O arcade mais sinistro da XBLA

Limbo é um exclusivo do Xbox LIVE Arcade que, desde o começo, queremos deixar claro que vale a pena ser conferido. O título faz jus ao cultuado Braid – outro jogo de plataforma muito inteligente – e oferece não somente puzzles desafiadores como também apresenta um espetacular design criativo.

Este jogo de plataforma não exibe de forma explícita o que pretende contar, deixando o jogador constantemente em terreno desconhecido, algo parecido com o que bons filmes de terror fazem. Contudo, diferente de alguns games de terror que colocam músicas escandalosas na presença do perigo, não existem sons com exceção do próprio ambiente – e são raras as ocasiões que efeitos musicais delicados aparecem.

Img_originalEntre outras características, o mundo de Limbo é sombrio e apresenta muita hostilidade, sempre caçando o protagonista principal – e aparentemente todas as outras crianças. Seu personagem pelo menos possui olhos brancos sempre visíveis, o que ajuda a identificar sua posição nos lugares mais escuros.

Os gráficos exibem somente sombras com luzes incapazes de revelar algo além do contorno de objetos ou corpos, havendo variação entre tons de cores preto e branco, mas nenhuma outra cor. A predominância da escuridão e do silêncio é o que torna o jogo figurativamente e literalmente obscuro.

Escuridão e silêncio. Esta é a morte?

Sem ler a descrição dos desenvolvedores, o que dá para entender imediatamente sobre a história é que seu personagem acorda em um lugar obscuro, silencioso, misterioso, assustador e, acima de tudo, muito perigoso. De fato, é possível que você morra várias e várias vezes, sejam na tentativa de achar uma solução para progredir ou por falta de cautela.

As cenas de morte são fortes e podem ser desabilitadas no menu de opções que substitui a brutalidades por cortes de cenas. Entre algumas das atrocidades que devem ocorrer com certa frequência, mutilações e decapitações ocupam os primeiros lugares das ocorrências.

Outro aspecto agradável é a jogabilidade do título, pois os comandos são simples, intuitivos e confiáveis. Desde 2006 a PlayDead estava elaborando o projeto e a versão final teve cerca de 70% do conteúdo removido para não descontextualizar a ação, tudo para que o jogo não ficasse medíocre em nenhum aspecto.

Diferente de todos os outros jogos, Limbo mereceu o destaque que obteve e seus prêmios na Independent Games Festival (IGF) 2010, que ocorre na Game Developers Conference (GDC). Outra vez a indústria dos games mostrou o potencial de produções independentes – que envolve uma pequena equipe e recursos limitados.

Img_originalNão custa nada dar uma conferida neste indie, já que você pode jogar a demo gratuita e depois decidir por si próprio se quer comprar o título para jogar até o fim. Apesar disso, podemos garantir que se fosse para comprar às cegas, sem experimentar o gostinho do jogo, o resultado não seria decepcionante.

A forma abrupta com que Limbo acaba pode estragar a diversão, mas é recompensada pela sensação adquirida depois de conseguir resolver todos os desafios e ter explorado um mundo tão peculiar – além das conquistas, caso se interesse por elas. Mesmo assim, é bom levar em consideração a curta duração da aventura antes de investir o seu dinheiro.

Em compensação, devemos voltar a destacar os muitos aspectos positivos deste título como a jogabilidade genial, gráficos peculiares, áudio imersivo e a excelência técnica. Em resumo, vale a pena comprar, especialmente no caso de você ser um consumidor ativo de lançamentos arcades.

Desafios maleficamente planejados

Em Limbo há desafios simples, bastando poucos segundos para descobrir a resposta, e outros complicados, às vezes levando até cinco minutos ou mais para ser iluminado por uma ideia genial. De qualquer forma, uma hora ou outra você deve conseguir completar a última fase.

Img_originalO que surpreende é a criatividade embutida nesses desafios. Não queremos revelar spoilers, então nos limitamos a dizer que algumas soluções são mórbidas. O design literalmente obscuro ajuda a dificultar as coisas, já que alguns objetos perigosos possuem o péssimo costume de ficarem escondidos nas sombras.

Logo no começo de sua jornada você descobre como Limbo funciona da pior maneira, pois é quase inevitável que uma surpresa desagradável ocorra. Aliás, não será incomum confrontar situações que requerem explorar de forma arriscada os cenários e suas possibilidades.

Em outras palavras, o jogador aprende morrendo, transformando as mortes em uma ferramenta de investigação nada recomendável no mundo real. Checkpoints bem posicionados e generosamente distribuídos ajudam a rir da face da morte, algo que alguns podem considerar inapropriado, mas é essencial para que os jogadores casuais não percam o interesse em continuar jogando.

Atmosfera misteriosa e arrepiante

Limbo possui características marcantes e particulares que o tornam uma peça única na biblioteca da XBLA. O visual que só permite enxergar sombras transmite muito bem a sensação de estar em outro mundo desconhecido, uma dimensão que deve ser temida em poucos segundos.

A ausência de trilha sonora reforça a atmosfera "pesada" com um silêncio atormentador que é quebrado apenas pelo barulho natural de água, máquinas e criaturas. Porém, há também momentos em que ruídos bruscos podem erodir de alguma fonte próxima ou até uma música sutil pode ser ouvido durante certas fases.

Img_original

O enredo não oferece explicações detalhadas, mas se sabe que o protagonista está à procura de sua irmã em um lugar onde parece ser o Limbo – todavia, não há nada indicando diretamente durante a trama que a aventura ocorre no lugar em que, segundo a crença católica, não há a presença de Deus. A narrativa é sutil e o jogador deve se deparar com breves momentos de esperança e muitos outros que são completamente cruéis.

Todo o clima do game foi perfeitamente elaborado e se qualquer coisa fosse diferente haveria o risco de isso desmoronar. Em detalhes técnicos, incluindo qualidade de vídeo e som, Limbo também representa perfeição e o jogador pode navegar sem problemas pelos cenários, apenas desafios.

Mas, já?

Não demora muito para fechar o game e esta é a única razão que deve gerar dúvida na hora da compra. Além disso, a maneira com que o jogo acaba também é um pouco perturbadora, pois acontece espontaneamente sem muitas revelações. Novamente, devemos comparar o título com histórias de terror que no final deixam para trás apenas mistérios.

Você pode jogar uma segunda vez em busca das conquistas, o que significa ter que pensar ainda mais para achar cápsulas muito bem escondidas pelas fases. Mesmo assim, Limbo não é um game com vida longa e ele deve ser esquecido no limbo da sua biblioteca de jogos após um tempo.

90 xbox-360
Excelente