Uma homenagem aos heróis voadores da luta livre mexicana

Existe um universo de heróis e histórias além da pirotecnia da gigante WWE; além de Clown, The Undertaker, Diesel e tantos outros. Trata-se da Lucha Libre, a clássica versão mexicana do wrestling, espaço que formou até mesmo alguns luchadores que transcenderam os ringues do México, como Konnan, La Parka e Psicosis. É exatamente essa tradição da luta livre, tremendamente seminal, que a Konami homenageia agora com Lucha Libre AAA Heroes of the Ring.

Img_normal

Mas não, Lucha Libre não é apenas a luta livre que é praticada em solo mexicano. É bem mais que isso. Quem já viu Místico ou Rey Mysterio em ação sabe muito bem do que se trata: um estilo rápido, acrobático, quase beirando o circense, com uma verdadeira profusão de ataques aéreos – o sujeito começa por pular dos cordames do ringue para então girar em torno do pescoço do adversário e, por fim, mandar o pobre mascarado para a lona. Além disso... Existem também dezenas de máscaras de cores berrantes! Ok, voltemos à luta.

Embora a ideia da Konami de visitar o solo original da luta livre em Lucha Libre AAA seja tremendamente bem-vinda, é impossível deixar de notar algumas pontas soltas deixadas pela desenvolvedora iniciante Immersion Software. Sim, algumas das maiores lendas da AAA (Asistencia, Asesoria y Administracion) estão aqui, com seus movimentos rápidos e estilos característicos.

Img_normalEntretanto, a merecida homenagem acaba um tanto ofuscada por uma jogabilidade pouco responsiva, bem como por algumas respostas um tanto grosseiras por parte do tratamento físico do jogo.

Mas sim, há alguns pontos altos a se destacar – conforme se verá adiante em maiores detalhes. Entre outras coisas, o modo história é bastante organizado e envolvente. Além disso, criar o seu próprio luchador coberto de lantejoulas, tatuagens e trajes de super-herói de filme B é uma experiência única – as possibilidades aqui vão do “sério” ao totalmente “esculhambado”. No mais, algumas filmagens com estrelas da AAA ajudam a apreender um pouco do que é a lucha libre.

Img_normalAí depende. Se lucha libre para você é simplesmente o termo em espanhol para luta livre, então talvez fosse uma boa ideia conferir outros títulos do estilo. Entretanto, se os malabarismos da escola original do wrestling, com manobras aéreas, giros e saltos acrobáticos para fora do ringue trazem boas lembranças, então talvez não fosse uma ideia assim tão ruim a de gastar algum tempo com Lucha Libre AAA: Heroes of the Ring.

O que se tem aqui é um retrato razoavelmente fiel do estilo encarniçado e cheio de questões morais e heroicas da luta livre mexicana. Além disso, criar o seu próprio luchador multicolorido tem sua graça — experimente a pintura para o rosto make-up para entender. Trata-se da mesma mistura que compõe a lucha libre original: um estilo cômico que, incrivelmente, consegue se levar a sério. É claro que os deslizes de jogabilidade existem, e estes realmente não tem nenhuma graça. Enfim, apostar ou não a própria máscara... Agora é com você.

Velocidade e golpes aéreos

Img_normalEntre outras coisas, Lucha Libre AAA serve como um bom retrato da idiossincrática tradição mexicana de luta livre. O esporte por aquelas bandas é levado muito a sério, e seus astros são verdadeiros rock stars, distribuindo com a mesma maestria autógrafos e lições de moral – “Você deve ser um exemplo” (La Parka).

Mas é mesmo durante as lutas que o clima típico da versão mexicana da luta livre salta à vista. Trata-se de um estilo muito mais carnavalesco, com heróis abundantemente enfeitados – desde as máscaras até as luvas e os coletes em cores berrantes -, embora jamais se abandone certa “seriedade cômica” – o que é facilmente percebido nos já mencionados vídeos que ambientam a coisa toda.

Inicialmente, haverá apenas oito estrelas da AAA disponíveis. Embora existam diversos tipos familiares aqui, qualquer um com algum conhecimento sobre a AAA certamente vai voltar os olhos rapidamente  para sujeitos como La Parka e Vampiro. Aos poucos, você poderá desbloquear todos os mais de 40 luchadores consagrados da corporação mexicana.

Chaves e voadoras

A jogabilidade de Lucha Libre é realmente bastante simples, desde que você dedique algum tempo ao modo tutorial do game. Basicamente, gatilhos servem para “agarrões” – o formato depende do botão da face do controle que é utilizado simultaneamente -, enquanto haverá também um botão para corrida, outro para subir na coluna do ringue, um terceiro para contra-atacar, etc.

Dependendo da sua ligação com a torcida, Lucha Libre libera ainda uma série de golpes especiais – quanto maior for o seu espetáculo, maior será a variedade de manobras e acrobacias disponíveis. De fato, a organização dos golpes aqui é bastante natural, e até fácil de decorar. Entretanto, como será visto mais à frente, as coisas, infelizmente, nem sempre funcionam como se espera.

Herói ou vilão?

A ideia geral de Lucha Libre AAA é bastante simples: vencer os oponentes com o máximo possível de acrobacias, a fim de se tornar um herói... Ou vilão do ringue. Seguindo o jargão da lucha libre, trata-se, respectivamente, de “tecnicos” e “rudos”. O ponto alto dessa divisão – talvez em si não tão original dentro do maniqueísmo típico da luta livre – é que o lado escolhido influenciará consideravelmente na forma de se buscar popularidade.

Um “tecnico” aqui é mais ou menos como um escoteiro com máscara e roupas coloridas. A ideia é fazer de tudo para levantar o ânimo da plateia, mandando o maior número possível de golpes aéreos e (absolutamente sempre) jogando de acordo com as regras.

Img_normal

Para entender o que vem a ser um “rudo”, basta lembrar do clássico “Cobrador de Impostos” da época do Supercatch, programa da finada rede Manchete. Trata-se de um sujeito traiçoeiro, que não dá a mínima para as regras e utiliza quaisquer objetos próximos como armas – incluindo cadeiras e lâmpadas.

Independentemente do lado escolhido, o objetivo é um só: buscar a popularidade. Dessa forma, enquanto um “tecnico” mandaria uma bela sequência aérea seguida de uma imobilização, um “rudo” arremessaria o adversário para fora do ringue, pularia sobre ele das cordas e, por fim, quebraria uma cadeira nas costas do malfadado herói – um tipo que provavelmente nem a própria mãe gostaria.

Modo história

Img_normalSem maiores segredos aqui: o negócio é buscar o estrelato dentro dos ringues. Mas não se engane, não se trata aqui de um daqueles modos campanha estilo “passeio no parque”. As lutas de fato vão se tornando cada vez mais difíceis e, ao final, é bom que você esteja dominando cada uma das diferentes manobras e contra-ataques – felizmente, sempre existe o modo tutorial para colocar algumas cartas na manga. Para tornar a coisa toda mais interessante, os intervalos entre as lutas trazem dicas e comentários dos astros da AAA.

Crie o seu próprio luchador

Criar um típico lutador da AAA é uma das partes mais divertidas de Lucha Libre – pelo menos para quem vê alguma graça em personalizações. Você vai começar pelo tipo físico: gordo, forte, claro, escuro, etc. Em seguida, é hora de escolher a indumentária. Não vale ser comedido aqui: quanto mais exagerado e colorido, mais de acordo com a ideia.

Img_normal

O jogo traz ainda uma boa quantidade de acessórios e detalhes adicionais: são tatuagens, chifres, maquiagens (algumas verdadeiramente hilárias) e itens para proteção (joelheiras, cotoveleiras, etc.). Ao final, a sua criação deve estar à altura da apoteose visual dos superastros da AAA – é realmente fácil conseguir isso... Enfim, não chega a trazer a ampla variedade de Smackdown vs. Raw mas faz um bom trabalho.

Luchas de Apuestas

Existe uma tradição na Lucha Libre: apostar máscara contra máscara. Isso equivale a dizer que quem perder uma disputa terá que presentear o ganhador com a própria máscara. Seria pouco... Não fosse o fato de que perder a máscara é a maior humilhação que pode existir para um luchador. O que dizer? Essa possibilidade encontra-se em Lucha Libre AAA muito bem retratada.

O negócio é encher o ringue!

Lucha Libre em geral é tão mais divertido quanto maior for a quantidade de lutadores multicoloridos dividindo um mesmo ringue. Melhor ainda se cada um desses lutadores for controlado por um inimigo de carne e osso. Basta encontrar desafiantes, tanto localmente quanto através da Xbox Live ou PlayStation Network.

Img_normal

Narrador? Depende...

Lucha Libre AAA traz duas possibilidades de narração: em espanhol e em inglês. Uma dica? Fique com os comentários em espanhol. Eles são rápidos e normalmente bastante inspirados. Além do que, certamente combinam melhor com a proposta do jogo.

Faltou precisão

Embora a temática de Lucha Libre AAA: Heroes of the Ring traga uma homenagem muito bem-vinda às origens da luta livre, esse clima de saudosismo não é exatamente acompanhado pela jogabilidade. Pelo menos não em todos os pontos. Sim, os golpes são bastante fiéis ao estilo aéreo da lucha libre. Entretanto, não será raro que um golpe simplesmente não responda aos seus comandos como deveria.

Adicionalmente, também as questões físicas acabam deixando muito a desejar. Coisas como pernas que atravessam estruturas do cenários, corpos que se arrastam no chão sem motivo aparente, etc. Talvez a Immersion Software possa se emendar para a próxima lucha... Quem sabe?

Img_normal

Além do modo história, você tem...

Não muito, realmente. Uma vez atravessado o modo história de Lucha Libre como “tecnico” e como “rudo”, de fato não resta muito para se fazer aqui. O jogo também não é muito claro em relação a o que se deve fazer para se desbloquear todos os mais de 40 luchadores.

Animações estilo PlayStation 1

Sem meias palavras aqui. As animações que pretendem contar as histórias dos personagens — em ambos os modos de jogo — são, na melhor das hipóteses, descartáveis. O mesmo se poderia dizer das texturas dos ambientes que compõem cenários e planos de fundo.

70 ps3
Bom

Outras Plataformas

70 xbox-360