Call of Duty: Black Ops 4 não tem campanha, mas é recheado de qualidade

Desde os primórdios da franquia, Call of Duty tinha a proposta de mostrar histórias de guerra, sejam elas reais ou fictícias. Eis que a Activision e a Treyarch foram na contramão e pegaram os fãs de surpresa: Call of Duty: Black Ops 4 não teria modo história e traria somente conteúdo multiplayer. Eu e muitos outros jogadores ficamos com o pé atrás.

Mas agora, semanas depois de jogar muito Call of Duty: Black Ops 4, tenho que dar o braço a torcer: não só foi uma escolha sensata para investir no que a franquia tem de melhor na atualidade como também vi um dos melhores Call of Duty dos últimos anos em ação. Confira a nossa análise completa!

-

Três “jogos” no mesmo combo com alto fator replay

Apesar de Call of Duty: Black Ops 4 ser um único jogo, ele mais se parece com três em um só pacote. Dificilmente você não gostará de algum desses módulos, que consiste no multiplayer clássico, o Blackout, que é o modo battle royale, e o zumbi. Mas a parte boa é que todos têm um fator replay altíssimo e pode saciá-lo por um bom tempo.

Então nada mais justo do que tratar de cada um deles individualmente por enquanto. O modo multiplayer clássico me entreteu por horas a fio. Muito bem-balanceado e com ótimas novidades, o modo é um bastião para os fãs mais céticos com o battle royale e traz uma boa dose de diversão.

A

As principais modalidades do multiplayer estão de volta, como Mata-Mata em Equipe, Baixa Confirmada (que é um dos meus prediletos, inclusive), Assalto e muitos outros, que incluem até eventos temporários com rotatividade de modos. Manter essa base sólida já seria bom para ter a diversão de sempre, mas a desenvolvedora tomou um passo a mais.

O sistema de classes e especialistas é algo que tem dado certo e a Treyarch aprimorou o que já tinha como alicerce. Os especialistas aumentaram significativamente e cada um deles tem habilidades bem legais e variadas. Seja Ajax com seu escudo infernal ou Seraph com seu canhão de mão, os “ultimates”, se é que podemos chamar assim, são realmente mecânicas legais.

Cada personagem tem também uma habilidade secundária que ajuda bastante, como granadas de luz, pontos de respawn, dardo de sensores de presença e por aí vai. De papeis de suporte a ofensivos, tem para todos os gostos. Tudo isso combinado com as novas mecânicas de cura e itens opcionais traz um dinamismo bem interessante a cada partida. Caso deseje algo mais pé no chão, Assalto é uma boa pedida e não tem naturalmente esses recursos.

A

No geral, Call of Duty: Black Ops 4 é um grande misto entre a cadência maior de WWII e as classes de Black Ops 3. Os pulos na parede, jetpacks e tudo que aproximou a franquia de Titanfall ficou de lado e o game pisa um pouco no freio, mas mantém o dinamismo pelo qual a franquia é renomada.

O melhor battle royale da atualidade

Se tudo isso que você leu é um pouco "mais do mesmo" para você, aqui vai a notícia boa: o modo Blackout, que é o battle royale, é simplesmente fenomenal. A ideia já não é nova, claro, mas parece que a Treyarch conseguiu colocar a cereja em cima do bolo desse gênero que ainda está sendo explorado pela indústria.

Blackout é realmente muito, muito bom. O gênero battle royale praticamente dispensa apresentações, mas não há grandes novidades no escopo geral: caia de helicóptero, corra pra pegar as melhores armas e suprimento e tente ser o último sobrevivente. Mas o destaque aqui é o toque de mestre da Treyarch, que realmente entendeu os pontos fortes e fracos pra criar algo similar, mas diferente.

-

Blacktout é consideravelmente mais rápido que os demais jogos. Não só de tempo de partida, que parece fazer com que o cerco se feche mais rápido e com mais frequência, mas como dinâmica para as coisas acontecerem rapidamente na partida.

Você não precisa vasculhar os melhores pontos do cenário para ir construindo seu arsenal aos poucos. Os loots são mais generosos e em maior quantidade, seja em grandes centros urbanos ou em casas afastadas. Esses elementos são somados aos veículos de terra, água e céu e garantem uma experiência que capta as raízes battle royale e misturam com o toque multiplayer de Call of Duty.

A

Apesar de ser ótimo, ter mais de um mapa não seria nada mal para diversificar ainda mais o battle royale. Ou talvez até algo mais simples: jogar em horários diferentes do dia, como durante a noite ou até algo mais dinâmico, como um clima e tempo variável. A Treyarch certamente reserva planos de conteúdo, mas ter no lançamento seria ainda melhor.

Modo zumbi divertido como nunca

Por fim, mas não menos importante, o modo zumbi voltou com tudo. Já vou deixar a impressão logo de começo e dizer que esse é provavelmente o melhor modo Zumbi da série toda. Não só há mais mapas, como eles são mais variados, mais diversificados e, principalmente, bem mais divertidos.

A

Os quatro mapas são incríveis, com muitas armas, habilidades e até classes para escolher antes da partida, cada uma com suas skills diferentes e “ultimates” variados para contribuir ao progresso de ondas e mais ondas para matar zumbis.

A dificuldade continua a ser um elemento forte dessa modalidade e não será fácil passar por todas as ondas de mortos-vivos. Cada mapa é temático e apresenta desafios distintos, sempre em um crescente. Meu predileto foi o de Roma Antiga, chamado IX, mas amei também o Voyage of Dispair, que tem um cargueiro dos anos 20 como temática.

A

Pode parecer apenas mais um modo de ondas de inimigos, mas a Treyarch realmente se inspirou em trazer uma experiência mais densa e profunda, com muitos inimigos diferentes para oferecer uma jogatina divertida e, talvez, mais desafiadora de todas.

Os clássicos problemas online voltaram

Todos os três modos são bem populosos e é fácil encontrar partidas ou pessoas que estejam dispostas a jogar com você. Bom, na maioria das vezes. Como todo jogo online, Call of Duty: Black Ops 4 apresenta problemas de conexão e de conectividade entre partidas, lobby e reunião de amigos em party.

Não será incomum entrar em um servidor de Blackout com apenas 20 pessoas e nunca partir para a ação; ou quem sabe um amigo não conseguir se conectar a sua party, ou talvez você cair no meio de uma partida do multiplayer sem explicação. Tudo isso sem contar alguns crashs eventuais no game.

Há alguns bugs aqui e outros acolá, apesar de não ter sido frequente. Em uma única vez, minha partida de Blackout gerou um lobby em que o jogo já começava e os jogadores que entravam podiam matar uns aos outros, gerando uma grande confusão. Em outro caso, um dos veículos entrou dentro da terra. Foi difícil encontrar mais problemas, mas eles existem.

Manutenção gráfica na medida, mas sem surpresas

Call of Duty: Black Ops 4 é um jogo bonito (mas não muito além disso) e roda muito bem nos consoles intermediários, como o PlayStation 4 Pro e Xbox One X em qualquer um dos modos. De modo geral, é quase como se o jogo tivesse sido feito para eles. No geral, há alguns pequenos downgrades em relação aos jogos anteriores, mas nada gritante.

-

Entretanto, os consoles-base podem sofrer um pouco no modo Blackout com performance e resolução, como apontado pelo canal Digital Foundry. Como estamos falando de performance de 60 fps em todos os lugares, o mapa grande pode ser desafiador demais para as plataformas de 2013.

Vale a pena?

Eu não acreditei que ia chegar no ponto de dizer que Call of Duty: Black Ops 4 é talvez o melhor game da série dessa geração, mas é verdade. Se ele não é o melhor, está entre os melhores. Tudo o que ele trouxe à mesa foi com capricho e com altíssimo fator replay, garantindo horas e horas de diversão. Fazia tempos que eu não tinha a vontade de terminar logo o trabalho e correr pra casa pra jogar mais.

No fundo, espero que a campanha volte ou que pelo menos o nível de excelência seja mantido. E, se for o segundo caso, creio que não será um problema. Call of Duty cada vez mais abraçou o multiplayer e operou no campo online. Talvez essa seja a transição pra se focar no competitivo e fazer isso com maestria.

Call of Duty: Black Ops 4 foi gentilmente cedido pela Activision para a realização desta análise.

92 ps4
Excelente
"Call of Duty: Black Ops 4 pode não ter campanha e pequenos problemas de conexão, mas é, possivelmente, o melhor Call of Duty dessa geração."

Pontos Positivos

  • Call of Duty: Black Ops 4 tem uma das experiências mais divertidas e com fator replay mais alto de toda franquia
  • Multiplayer recebeu mais classes e está ainda mais dinâmico
  • Há algumas mecânicas que trazem novidades ao multiplayer, como a cura rápida
  • A cadência e ritmo de jogo mistura o melhor dos dois mundos da franquia, com mais peso e sem perder o dinamismo
  • Blackout é o melhor modo battle royale da atualidade
  • O modo Zumbi é o mais completo e divertido de toda a série
  • Há bastante profundidade e diversidade mecânica no modo Zumbi
  • Quase tudo roda em 60 fps constantes

Pontos Negativos

  • Problemas de conexões e bugs podem atrapalhar de vez em quando
  • Há um leve downgrade gráfico e a performance não mantém 60 fps no modo Blackout nos consoles comuns

Outras Plataformas

92 pc
92 xbox-one

Voltar para notícia
Carregando...
Comentários
Participe agora deixando seu comentário Acesse sua conta
Carregando...
Este comentário foi apagado. Desfazer
+1
-1
Este comentário foi apagado. Desfazer
Responder Excluir Editar
+1
-1
Ver mais comentários Ver mais comentários