Salte de grandes alturas e caia diretamente na Segunda Guerra Mundial.

Um dos maiores eventos militares da história da humanidade é abordado freqüentemente no mundo dos jogos. A Segunda Guerra Mundial é tema em diversos títulos, mas em alguns games ela se torna especialmente interessante. Na continuação da famosa série Medal of Honor, a guerra exige muito do gamer no que diz respeito à precisão em sua matança.

Na Segunda Guerra, há diversas divisões militares entre os aliados para que os terríveis nazistas sejam derrotados de maneira efetiva. Uma delas é a divisão Airborne, uma das mais famosas entre o povo estadunidense, que é especialista em se aproximar do inimigo por uma das vias mais perigosas que existe: o espaço aéreo.


Pule com seu pára-quedas, mas cuidado...

...pois o chão pode estar repleto de inimigos. Antes de realizar os perigosos saltos, os soldados da divisão Airborne recebem instruções, úteis especialmente para que os objetivos sejam conhecidos entre os combatentes. Então, os aviões aguardam os bravos soldados, pois a aproximação através do céu é essencial para a vitória na guerra.

Uma área demarcada por fumaça verde indica um local seguro para o pouso dos combatentes. É complicado pousar nelas, e nada de tentar escapar da batalha, pois paredes invisíveis barram os “espertos” que tentam fazer isso. No nível mais difícil de dificuldade, cair em locais diferentes dos que possuem a fumaça verde podem fazer com que o jogador morra em questão de segundos.

Escolha bem seu local de pouso. Outras novidades na jogabilidade de Airborne são os “landing points”, localizações especiais que algumas vezes possibilitam posicionamentos estratégicos na queda de pára-quedas. Infelizmente, o jogador apenas descobre a existência desses locais escondidos quando está em terra, então não há muita utilidade para os pontos estratégicos.

Através das seis fases do game, o jogador será recebido calorosamente por ondas de soldados inimigos. Com isso e com diversos desafios a serem superados durante as etapas, o jogo acaba se tornando mais longo do que aparenta. Em média, os gamers finalizam Airborne em oito horas de jogo.

A maleabilidade do jogo é um dos pontos positivos. Os objetivos da missão, indicados facilmente no radar, podem ser completados na ordem que jogador quiser. A liberdade do game não é tão grande quanto parece, mas mesmo assim, escolher a ordem dos objetivos e escolher o lugar inicial para começar a missão são bons recursos.

Embarque na ação de maneiras diferentes

Detonar explosivos em diversos locais e objetos diferentes e limpar certas áreas do domínio nazista são quesitos que constam freqüentemente nos objetivos das várias missões do game. A grande duração das fases faz com que o jogador deva realizar essas tarefas de diferentes maneiras.

Infelizmente, só a partir da quarta fase que o jogo começa a ficar mais interessante. A diversificação na tomada de decisões aumenta, pois há jeitos diferentes de encarar os inimigos, seja escondendo-se de franco-atiradores e apenas cumprindo o que a missão pede, ou explorar tudo e matar todos aqueles que estiverem no caminho.

Visual bom mas gráficos não tão perfeitos. Sem uma inteligência artificial convincente, Airborne ao menos envolve o jogador com a agressividade dos NPCs (personagens que não são controlados pelo player). Muitas vezes, não há maneira de se aproximar de um inimigo sem fazer barulho, então uma saraivada de balas aparece na direção do jogador.

Caso o gamer tente simplesmente matar todos na surdina, poderá se surpreender com a quantidade de reforços que os inimigos chamam ao se sentirem ameaçados. Granadas também são lançadas pelos oponentes, mas não há muito realismo em seus movimentos. Os ataques corpo-a-corpo não são tão eficientes quanto os dos inimigos, mas é divertido derrubar os nazistas com a coronha de sua arma.

Jogabilidade, digamos, básica

Os controles de Medal of Honor: Airborne são extremamente parecidos com os de outros games de tiro em primeira pessoa. Há a possibilidade de movimentação rápida (o famoso sprint), e um dos melhores recursos do jogo é a visão aproximada da arma.

Dando um zoom em seu alvo, o jogador consegue dar pequenas espiadas em todas as direções, o que é altamente útil quando escondido atrás de um obstáculo. Uma vez dominada essa habilidade, matar inimigos sem perder vida fica muito mais fácil.

Não há muitos diferenciais de jogabilidade no game em relação ao PC. Para os fãs de Call of Duty 4 (jogo que, alguns dizem, “copiou” aspectos de Airborne), muitas semelhanças aparecerão, como as melhorias nas armas e em maneiras de recarregar, assim como em uso de armas secundárias.

Batalhe dentre os destroços da Segunda Guerra. Algo absurdo é a pistola possuir munição ilimitada. Isso contribui fortemente para que o realismo do game diminua, pois nunca, numa guerra, pentes tirados “do além” aparecerão aos soldados.

Encontrar balas para suas armas é um tanto fácil, pois há a possibilidade de trocar de armas durante as etapas. Além disso, objetos repletos de granadas podem ser coletados, assim como pacotes vitalícios para repôr a vida do gamer caso seja surpreendido por balas inesperadas.

Apesar das armas serem típicas de um jogo de ação, há alguns probleminhas na hora de atirar. Muitas armas possuem recuos extremos, dificultando bastante a mira. Isso não ocorre com as armas dos NPCs. Além disso, atirar junto com seus companheiros pode se tornar algo simplesmente solitário, pois tem momentos em que os irmãos de guerra não fazem absolutamente nada além de morrer.

Descobrir tudo que o jogo oferece demora bastante caso a familiaridade do jogador com a série não seja grande. Explorar os cenários, os “landing points” e realizar todas as missões matando muitos inimigos são atividades que exigem bastante tempo devido à mistura de recursos no game.

Uma das poucas coisas em que a versão do PS3 possui superioridade em relação às outras é a facilidade de finalizar os inimigos. No PC e no Xbox 360, os oponentes precisam tomar diversos tiros para serem derrubados. Já no PS3, somente alguns tiros certeiros são necessários para que os nazistas pereçam na guerra.

Características técnicas razoáveis

Online, jogar Airborne é interessante. O complicado é encontrar gente para batalhar. Mas mesmo assim, é desafiante combater com outros players online, pois os mapas são bem construídos. Até oito pessoas podem se quebrar na PlayStation Network em seis mapas com alguns modos de jogo diferentes.

Pule direto na guerra em Airborne. Para os gamers brasileiros, talvez seja complicado jogar, pois em várias salas há demora na resposta dos comandos. Mesmo assim, o modo online é divertido e bastante sólido, pois os jogadores são, obviamente, extremamente mais efetivos que os personagens controlados pelo videogame.

Os visuais da guerra, em geral, são bem retratados no game, mas há vezes em que a quantidade de gráficos gerados causa uma queda horrível de quadros por segundo (em inglês, FPS). Isso é enervante algumas vezes, pois o propósito de experimentar os consoles é justamente não ter que se preocupar com o desempenho do hardware gráfico.

Ao todo, os gráficos de Airborne são um tanto pobres, pois, mesmo com uma boa quantidade de objetos, texturas e construções diferentes, tudo é meio parecido. Mesmo os soldados não possuem muitas diferenças entre si. As explosões não são convincentes, mas as armas possuem um belo visual.

O som é envolvente e causa impacto no desenrolar do game. A trilha sonora orquestral, tradicional da série, colabora para que o jogo seja parecido com diversos filmes conhecidos sobre a Segunda Guerra Mundial.

Medal of Honor: Airborne é mais um título que cobra a paciência do jogador. Não apresenta nada realmente inovador, apesar da entrada nas batalhas ser feita, na maioria das vezes, com o pára-quedas. No geral, é bom, divertido, mas não é o melhor game de ação já feito. No entanto, quem é fã da série pode conferir essa nova edição sem medo de dar uns bons tiros.
83 pc
Ótimo

Outras Plataformas

79 ps3
79 xbox-360