a capacidade de fazer de tudo um pouco, sem especializar-se em nada). Conforme seus heróis vão evoluindo, você terá a opção de designá-los novas funções (jobs), então um “Escudeiro” pode se tornar um “Cavaleiro”, ou quem sabe um “Arqueiro”, enquanto um “Químico” (classe-base dos curandeiros, capazes de carregar e utilizar itens) pode decidir focar-se em magia, tornando-se um Mago Branco, capaz de realizar feitiços de cura.

O sistema de progressão de classe não é o mesmo que a evolução do personagem, por exemplo: seu personagem pode ter nível sete, ao mesmo tempo em que é um Escudeiro nível 3 e um Cavaleiro nível 2. O jogo possibilita que cada personagem tenha uma classe inata, podendo assim progredir dentro desta classe e assumindo novas funções.

Conforme seu avanço em cada classe, você receberá JP — pontos de classe ou “job points” — junto com os tradicionais pontos de experiência (XP). Estes pontos são conferidos a cada ação realizada por seu personagem no campo de batalha, e são atribuídos a classe na qual a ação melhor se encaixa, por exemplo: uma magia de cura garante pontos de classe para os Mago Brancos. Esses pontos, por sua vez, podem ser gastos na "compra" de novas habilidades dentro de cada classe, como novos encantos para os “Magos Negros” ou a capacidade de utilizar itens mais avançados para os Químicos.

Huh?Esse esquema de progressão não é complexo, como todo o resto da jogabilidade, entretanto você só será capaz de assimilar as nuances depois de algumas boas horas de jogo. Em suma, para jogar Final Fantasy Tactics não é preciso muito “estudo” das classes, formações e tantas outras variações possíveis, mas para realmente apreciá-lo, somente com muita paciência e várias horas na frente da tela do PSP.

Melhor que o original!

Por se tratar de um port (versão do jogo adaptada de uma plataforma para outra) muito se indagou a respeito da real qualidade dos gráficos desta nova versão. Talvez por conta de tais preocupações a equipe de desenvolvimento de War of the Lions dedicou um cuidado todo especial para o design e a apresentação do título.

Seguindo a tendência de outros títulos da franquia Final Fantasy, The War of the Lions, apresenta belas animações que se utilizam do popular filtro cel-shade, que lhes confere um aspecto singular como que se fossem desenhadas a mão.

Por conta do tamanho da tela do PSP o jogo também foi desenhado com o aspecto 16:9 (widescreen) ao invés do antigo 4:3 da versão original. Também vale lembrar a adição de várias imagens assinadas pelo famoso artista japonês, Akihiko Yoshida.


Gagueira


The War of the Lions ainda traz dublagens em todas as seqüências de animação presente no jogo, entretanto em vários momentos você perceberá slowdowns e alguma deterioração sonora. Os slowdowns (efeito de retardamento do vídeo que prejudica a sincronia do som) são o grande problema técnico presente no jogo e acontecem principalmente quando você realiza um ataque ou uma magia durante as batalhas.

Guerra dos leões

Segundo os desenvolvedores, o nome do jogo, War of the Lions, é uma referência direta ao conflito que marcou a história do reino de Ivalice e também é o indicador de que esta nova versão de Final Fantasy Tactics suporta partidas multiplayer online.

Você terá duas opções de jogo, cooperativo e versus. Nas partidas versus, dois adversários posicionam armadilhas no campo de batalha, sendo que estas permanecem invisíveis para o seu adversário. Para não haver confusão entre os personagens cada time assume uma cor (vermelho ou azul). A luta termina após um determinado número de turnos, sendo que o vencedor é a equipe com o maior indicador de vida.

O vencedor das partidas online recebem um item especial gerado aleatoriamente, esses itens não podem ser encontrados ou comprados durante as partidas singleplayer.

Espólios de guerra

Final Fantasy Tactics: The War of the Lions, é um dos melhores títulos do PSP, sua jogabilidade apesar de simples compreende uma imensa quantidade de menus, opções de personalização e muitas outras possibilidades estratégicas. Infelizmente, esse grande número de opções, torna o título um tanto intimidador, e pouco atraente para jogadores não familiarizados com a franquia e com o gênero de estratégia em turnos.

A nova tradução do enredo contribui para a construção de um ambiente ainda mais elaborado, capaz de levar até mesmo os jogadores mais saudosistas (que tiveram a oportunidade de ver o título original) a um mundo de intrigas totalmente novo.

Se você ainda não foi devidamente apresentado ao gênero de estratégia em turnos, Final Fantasy Tactics pode surgir como algo muito desafiador, entretanto se você conhece um pouco do gênero e principalmente se gosta da franquia Final Fantasy, The War of the Lions é uma excelente pedida.

88 psp
Ótimo