Se há algo estranho no seu console, quem você irá chamar?

Peter Venkman, Raymond Stantz, Egon Spendler, e Winston Zeddemore; esses são os nomes que você deve chamar quando algo estranho pintar na sua vizinhança. Vinte e cinco anos após o lançamento dos filmes, da série animada, e dos vídeo games da década de 1980, os Caça-fantasmas retornam a mídia para mais uma missão.

Ghostbusters The Vídeo Game lança dos heróis do passado nos consoles de sétima geração como parte das comemorações do aniversário da franquia, lançada originalmente em 1984.

Escrito pelos astros Dan Aykroyd e Harold Ramis — que também atuam no filme como Ray Stantz e Egon Spendler respectivamente — e estrelado pelo grande Bill Murray (no papel do cientista bonachão, Peter Venkman) e Ernie Hudson (Winston Zeddemore), os filmes foram um sucesso absoluto. Fato que credenciou a franquia a uma série de subprodutos, como uma animações para a televisão, merchandising e muitas outras referência culturais populares da década de 1980.


Eu não temo fantasmas...

Depois da mega-fusão entre a Activision e a Vivendi, vários títulos da Sierra (então subsidiária da Vivendi) acabaram caindo em um limbo repleto de incertezas. Passado o vendaval a nova companhia (Activision-Blizzard) decidiu que não iria lançar todos os títulos produzidos pela Sierra e que alguns deles poderiam ser cancelados, entre eles estava o jogo Ghostbusters The Vídeo Game.

Perdido em meio aos restos da mega-fusão os fãs temiam pelo pior, que o jogo voltasse para gaveta ou pior, que fosse apagado antes mesmo de ter estreado. Porém, um velho conhecido dos jogadores, coincidentemente uma empresa que construiu sua reputação durante os anos 1980 veio para o resgate.

Sem perder tempo a Atari firmou um acordo com a Sony Pictures — detentora dos direitos da marca Ghostbusters — para produzir mais jogos baseados nos Caça-Fantasmas, prevendo ainda que a produtora de jogos pagasse um valor mínimo, referente apenas aos gastos de produção dos jogos, garantindo assim o retorno dos Caça-fantasmas, apresentando-os a uma nova geração.


Quem você vai chamar?

Ei Geléia, eu tenho um presentinho para você!
A história dessa nova empreitada se passa em 1991, dois anos após os eventos do segundo e último filme da série. Além disso, o jogo também conta com um roteiro assinado pelo próprio Dan Akroyd, o que reforçou a ideia de que o projeto é muito mais do que um vídeo game, mas também serve como a terceira parte da trilogia Ghostbusters, que deixa as salas de cinema e invade os consoles.

Talvez por isso tantos elementos do título esteja particularmente fieis as películas cinematográficas (com uma série de referências aos filmes espelhados ao longo de cada faze. Transportando assim o jogador com muita eficiência, para um mundo criado há 25 anos atrás.

Mas a integração não para por ai já que os atores realmente apostaram na ideia, juntando-se a equipe de desenvolvimento e contribuindo não apenas com a história e ambientação, mas também com as dublagens, assim os astros dos filmes emprestam suas vozes para os seus antigos personagens da tela prateada.

Não cruze os raios

Em linhas gerais a jogabilidade pode muito bem ser definida como um título de ação em terceira pessoa, no melhor estilo Gears of War. No entanto, ao invés de alienígenas horrendos, pistolas e soldados brutamontes você encontra fantasmas sinistros, mochilas proton e parapsicólogos bem humorados.

A tela apresenta uma perspectiva em terceira pessoa (como já mencionamos) mais nenhuma informação que atrapalhe a sua visão, resultando assim em um aspecto ainda mais cinematográficos. O jogo coloca o personagem em um dos cantos da tela e apresenta um esquema de controles extremamente familiar a todos os fãs do gênero.

Tomando as tradicionais (e incrivelmente estilizadas) mochilas próton. A principal ferramenta de combate aos espectros malignos possui quatro feixes de energia diferente, cada um com propriedades singulares, sendo que todos dispõem de um modo de tiro principal (utilizado para enfraquecer os fantasmas) e um secundário (capaz de aprisioná-los).

Assim, você deve estar atento aos tipos de espectros encontrados para saber qual raio surtirá mais efeito. Para tanto você utiliza outra ferramenta muito conhecida dos caça-fantasmas o PKE Meter (uma espécie de contador paranormal) que funciona em sincronia com os Ecto Googles (algo como um óculos especial para a visualização do ectoplasma.


Com essas ferramentas você analisa os fantasmas, uma vez estudados você pode desenvolver novos apetrechos, que por sua vez irão explorar as fraquezas dos seus oponentes. Para adquirir essas ferramentas você deve arrecadar dinheiro, capturando fantasmas e não destruindo muito o ambiente (já que cada dano causado ao patrimônio deve ser ressarcido do seu bolso).

Não olhe diretamente para a armadilha

Como no filme e na animação, você deverá capturar os espectros malignos (algo novo para os fãs do gênero tão habituados a destruir a cabeça de seus oponentes), utilizando a famosas armadilhas.


Mas nem tudo é tão simples assim, já que para abrir a armadilha e aprisionar o espírito você primeiro terá que enfraquecer a criatura, depois terá que prendê-la com o raio, para então soltar a armadilha e sugar o ser para dentro do equipamento.Isso que é show de luzes!

Esse sistema funciona da seguinte forma. O disparo principal da sua arma (localizado no gatilho da direita, R2 no PS3 ou RT no Xbox 360) vai tirar a energia do seu alvo, que ao alcançar um nível mais baixo poderá ser aprisionado com o seu disparo secundário (localizado no gatilho esquerdo).

Uma vez preso ao seu raio, o fantasma deverá ser atordoado, para que ele então possa ser aprisionado pela armadilha. Para isso basta movimentar o seu feixe em uma direção oposta a do fantasma (se ele tenta ir para a esquerda leve o raio para a direita e vice-versa).

 Um ponto interessante é que a versão do PS3 conta com o uso inteligente do SIXAXIS (algo raro no console da Sony). Para movimentar o feixe quando o fantasma está preso você pode se valer do acelerômetro do controle e simplesmente agitar a manete para atordoar o espírito.

Divertido, porém...


A jogabilidade é fluida, a ambientação é excepcional, o humor permeia todo o jogo e a diversão impera na maior parte do jogo. Repetindo, na maior parte do jogo, isso porque em determinados momentos a dificuldade pode se tornar bem frustrante.

Em linhas gerais o título não é particularmente desafiador, mesmo nos níveis mais difíceis, porém em determinados embates os constantes quedas se tornam mais desafiadoras do que os próprios inimigos. Além de perder energia gradualmente (evidenciado pela coloração avermelhada da tela) o seu personagem também pode ser derrubado pelos vários objetos arremessados pelos poltergeists.


Isso se torna incrivelmente irritante, já que toda vez que todo o processo de se levantar é relativamente lento (principalmente no meio de uma batalha), mesmo que esses “derrubões” não tirem muita energia ainda é um dos momentos mais frustrantes do jogo.  

Trabalho em equipe

O componente multiplayer o jogo é um dos pontos altos. As partidas online oferecem suporte para quarto jogadores simultâneos, sendo que você pode assumir o papel de qualquer um dos personagens clássicos ou do Novato (protagonista da campanha single player).  

Ao longo das partidas você irá acumular dinheiro, que serve como pontos de experiência, classificando-o assim dentro do ranque dos jogadores e evoluindo os níveis (20 ao todo). Além da lista dos maiores usuários o jogo também apresenta um relatório complete com todas as suas ações, do número de fantasmas aprisionados a quantas vezes você foi derrubado.

Eu não vou limpar essa bagunça!O título conta com diversas modalidades diferentes: Containment exige que você aprisione o maior número de fantasmas em um determinado tempo; Survival assemelha-se ao modo de jogo Horde de Gears of War 2, no qual você deve sobreviver a várias levas de espectros; em Destruction o seu objetivo é destruir uma série de relíquias macabras; Slime Dunk é uma espécie de competição para ver quem consegue prender o Geléia (Slimer) mais vezes; Protection transforma você em uma espécie de guarda-costas, que deve proteger alguns equipamentos do Egon, enquanto que o modo Thief o esquema muda um pouco e você deve evitar que os fantasmas roubem artefatos místicos.

Do cinema para o videogame

Se os personagens estão recriados com uma qualidade incrível o restante do aspecto visual do jogo deixa muito a desejar, especialmente na versão para o PS3. Como já havíamos comentado em uma noticia recente, a versão do jogo para o consoles da Sony sofre ainda mais com a baixa qualidade dos cenários.

E mesmo nas outras versões os efeitos e a própria iluminação são um fator instável, hora bem produzido, hora desfavorável. Além disso, as constantes quebras de fluidez e ocasionais problemas gráficos dão a impressão de uma framerate muito baixa que acaba prejudicando a jogabilidade.

Mesmo assim essas questões técnicas que em outros casos seriam debilitantes apenas prejudicam um pouco a nota final do jogo, que permanece extremamente divertido e atraente, mesmo para aqueles não familiarizados com o clássico dos cinemas.

Os Caça-fantasmas 3

O grande trunfo de Ghostbusters The Vídeo Game é que ele realmente funciona como o terceiro filme da série. A participação dos astros da película original certamente contribuiu muito para isso, resultado em um trabalho muito fiel que apela diretamente aos fãs da franquia.

Algumas falhas são evidenciadas, os gráficos poderiam ter recebido um cuidado maior, porém o resultado geral figura entre uma das melhores adaptações cinematográficas para video games.

Se você gostou dos filmes, não há porque não apreciar esse jogo e caso nunca tenha sido devidamente apresentado aos caça-fantasmas essa é uma bela oportunidade para conhecer um pouco do bem humorado mundo criado por Dan Aykroyd e Harold Ramis.

79 pc
Bom

Outras Plataformas

78 ps3
79 xbox-360