Acompanhe a jornada gótica de Sir Dan em busca de honra e redenção.

MediEvil Resurrection é um remake do primeiro jogo da franquia MediEvil, lançado em 1998 para o PlayStation 1. Baseado no original, esta versão para o PSP, consegue recontar a história acrescentando várias novidades, como novos personagens, mini-games e o próprio layout dos estágios.

Quando lançado originalmente para o PS1, a série MediEvil, agradou vários fãs principalmente pelo seu humor e qualidade gráfica. Agora, na telinha do PSP, o jogo volta a apresentar uma excepcional qualidade gráfica, aliando ainda bons efeitos sonoros, trilha agradável e excelentes diálogos.

Mesmo a jogabilidade apresente alguns problemas o jogo deve agradar a vários fãs tantos da série,
como de outros jogadores que gostam de um bom jogo de ação.

O bravo cavaleiro covarde

A história de Resurrection revolve em torno do lendário herói Sir Daniel Fortesque, um cavaleiro que morreu corajosamente na batalha de Gallowmere contra o mago Zarok. Entretanto essa não é toda a verdade, Sir Dan era na verdade um covarde, como capitão da guarda o cavaleiro foi forçado a participar da batalha, e foi justamente a primeira baixa da guerra, ao ser atingido no olho por uma flecha errante.

Mil anos se passaram e o mago Zarok retornou com seu exército de mortos, sua magia está mais forte do que antes e agora ele transformou o dia em noite e garantiu que iria dominar todo o reino de Gallowmere. O que Zarok não sabe é que o seu feitiço também trouxe de volta dos mortos o "herói" de outrora, Sir Daniel Fortesque, dando ao mesmo a chance de se redimir perante os guerreiros mais honrados do reino.

Osso duro de roer

A jogabilidade, como no original, permanece muito simples, o que acaba prejudicando e muito a qualidade final do jogo são os ângulos de câmera. Se você gosta de um bom jogo de ação em plataforma, certamente irá apreciar MediEvil. Caso o gênero não seja o seu favorito o título ainda é capaz de apresentar algum apelo, graças ao seu incrível senso de humor e grande diversidade de mini-jogos inclusos.

O arsenal a disposição de Sir Dan, com várias armas diferentes, tanto de longa distância como para o combate próximo e um sistema de combate baseado em combos, fazem com que o jogo não se torne nem um pouco repetitivo. Entretanto esse sistema de combate simplificado pode transformar o jogo em mais um button smashing.

Outro fator que contribui para que o jogo não torne-se repetitivo é os inimigos, cada um com o seu próprio padrão de ataque, como na maioria dos jogos de ação e de aventura. Ao final de cada fase você depara-se com um inimigo gigantesco, aparentemente impossível de ser derrotado, até que você observe o padrão de ataque dele e perceba o momento exato de ataca-lo.

O ministério da saúde adverte...

Certamente um dos melhores atributos de MediEvil são seus mini-games. Ao todo somam-se cerca de 70 jogos diferentes, que devem ser destravados ao longo do modo campanha. Exclusivos para o PSP os jogos são totalmente viciantes, portanto aprecie com moderação.

Um bom exemplo é o jogo Guardian O' The Bell, onde você deve defender um sino por um determinado tempo. Conforme o nível de dificuldade aumenta são mais inimigos e mais tempo de jogo. Simples mas incrivelmente viciante.

Sorria, você não está sendo filmado

Talvez o grande problema que acaba minando toda a experiência de jogo é o controle da câmera. Tão desajeitada quanto o herói do Sir Dan, a camera apresenta ângulos pouco favoráveis e por muitas vezes compromete toda a jogabilidade.

Por exemplo no cenário circular presente no nível do asilo, o controle limitado da câmera impede que você veja os seus inimigos que invariavelmente acumulam-se atrás de você apenas esperando para ataca-lo. Como você não consegue virar o personagem e centralizar a câmera de forma eficiente, você se torna um alvo fácil para esses inimigos.

Esse pequeno problema compromete de tal forma a jogabilidade que se torna o jogo muito frustrante já que você acaba perdendo energia simplesmente por não ter visto uma lagoa, ou um inimigo localizado fora do angulo da câmera.


De morrer

Os gráficos são tão bons quanto aos do original quando este fora lançado em 1998. Desta vez na telinha do PSP, é possível apreciar animações com muitos detalhes e qualidade gráfica invejável Dentro de jogo você pode conferir que cada inimigo possui desenhos e características próprias, além dos cenários que tem um toque singular, como os cemitérios lúgubres e as cidades dilapidadas.

Outro ponto alto do jogo é o som, a trilha sonora acrescenta um elemento de suspense durante todo o jogo e não se torna nem um pouco enfadonha, pelo contrário já que adiciona e muito ao ambiente., bem como todos os efeitos sonoros.

Mas onde o jogo realmente se destaca é nas dublagens. Além das vozes terem sido muito bem escaladas para cada personagem o tom sarcástico repleto de humor negro farão com que você jogue simplesmente para ouvir a próxima piada.

Hall de heróis

Com seus 19 níveis e absurdos 70 mini jogos, MediEvil: Resurrection irá prender sua atenção por horas a fio. A qualidade gráfica garante uma apresentação muito boa, sendo um dos melhores jogos do PSP neste departamento.

Infelizmente o jogo ainda apresenta algumas falhas gritantes, a jogabilidade é depreciada pela falta de controle da câmera. Se os ângulos de câmeras fossem melhores, certamente a experiencia final seria muito superior, ao invés disso esse problema acaba tornando o jogo frustrante em alguns momentos.

No final, entre “mortos-vivos e feridos”, o jogo consegue prover muitas horas de diversão ao jogador. O humor que permeia todo o jogo certamente irá garantir algumas risadas. MediEvil: Resurrection é uma boa adição as prateleiras do PSP.

68 psp
Regular