Seu Review foi enviado com sucesso.
Enquanto ele fica pendente de aprovação, dê sua nota para o jogo. Sua opinião é importante para a comunidade!
Avaliar este jogo
Voxel
Gears Tactics
COMUN.
82
VOXEL
Gears Tactics
Avaliar este jogo
Review
Avaliar este jogo

Gears of War Tactics traz gameplay à la XCOM puro e sem muitas firulas

Vinicius Munhoz

A franquia Gears of War é renomada por dois conceitos fundamentais: um gameplay em terceira pessoa (que se tornou escola para todos os jogos que vieram depois) e uma história melancólica — que, em contraste com os personagens brutamontes, oferece um nível de emoção e profundidade ao universo surpreendentemente excelente. Agora, a Microsoft resolveu dar uma apimentada na série, que segue os mesmos parâmetros desde 2006.

Com o advento de Gears Pop!, a IP da Microsoft começou a abordar novos horizontes, culminando em Gears Tactics. Este é uma nova tentativa de trazer uma dinâmica inédita e muito interessante da franquia ao misturar elementos de XCOM e bastante estratégia no gameplay dos combatentes da COG. Se você está curioso, vem ver a nossa análise completa!

-

História morna sem pontos ou adições memoráveis

Em Gears Tactics, seguimos a trama de Gabriel Diaz, pai de Kate Diaz, 12 anos antes do primeiro Gears of War. Como prequel, a história tem algumas coisas muito interessantes — como a perseguição de Ukkon, o locust responsável por criar os Corpses e Brumaks da franquia — e alguns pontos legais da origem da raça que aterrorizou Sera e quase devastou o planeta.

Na prática, a história é bacana, mas bem morna do começo ao fim. Existem momentos legais e interessantes, mas que passam longe de oferecer uma boa construção de personagens. E, quando as coisas engatam, muitas vezes a história é parada obrigatoriamente para o jogador fazer missões secundárias.

A

Em outras palavras, é um roteiro legal que serve como um plano de fundo interessante para o jogo acontecer, mas não espere grandes momentos emocionais que a franquia sempre trouxe. O que importa mesmo é o gameplay. 

Uma nova perspectiva à franquia (literalmente)

Confesso que desde o começo a nova abordagem me cativou: XCOM é uma ótima franquia, e são poucos jogos que adotam a perspectiva isométrica e a jogatina tática por turnos. Como Gears of War é uma série que tem terreno fértil de sobra para experimentar o gênero, a ideia sempre foi positiva.

E, de fato, a experiência valeu a pena. Gears Tactitcs é um prato cheio tanto para os fãs da franquia quanto para os amantes de um bom gameplay tático. Apesar de seguir a escola XCOM de jogabilidade, o novo game da Microsoft traz algumas alterações, incluindo adições no combate e remoções de gerenciamento da equipe.

A

Para quem não conhece o estilo, trata-se de controlar uma equipe em mapas menores e lidar bastante com chances de acertar disparos e coberturas para tentar se esquivar das investidas inimigas. Com cada personagem tendo um determinado número de ações para andar, atirar e usar habilidades especiais, cabe ao jogador gerenciar os recursos escassos e adotar uma estratégia que tenha um saldo positivo.

Diferentemente de XCOM, Gears Tactics abandona a malha tática, deixa a movimentação mais livre e, por consequência, um pouco mais desafiadora. A parte legal é que existe um visor de combate que sempre mostra quais inimigos estão na sua mira e vice-versa, o que garante um leque de opções na hora de tomar suas ações.

A

Contudo, o grande diferencial aqui é que Gears Tactics é muito mais voltado para ação isométrica do que para táticas de camuflagem, abordagens diferentes e avanço lento que vemos em XCOM. Esse é um fato importante e que pode ser decisivo para diferentes públicos. Aqui, o game se apoia mais em habilidades dos personagens e progressão de classes do que no level design e ações furtivas.

-

As habilidades são muito mais presentes e isso fica evidente com cada uma das quatro classes do título se especializando em algo. Além disso, existem execuções que eliminam qualquer inimigo e finalizar um adversário caído garante um turno extra, abrangendo o leque de possibilidades de ações a serem realizadas. Portanto, no fim você deve ver o que tem em mãos pra garantir o melhor turno possível. Arrisque demais e você pode acabar morto, atire demais e a munição pode acabar, e por aí vai: você deve gerenciar cada ação na sua etapa de jogo e se planejar aos possíveis ataques adversários.

Particularmente, acho que a falta de opções mais táticas é algo que tira a profundidade de jogos do estilo, mas a abordagem com mais ação não deixa de ser ruim, já que traz um ritmo muito mais acelerado a cada partida. Por um lado, pode ser negativo para aqueles que esperavam algo tão complexo quanto XCOM, mas, por outro, também revela uma nova abordagem com identidade própria.

Dificuldade alta do jeito que a gente gosta (porém, às vezes sem querer)

Sem dúvida alguma, Gears Tacticts é um jogo desafiador, o que é ótimo para o gênero. Eu comecei no modo "Experiente", que é o "Difícil" e, jogando dessa forma, devo confessar que repeti diversas vezes muitas das missões do jogo.

A malha tática mais flexível e sem os quadrados fixos do XCOM ajudam apimentar a dinâmica e, muitas vezes, os inimigos podem atacar de ângulos que você não imaginaria. Além disso, mesmo sob cobertura existem diversos inimigos que podem adicionar efeitos negativos ao jogador ou até mesmo ataques corpo a corpo, como os Wretches e os Tickers, que podem tirar o personagem da cobertura.

A

Outro ponto interessante é que todas as ações inimigas são aleatórias. Basta recarregar uma missão e ver inimigos diferentes surgindo de pontos variados. E, se você acha que pode salvar o jogo a qualquer momento para evitar erros, pode "tirar o cavalinho da chuva"! O jogo lida com checkpoints fixos, nem mesmo recarregar em pontos de controle ajudará você, pois será necessário reiniciar a missão toda por conta de erros.

O problema é que essa curva de dificuldade é um pouco alta e desnecessária demais em certos momentos, há poucas ações que o jogador pode fazer para se precaver. Por não existir stealth no game, de nada adianta ir com cautela, pois assim que um inimigo está no seu raio de visão, todos do mapa se movimentam.

A

Além disso, algumas armas e classes podem ser punitivas demais. A Gnasher, shotgun do jogo, muitas vezes tem precisão de 60% com o inimigo colado na cara do personagem, diferentemente de XCOM, em que a precisão não era algo tão punitivo e recompensava o jogador quando buscava terrenos altos ou se mantinha escondido dentro de casas.

A realidade é que Gears Tactics muitas vezes depende da sorte: de vir um inimigo X em vez do Y, de os seus tiros atingirem o inimigo ou até de depender um pouco do comportamento aleatório da inteligência artificial. Em um jogo tático a sorte existe, mas nunca é um fator determinante, já que a recompensa é sempre driblá-la e optar pelo melhor caminho.

A

Gears Tactics está longe de ser um jogo que tem a dificuldade quebrada por esse fator randômico, mas seria legal que o game oferecesse outras abordagens e recursos além do combate direto o tempo todo.

Inimigos diversos e chefões icônicos

A jogabilidade estratégica pode ter seus problemas, mas o game está longe de ser ruim. Sem dúvidas, a parte legal das missões de Gears Tactics são os inimigos. Os objetivos até dão uma variada, mas a repetição acaba pegando depois de poucas horas. Entretanto, os adversários são o brilho da experiência e ditam um ótimo ritmo de novidades pra ver do começo ao fim.

A cada ponto importante da campanha, o jogador será apresentado a criaturas diferentes pra enfrentar, como: os Tickers, que explodem próximo do personagem e se aproximam mais se você errar os tiros; os Granadeiros, que são difíceis de morrer e se tornam mais fortes quando recebem algum dano; os Boomers, que são extremamente resistentes e lançam granadas poderosas, além de muito mais.

A

Desafios para enfrentar não faltam e, quando as coisas começam a ficar mornas, Gears Tactics apresenta níveis bem-diferentes, e até mesmo chefões, que mudam completamente a dinâmica da jogatina. Infelizmente, esses pontos altos são bem mais escassos e, em grande parte do tempo, o jogador deve repetir missões com os mesmos objetivos e às vezes até mesmo nos mesmos cenários.

Esse é o caso da maioria das missões opcionais, que, na verdade, não são tão opcionais assim — já que o game força que você jogue pelo menos duas a três delas para progredir, quebrando o ritmo agradável da jogatina.

Uma variedade de classes e acessórios para um playground tático

Apesar de as missões secundárias poderem ser um tanto frustrantes em alguns momentos, elas oferecem sua dose de recompensa. Entre elas, temos o recrutamento de aliados, que podem participar de missões ao lado dos protagonistas e vêm equipados com seus próprios itens.

Entretanto, eles não têm outros propósitos além de substituir aliados, já que não podemos alocá-los em bases ou oficinas para equipamentos igual em XCOM. Infelizmente, a densidade de gameplay está reservada puramente para os combates. No fim, eles têm o único propósito de quebrar um galho ou ser bucha de canhão enquanto a sua equipe primária está fora, seja por limitações da missão ou por estar voltando de uma fase opcional.

A

Outras recompensas, que podem ser coletadas em missões secundárias ou como objetivos opcionais nos mapas são os equipamentos para modificar seus Gears — como lunetas que aumentam precisão, armaduras que dão mais saúde e muitos outros elementos que ajudam a construir uma build bem interessante. Ao final da campanha, que dura cerca de 25 horas, tinha uma sniper com alta taxa de acerto e chance de crítico, além de um brutamontes capaz de parar as investidas inimigas.

Essa é sem dúvida a maior importância do Quartel, o único elemento jogável fora das lutas contra os locusts. Como bom jogo tático, essas opções são bem interessantes e oferecem uma gama enorme de possibilidades para customizar os seus personagens.

Jogo bem-otimizado no PC e com bons visuais

Se você acha que Gears Tactics é algum projeto paralelo de baixo orçamento, engana-se. O jogo é muito competente graficamente e traz diversas opções bem-avançadas no PC para ter um game no nível de Gears 5.

Eu joguei em uma RTX 2080 Super e consegui rodar tudo em 4K, Ultra e em 60 fps. Porém, também testei em uma GTX 1070 e tive resultados positivos em 2K, quase tudo no Ultra taxa de quadros variando de 40 a 60. O legal é que o jogo pode ser escalado para cima e para baixo, então até PCs mais humildes devem ser capazes de rodar o game.

A

Contudo, caso utilize um monitor com resolução maior da renderizada, o upscale e a reconstrução temporal podem trazer alguns artefatos gráficos ruins, como serrilhamento excessivo e problemas nos efeitos de transparência (por exemplo cabelos e pelos faciais).

AReparem nos cabelos e pelos de Gabriel Diaz.

Vale a pena?

Gears Tactics é uma entrada interessante na franquia e tem seus pontos fortes, mesmo que não adicione tanto à história da franquia ou traga elementos táticos tão densos quanto XCOM. Sem dúvidas é algo que a Microsoft pode continuar no futuro e aprimorar cada vez mais esse primeiro modelo que, para um iniciante, já acertou bastante coisa.

Se você é assinante do Game Pass Ultimate no PC, recomendo que dê uma chance ao game e experimente a nova perspectiva da franquia! Se você tem um Xbox One, o jogo chegará em algum momento ao console, mas ainda sem data definida.

Gears Tactics foi gentilmente cedido pela Microsoft para a realização desta análise.

82 pc
Ótimo
"Gears Tactics é uma prova de que Gears of War pode ir além do combate em terceira pessoa, apesar de ainda faltar elementos táticos mais densos."

Pontos Positivos

  • Jogabilidade tática focada na ação é muito boa
  • Diversas camadas de profundidade na personalização dos heróis
  • Árvore de habilidades extensa e muito diversas para cada classe
  • A história é relativamente legal e traz um bom plano de fundo para o game
  • Um jogo bem otimizado no PC e que pode funcionar em diversos setups
  • Diversidade de inimigos e chefões é bem satisfatória

Pontos Negativos

  • Falta mais opções táticas na hora das batalhas e a sorte é muitas vezes um fator importante demais
  • A trama é legalzinha, mas não tem apelo emocional forte, ótimo desenvolvimento de personagens ou fatos importantes pro universo da franquia
  • Missões paralelas são repetitivas e obrigatórias
  • O level design bem-feito e chefões icônicos são mais escassos
Voltar para notícia
Carregando...
Comentários
Carregando...
Este comentário foi apagado. Desfazer
+1
-1
Este comentário foi apagado. Desfazer
Responder Excluir Editar
+1
-1
Ver mais comentários Ver mais comentários