Seu Review foi enviado com sucesso.
Enquanto ele fica pendente de aprovação, dê sua nota para o jogo. Sua opinião é importante para a comunidade!
Avaliar este jogo
Voxel
Gears of War 5
COMUN.
85
VOXEL
Gears of War 5
Avaliar este jogo
Review
Avaliar este jogo
Compre com o menor preço:

Gears 5 traz maior campanha de toda a franquia e reforça nova era

Bruno Micali

Membro crucial da Santíssima Trindade do Xbox, Gears of War é uma franquia que rapidamente emplacou na força verde, elencando um pódio que também ostenta Forza Motorsport/Horizon e Halo, além de outras séries.

A família cresceu: além do quinteto canônico e do spin-off Judgment, novos horizontes serão explorados com Gears POP e Gears Tactics, de forma que a franquia estará – literalmente – na palma da mão. Gears 5 é o mais recente membro do mencionado quinteto.

Dando continuidade à trama iniciada em Gears of War 4, quando o protagonismo da turma de Marcus Fenix foi transferido para Kait e JD Fenix, filho do homem, Gears 5 dá um abraço de urso nessa nova era ao expandir ainda mais o leque de personagens e esboçar decisões ousadas no roteiro, sob a promessa de uma campanha longeva.

 

-

Campanha do mais puro quilate

A história de Gears 5 continua diretamente do ponto em que o anterior parou, mas não se preocupe: marinheiros de primeira viagem estão bem servidos com o material que a The Coalition preparou para resumir o enredo desde a primeiríssima aventura. Tudo está centralizado na seção de extras do menu principal.

Nessa nova era, o esquadrão principal, outrora composto, majoritariamente, por Marcus Fenix, Dominic Santiago (sdds), Baird e Cole, foi substituído por JD Fenix, Kait Diaz, Del e Fahz. O robô inteligente Jack acompanha os guerrilheiros durante a sórdida jornada, que apresenta um apático JD de início, posteriormente salvo pelo roteiro bem escrito – e rapidamente transferindo o protagonismo a Kait, uma vez que um importante gancho relacionado à combatente foi oportunamente deixado no final de Gears 4.

Essa virada na história dá enorme significância ao filho de Marcus Fenix. O carisma do garoto é espremido à força para que saia alguma coisa dali, enquanto Kait, sem fazer tanto esforço, é capaz de esboçar muito mais engajamento pela causa – sinal de que a equipe da Coalition está conseguindo imprimir grande personalidade à garota.

Testemunhar essa transição de protagonismo é muito legal. Gears 4 foi o início de uma nova trilogia, e a parte do meio desse bolo – isto é, Gears 5 – costuma ser a mais saborosa. É quando reviravoltas, traições e novas ameaças vêm à tona, pavimentando o terreno para um possível gran finale. Mas tudo isso, é claro, está no campo das suposições. É um raciocínio que funciona para a maioria dos mecanismos da indústria de entretenimento. E esses caras sabem contar boas histórias.

Longevidade – a almejada palavra para campanhas generosas

Dentro desse novo espectro de personagens, Gears 5 se propõe a oferecer a maior campanha já vista na franquia. A Microsoft reafirmou isso em praticamente todo o marketing do jogo e não mentiu: a jornada consegue perdurar por 15 a 20 horas aos que se embrenharem em objetivos secundários e caçarem todos os colecionáveis.

“Objetivos secundários”?! Eu também me estampei em interrogação e exclamação ao saber disso, mas o fato é que Gears 5 se rendeu ao mundo semiaberto para sustentar um novo ritmo de exploração – e, sinceramente, esse era o ar que a franquia estava precisando após 5 jogos que obedecem a um mesmo padrão (correr, usar proteção e atirar).

Eu geralmente torço o nariz para mudanças radicais quando elas abalam a estrutura tradicional de uma fórmula que já funciona, mas, quando esta apresenta sinais de desgaste, é hora de fazer novas experimentações, especialmente se o time de desenvolvedores agir com sutileza, sem ferir o material de origem. O robô companion Jack, por exemplo, tem uma mini-árvore de habilidades a serem desbloqueadas e essa é o único elemento de RPG que você vai ver aqui – graças a Deus.

E foi assim com Gears 5: ele não se vende completamente ao mundo aberto, apenas o insere parcialmente como “ponte” para quebrar o corredor linear corra-e-atire e, assim, imprimir um ritmo saudável à aventura. Não há trocentos ícones no mapa e tampouco ele é enorme: conforme mencionado, trata-se de uma adição sutil que acontece em prol da fluidez.

Você usa um bote para explorar as regiões semiabertas, com direito a tempestades de areia que oferecem a mesma experiência audiovisual de “Mad Max: Estrada da Fúria”

As missões secundárias, inseridas em pouco volume, são introduzidas como antepastos ao prato principal, servindo apenas para deixar o jogador com mais fome de estourar miolos – Gears 5 tem a mesma gostosura dos anteriores na hora de descer o sarrafo.

Percebe a nobreza? Ninguém socou objetivo opcional aos montes ou entupiu o mapa de ícones que enjoam só de olhar – tal qual Assassin’s Creed, com todo o respeito e amor que tenho à franquia –, mas sim distribuíram as tarefas de maneira que seu apetite prossiga no compasso da jornada.

 

As regiões abertas

Você usa um “bote” para explorar as regiões semiabertas, com direito a tempestades de areia que promovem a mesma experiência audiovisual de “Mad Max: Estrada da Fúria”, em paletas vermelho-amarronzadas cheias de relâmpagos que servem como colírio aos olhos e massagem aos ouvidos.

O level design desses locais não é exatamente brilhante; é comum você se deparar com as famigeradas paredes invisíveis em diversos pontos, especialmente porque não há tantos objetos ou construções habitando esses trechos – o que é plausível no cenário devastado do planeta Sera, que começou lá atrás, com os Locust, passando pelos Lambent e, agora, os Swarm, junto com todas as variantes que essas espécies trazem consigo.

A gostosura do tiroteio – mais Gears que isso não há

Convenhamos: Gears of War pode não ter inventado a regra, mas apossou-se dela como nenhum outro shooter em terceira pessoa fez. O sistema de cobertura da série é benchmark para jogos de ação; a mistura de peso e leveza numa equação impossível é o segredo da receita de bolo usada desde o primeiro Gears.

Alguns inimigos inéditos dão as caras para apimentar as batalhas. Um deles é o Warden, um armário de 5 metros de altura que carrega dois bastões de espinho, um em cada mão, bem ao estilo corpo a corpo visto em Destiny – inclusive você pode pegar a maça e usá-la para desferir golpes corporais de altíssimo dano. O desafio é que, bem, Gears of War não é um jogo de porrada, e sim de tiro. Portanto, quando você consegue se aproximar do oponente carregando uma dessas hastes de ferro, o sangue jorrado na tela faz tudo valer a pena.

Jack, o robô companheiro, também possui habilidades que podem ser acionadas pelo jogador a qualquer momento – ciente de que há resfriamento sempre que essa amigável lataria for utilizada. É possível plantar bombas de choque, usar escudos e até mesmo possuir inimigos para que eles atuem a favor do esquadrão. Além das ações comandadas, existem as habilidades passivas, em que Jack, por exemplo, libera descargas elétricas nas aberrações alienígenas, ressuscita o jogador, cria defesas próprias e mais.

Servidor instável e progresso com gargalos

Embora a campanha possa ser desfrutada jogando-se sozinho, não se engane: Gears 5 é um título essencialmente conectado, sempre enviando e recebendo informações de servidores, que ainda apresentam uma pentelha instabilidade, tanto na história quanto nos modos multiplayer.

O algoritmo que faz essa comunicação acontecer não despertou completamente de seu sono: pelo menos em três momentos, o jogo fechou abruptamente para mim, exibindo a dashboard do Xbox One X com a instância já encerrada. Ao carregar meu save, fui arremessado para um checkpoint anterior, tendo que repetir trechos – em um deles, as superfícies e texturas laterais ficaram completamente danificadas, como se o código-fonte não tivesse carregado por completo as informações.

-

A conquista por ter concluído todos os atos, aliás, não desbloqueou para mim até agora (vale 20g e ainda é rara, pois poucos a fizeram). Depois que os créditos terminaram de subir, fiquei paralisado numa tela preta, inativa e morta, até que, manualmente, reiniciei o jogo. Pequenos erros que não ofuscam o brilho da campanha ou a competência técnica dos sistemas de Gears 5, mas que atrapalham o progresso com gargalos que não vi em títulos anteriores da franquia.

O mesmo ocorre nos modos multiplayer: como os servidores ainda se encontram em fase instável, caí diversas vezes de partidas em andamento, especialmente no inédito modo Fuga. Ao final dessas rodadas, os resultados não eram exibidos na tela e simplesmente exibiam a vaga mensagem de “erro”.

Pacotão generoso!

Equipado com o repelente para essas pulgas da instabilidade dos servidores, Gears 5 oferece um robusto pacote de conteúdo, que permite ao jogador passear pelos modos disponíveis no game.

A generosidade da The Coalition faz o jogo valer cada centavo de seu valor cheio ou da assinatura do Game Pass. Além da campanha, o multiplayer é um componente importantíssimo da franquia, e Gears 5 vem forte:

  • O modo Versus ostenta o tradicional mata-mata, individual ou em time, numa variante de modalidades clássicas (território, deathmatch e mais);
  • O modo Horda, sustentáculo introduzido em Gears of War 2, está de volta do jeitinho que os fãs pediram, com ferramentas de defesa inéditas, novos inimigos e maior arsenal – é, disparado, o meu modo multiplayer favorito;
  • Fuga, por sua vez, ou “Escape” aos mais íntimos, é o prato inédito do cardápio: trata-se de um modo Horda “invertido”, em que até três jogadores devem fugir de uma base de Swarm em labirintos procedurais e com pressão do tempo – e sim, você pode criar seus mapas e disponibilizá-los a outros jogadores, além de baixar criações feitas por outrem. Modificadores podem ser escolhidos antes das partidas para incrementar o arsenal.

O seu progresso nos modos multiplayer é mensurado por níveis; seu perfil sempre é exibido no menu principal, como se fosse uma ficha universal de sua performance. É algo que, definitivamente, amplia a longevidade de Gears 5.

Veredito

Gears 5 já se mostra superior a Gears 4 nos primeiros minutos de jogo. É uma jornada que imprime mais personalidade aos seus personagens – especialmente a um apático JD Fenix, que agora convence mais – e que consegue, sem forçar qualquer barra, transferir o protagonismo do grupo antigo à turma nova, liderada por Kait Diaz, que carrega o bastão do legado construído.

A mudança de estrutura para o mundo semiaberto não chega a ser uma “mudança” propriamente dita; trata-se de um acréscimo sutil, que estica a duração da campanha sem agredir o material de origem e sem enfiar aquele monte de firulas de RPG. Acredite: eu sou implicante com isso e seguramente digo que em nada compromete a experiência. Embora apresentem level design com algumas “paredes invisíveis” infrutíferas, os mapas oferecem uma nova camada de exploração ao esquema estritamente linear dos anteriores.

No Xbox One X, o brilho é galáctico: 4K e 60 quadros por segundo em combinação suprema, com poucas oscilações, fazem de Gears 5 um benchmark no console. Esse brilho é interrompido pela instabilidade dos servidores, que castigam o jogador com gargalos no progresso da campanha e no multiplayer. Mas eu disse e repito: a competência técnica de Gears 5 ganha essa competição, embora esses problemas atrapalhem um bocado.

Prepare-se para vivenciar momentos memoráveis no épico segundo ato dessa nova trilogia, que, aos poucos, dá uma nova cara à franquia – sem jamais se esquecer da essência que ergueu os pilares dela.

Gears 5 foi gentilmente cedido pela Microsoft para a realização desta análise.

Compre com o menor preço:
85 xbox-one
Ótimo
"Gears 5 supera Gears 4 já nos primeiros minutos. Os problemas de conexão se juntam a uma robusta campanha e modos multiplayer que enriquecem o pacote"

Pontos Positivos

  • Campanha duradoura: a maior da franquia até aqui
  • Primor técnico no Xbox One X
  • Modos multiplayer + campanha oferecem um robusto pacote de conteúdo
  • Narrativa consegue, com sucesso, transferir o protagonismo a novos personagens
  • Estrutura de mundo semiaberto imprime bom ritmo à campanha

Pontos Negativos

  • Problemas bizarros no servidor atrapalham o progresso da campanha com fechamentos abruptos e saves que, por vezes, não são computados
  • A mesma instabilidade afeta os modos multiplayer, que frequentemente derrubam o jogador e não exibem resultados após as partidas

Outras Plataformas

85 pc
Voltar para notícia
Carregando...
Comentários
Carregando...
Este comentário foi apagado. Desfazer
+1
-1
Este comentário foi apagado. Desfazer
Responder Excluir Editar
+1
-1
Ver mais comentários Ver mais comentários