Análise de The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia

Seven Deadly Sins: Knights of Britannia era promissor, mas é pecado capital

Pocket

Desde que chegou à Netflix, a série The Seven Deadly Sins (ou Nanatsu no Taizai para os mais puristas) chamou atenção de muita gente, apesar de já existir há uns bons anos como mangá. Com o sucesso nas telas, era só questão de tempo até que um jogo do anime surgisse. Eis que chega The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia exclusivamente ao PlayStation 4.

Todos os trailers apresentavam um jogo de luta interessante com uma campanha promissora e recheada de missões. Infelizmente, o game não é o que foi prometido e cai por terra em sua proposta. The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia não é um completo fracasso, mas é fraco em praticamente tudo que traz à mesa.

Jogo de luta ou estilo musou? Nenhum dos dois

Tudo que havia visto nos trailers empolgaram: contra personagens únicos, seria um estilo de luta similar aos Naruto: Ultimate Ninja Storm, enquanto nas missões contra soldados comuns teríamos algo similar à musou. Infelizmente, os dois elementos acabam sendo a mesma coisa e de uma maneira muito, muito simplificada.

Basicamente, os personagens têm três tipos de ataques: golpe fraco, golpe forte e projéteis/magia. O esperado, como qualquer game de luta, é que se crie combos com esses ataques, certo? Errado. Há um único combo de golpes fracos e apenas um golpe forte. Veja bem: um golpe forte, não um combo de golpes fortes. Em outras palavras, você pode apertar: quadrado, quadrado, quadrado ou quadrado, quadrado, triângulo. Fim.

SDS

Essa mecânica se aproxima de games como Saint Seiya Sanctuary Battle, mas de uma forma ainda mais simples. A mecânica de combate acaba sendo travada tanto para batalhas 1 vs. 1 quanto contra grupos de inimigos fracos. Os golpes até são legais, mas faltam variedade, combinações e robustez. Não é legal ter que batalhar apertando um único botão sem nenhum tipo de estratégia.

Para dar uma leve variada, existem três golpes especiais e um ultimate que é carregado no decorrer das batalhas. Emendar golpes comuns com especiais acaba salvando um pouco o combate, mas ele ainda fica longe do ideal. Para utilizar os poderes, é necessário gastar uma barra de “magia” que é preenchida ao receber ataques ou atacar o oponente.  A parte interessante é que há vários elementos que utilizam essa barra, o que criaria uma experiência balanceada.

O jogo tem um combate muito raso e fica aquém do que poderia ser. Não é nem um bom musou nem um bom jogo de luta

Essa mesma barra é consumida ao defender, ao utilizar golpes especiais e para dar dashs ou o “Mirage Step”, que faz com que o seu personagem apareça instantaneamente atrás ou acima do inimigo. As ideias são boas, mas sem um sistema de combo minimamente bom, as batalhas se tornam repetitivas em pouco tempo.

SDS

Toda a história do anime (mas mal contada)

Bom, se o combate não é tudo isso, a campanha compensa? Afinal, estamos falando de cobrir todos os acontecimentos da primeira temporada do anime e até uns extras. Infelizmente, capturar o enredo dos acontecimentos é vago até para os fãs. Não há cutscenes, os personagens não demonstram emoções e muitos eventos passam batido.

Onde eu quero chegar é: não é possível captar a narrativa pelo jogo. Diferentemente de um Naruto ou qualquer outro game de anime, aqui é bem mais difícil entender a progressão da história. A parte boa é que tudo é dublado e as vozes recriam partes das cenas do material original, mas mesmo assim o resultado não é satisfatório.

SDS

Algumas cenas, como no torneio para recuperar o martelo de Diane, tem apenas alguns sprites para representar personagens que aparecem neste ponto da trama, sem nenhum tipo de adorno especial para ilustrar a situação. Esqueça torcida, cenários bem-feitos e tudo mais. O único guia visual existente é o próprio cenário de batalha, que individualmente não é ruim, mas é pobre para contar um enredo.

A história é mal contada e cobre os eventos com muitos furos e com pouca emoção nas animações

A parte narrativa é representada por quest douradas, mas há também as missões secundárias. Elas não são ruins e até oferecem uma certa variedade, mas não passam de extras. Os desafios realmente são difíceis e envolvem um certo planejamento, mas é mais por causa das mecânicas travadas do que pelo desafio em si.

Uma boa seleção de personagens e outros pontos fortes

Por mais que até agora pareça que o jogo é um completo desastre, não é bem assim. The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia tem seus pontos positivos. O primeiro deles é a seleção de personagens. Há mais de 20 e todos são bem caracterizados, oferecendo uma boa sensação de controlar as individualidades deles.

Vamos pegar a Diana, por exemplo, que é uma giganta. É bem interessante controlar um personagem mais lento e com poder de destruição maior. Gilthuder, em contrapartida, é extremamente rápido e com alguns ataques muito legais. Todos os personagens são distribuídos em três categorias: magos, guerreiros ou defensores. Essa distribuição cria uma dinâmica interessante nas batalhas.

Além disso, todos os cenários de Seven Deadly Sins: Knights of Britannia são destrutíveis. É bem legal lançar os oponentes para muito longe e ver as casas e barreiras no caminho serem destroçadas. Some isso com a variedade de personagens e você ganha uma experiência levemente variada e bem fiel aos traços do anime.

Porém, como ressaltado no começo do texto, há pouquíssima variedade de combos e uma quantidade bem limitada de golpes, o que é uma pena. Se apenas esse ponto fosse melhor desenvolvido, o primeiro jogo do anime seria vezes melhor e seria uma boa tacada para um estreante.

SDS

Gráficos razoáveis, mas com problemas de performance

The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia não é um jogo horrendo visualmente, mas também não é um exímio técnico. Nas condições certas, temos um jogo de cel-shading bem legal e que captura com certa facilidade os visuais da obra original. Os efeitos de partículas são bem legais e os cenários destrutivos criam uma apresentação bacana.

Como dito acima, não é nada espetacular, mas nas condições certas é bonito de ver. O problema, no entanto, é que além de ser visualmente simples, há complicações de performance recorrentes. Toda vez que algo é destruído ou grandes efeitos tomam a tela, o desempenho cai drasticamente. É uma queda brusca e bem rápida, nada que persista por muito tempo, mas é um pouco desconfortável e quebra a imersão.

SDS

O problema maior não é a queda em si, mas a intensidade. The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia roda em 60 fps lisos, com esses casos como exceção. O maior empecilho é que a performance não cai de 60 para 50 ou 45 fps. A queda é bem mais brusca e incomoda. Mas, tirando isso, sem grandes contrapontos no desempenho.

Vale a pena?

The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia é praticamente o alicerce de algo que poderia ser maior. A equipe trabalhou na base, pegou uma franquia legal e colocou algumas ideias bem interessantes em prática, mas tudo em nível básico de desenvolvimento. É quase como se fosse uma versão alfa que poderia ser bem melhor.

No fim, nem todas as ideias são ruins. E para deixar bem claro: praticamente zerei a campanha e não me senti em um grande tédio. Até foi divertido em alguns momentos e a variedade de personagens ajuda, mas logo se torna repetitivo. Infelizmente, o tom aventuresco e recheado de diversão que o anime apresenta se perde por aqui. Quem sabe uma sequência corrija grande parte desses problemas. Por enquanto, é bom esperar uma promoção, caso você seja muito fã da série.

*The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia foi gentilmente cedido pela Bandai para a realização desta análise.

60 ps4
Regular
"The Seven Deadly Sins: Knights of Britannia tem um bom alicerce, mas para por aí. Há ideias boas, mas pouco desenvolvidas. Se você é fã, talvez valha."

Pontos Positivos

  • Seleção boa e vasta dos personagens da série
  • Os cenários destrutíveis são legais e dão bons efeitos nas lutas
  • Os personagens são bem caracterizados no gameplay

Pontos Negativos

  • História bem mal contada e cheia de furos
  • O combate é simples demais (poucos combos) e se torna repetitivo em pouquíssimo tempo
  • Nem como jogo de luta nem com musou o jogo se dá bem
  • Há quedas de performance consideráveis nas batalhas, mesmo no PS4 Pro
  • Sidequests bobinhas e muito curtas