Diversão simples e intuitiva. E sem ossos quebrados

Joe Danger é um típico jogo lançado para PSN. É simples, pode ser adquirido a preço de banana e traz um objetivo central absolutamente claro — sem reviravoltas com a história, sem toda uma mitologia para sustentar a trama. Aqui, você é Joe Danger, um exemplar dos famosos daredevils (destemidos) que desafiam a morte em programas de televisão.

Tal qual o lendário Evel Knievel, Joe vai saltar sobre diversos carros, atravessar argolas em chamas e executar loops. Para efeitos de comparação, talvez fosse possível colocar o despretensioso projeto da Hello Games em algum lugar entre o saudoso Excite Bike (Nintendinho) e o recente Trials HD. O resultado dessa mistura? Pura diversão, simples e contagiante.

Img_original

A história é tão simples quanto deveria ser: Joe Danger ficou fora do showbizz após sofrer um acidente um pouco mais feio. Agora, finalmente fará o seu retorno triunfal aos holofotes, embora esteja um tanto enferrujado.

Para relembrá-lo — talvez o motivo mais plausível para um tutorial desde Conker’s Bad Fur Day (N64) —, você deverá fazer diversas manobras, saltos e tudo o mais que envolve uma jogabilidade tremendamente simples e intuitiva.

Além disso, quando você finalmente tiver atravessado as pistas incluídas no jogo, ainda poderá lançar mão de toda a sua criatividade — ou excentricidade — no editor de pistas de Joe Danger. Aqui, realmente o céu é o limite — sim, nós tentamos fazer a maior rampa jamais imaginada. Mas, enfim, vamos aos detalhes.

Joe Danger é um daqueles jogos obrigatórios da PSN. É simples, divertido e engraçado. Além disso, a possibilidade de revisitar várias vezes o mesmo cenário, para tentar superar o seu recorde ou encontrar itens escondidos, confere uma longevidade incomum para um título de distribuição online. Isso sem falar na possibilidade de criar obras faraônicas e fisicamente inconcebíveis no modo de criação de cenários. E o melhor: sem ossos quebrados.

Simples e intuitivo

Img_originalJoe Danger é tão simples quanto é intuitivo. No controle do enferrujado daredevil, a ideia é atravessar diversos cenários repletos de loops, saltos potencialmente suicidas, lama, inimigos ferrenhos e, finalmente, piscinas cheias de tubarões. E isso é tremendamente divertido, é claro.

Os comandos não serão um problema. Você vai acelerar (R2), frear (L2), saltar (quadrado) e realizar manobras. Esta última parte é, sem dúvida, a mais divertida: utilizando diversas combinações dos botões R1 e L1, você fará com que Joe libere toda uma gama de movimentos perigosos e ostensivos, como o clássico “Superman”.

Os objetivos são igualmente simples, embora não necessariamente fáceis. Cada pista trará um conjunto próprio de desafios, como coletar as letras da palavra “DANGER”, encontrar todas as estrelas espalhadas pelo caminho ou atingir todos os seus alvos dentro do tempo estipulado. O mais interessante? Tentar fazer tudo isso ao mesmo tempo.

Multiplayer em tela dividida

Quer extrair o melhor de Joe Danger? Então convide alguém para dividir a tela da sua TV com outro Joe Danger. O resultado é tão competitivo quanto hilário. Os dois motociclistas vão se acotovelar e vão voar pelos ares (a todo o momento). Os percursos cheios de surpresas do jogo ainda tornam a experiência imprevisível — quem diria que, a poucos metros da linha de chegada, você se esqueceria de fazer o seu piloto kamikaze se abaixar sob uma barra? Pois é.

Clima descontraído

Img_originalComplementando o clima descontraído de Joe Danger, aparecem visuais carregados de cores primárias, contornos exagerados e um clima cartunescos. Tanto nos planos de fundo como nos acessórios da pista, o título da Hello Games descaradamente transformou em caricatura toda a cultura dos “daredevils”. E isso é ótimo, é claro.

Mas as músicas também colaboram para esse clima. Como uma espécie de ode retrô aos anos 70 (época do bestial Evel Knievel), as trilhas são uma mescla cheia de suingue entre diversos sons eletrônicos, coroados ainda com o clássico som de órgãos — no melhor estilo The Doors e Deep Purple.

Sua caixa de areia particular

Enjoado das fases pré-construídas de Joe Danger? Então talvez seja o momento de tentar a sorte no editor de fases do jogo. Novamente, vale aqui a simplicidade: você tem uma pista vazia e diversos elementos de cenário para utilizar. Basta distribuir lagos de tubarões, loops, caixotes e plataformas móveis em linha e pronto! Uma obra sua, pronta para ser testada e, posteriormente, compartilhada com os amigos.

E o modo multiplayer online?

Assim que você terminar de jogar sua primeira partida em tela dividida, a pergunta será inevitável. Afinal, competir contra inimigos de carne e osso é incomparavelmente mais divertido e a simplicidade de Joe Danger seria perfeita para um modo online descomplicado. Mas, infelizmente, ele não existe. Apenas ranques online... O que realmente não alivia muito.

Alguns pormenores gráficos

Joe Danger é, sem dúvida, um jogo bem acabado. Entretanto, é impossível deixar de notar algumas arestas por aparar aqui e ali e, principalmente, a queda eventual de fps (quadros por segundo) em partidas de tela dividida. No mais, existe ainda um bug hilário: dependendo do lugar em que Joe caia, o jogo vai devolvê-lo precisamente em cima de espinhos; e fará isso de novo... E de novo... E de novo...

85 ps3
Ótimo