Mais uma adição de qualidade para a série Metal Gear.

Metal Gear Ac!d 2 traz mais da mesma experiência oferecida por Metal Gear Ac!d, que dividiu os fãs de Metal Gear ao apresentar um jogo de cartas, apenas ambientado no universo de Solid Snake. Para os que gostaram do primeiro título, as mudanças visuais e pequenas adições efetuadas garantem mais diversão, além de uma campanha relativamente longa e com um enredo cheio de tramas e reviravoltas comuns à série.

Uma boa história sempre tem mais para contar

Metal Gear Ac!d (MGA) foi um passo ousado da Konami e principalmente da Kojima Productions, desenvolvedora dos jogos Metal Gear. É uma série que sempre foi uma galinha dos ovos de ouro, com um público extremamente receptivo a todo e qualquer lançamento que possua Snake como personagem principal.

Para quem ainda não o conhece, é necessário explicar que Ac!d é um jogo de cartas; um ótimo jogo de cartas, baseado no universo Metal Gear e cheio de tiros e mortes. Mas ainda assim, é fundamentalmente um jogo de cartas e estratégia por turnos. Portanto, se você não aprecia o gênero, provavelmente esse não será um jogo para você. Apesar do tipo de jogabilidade radicalmente diferente dos jogos de Snake que conhecemos nos consoles, Metal Gear Ac!d 2 é, sem dúvida, Metal Gear, sendo uma honrosa adição à série.

Mesmo para quem não aprecia o estilo de jogo, é preciso reconhecer a vontade da Kojima Productions de fazer algo diferente, não se contentando em apenas capitalizar em cima de jogos que repetem a si mesmos em sequência interminável. Só para lembrar, também foi da Kojima Productions a iniciativa de lançar Metal Gear Solid: Digital Graphic Novel, que não é um jogo, mas uma história em quadrinhos pro PSP, que explica vários detalhes do passado de Snake, com um nível de profundidade que depende da interação do jogador com a história.

O modo Metal Gear de ser

Muito convenientemente, desta vez o jogo já começa com um tutorial, que ensina de forma sucinta e eficiente a movimentação básica e o uso das cartas, além de comandos mais avançados, como checar a posição dos inimigos. Depois dessa introdução a história começa, e rapidamente vemos Snake como marionete entre dois agentes ligados a diferentes agências secretas. Dalton e Wiseman discordam sobre o rumo das ações na maior parte do tempo, e ambos usam Snake como forma de cumprir seus objetivos e descobrir o que há por trás das ações da Saint Logic, uma mega corporação que parece estar envolvida com experimentos militares e, logicamente, com um Metal Gear, a arma nuclear super-poderosa e sempre presente na série.

A partir daí temos novamente um desenrolar de eventos bizarros, personagens desequilibrados e diálogos desconexos, que fazem parte do padrão Metal Gear adorado por todos. O enredo mostra novamente um Snake sem memória, que é obrigado a se envolver com eventos que se tornam muito maiores e sérios com o decorrer do jogo. Outros personagens são adicionados, com motivações próprias, ajudando a aumentar a complexidade e o interesse pelo que vai acontecer. Prato cheio para os fãs.

O único porém em MGA2 é o próprio Snake, que parece um tanto apático e distante do super soldado sarcástico e agressivo que conhecemos de jogos como Snake Eater. Em Ac!d ele parece estar fora de seu elemento, cumprindo ordens sem muitos questionamentos, como se estivesse conformado com os acontecimentos.

Mas mesmo assim a história é atrativa, e ainda que você sinta pouca curiosidade no início, a tendência é de que seu interesse pelo enredo aumente com os novos acontecimentos e personagens estranhos que aparecem. Outro ponto positivo é que a história não tem ligação com os Metal Gear de outros consoles,o que permite que novos jogadores experimentem o jogo sem nenhum pré-requisito.

O contraste da alta tecnologia com a "simplicidade" dos jogos de cartas

O jogo se desenrola através de cartas, contendo várias ações para Snake e mais tarde Venus, a outra personagem jogável que se junta a Snake antes do meio do jogo. As ações disponíveis envolvem movimentação pelos mapas, instalação de armadilhas, uso de armas, alteração de status dos personagens, recuperação de energia e etc. São suficientemente variadas para garantir um alto nível de estratégia na montagens dos decks.

O mais importante é que todas as ações (cartas) remetem diretamente ao universo Metal Gear, o que contribui para o charme do jogo. Armas conhecidas como a SOCOM estão presentes, e serão muito utilizadas contras os inimigos. Até mesmo as infames caixas, que permitem que Snake se esconda dos inimigos, são disponibilizadas na forma de cartas utilizáveis.

Metal Gear Ac!d 2 não é Magic: The Gathering, mas possui uma variedade de cartas suficiente para permitir um alto nível de personalização da experiência de jogo. Você pode, por exemplo, montar um deck que faça com que Snake se mova mais rápido do que os oponentes; ou um deck com muitas armas e itens de cura, a fim de eliminar todos os guardas presentes, ao invés de tentar passar despercebido; ou ainda, pode eliminar todos os guardas do seu caminho apenas com armadilhas e armas de longa distância, nunca se envolvendo realmente em combate. As opções são muito variadas, e aumentam depois que Venus se junta a Snake, pois ambos estão nos mapas ao mesmo tempo e um pode complementar a estratégia do outro (cada um possui um deck diferente).

A seleção de cartas no começo do jogo é bastante restrita, e pode frustrar os iniciantes. Mas rapidamente novas cartas são adicionadas, tanto na forma de premiação pela conclusão das fases, como itens encontrados durante os próprios estágios, ou então dentro dos boosters, envelopes com novas cartas que você pode comprar com pontos recebidos pelo cumprimentos das fases. As cartas também se tornam progressivamente mais poderosas, e podem ser melhoradas através de uma opção de upgrade individual, que você pode comprar para cada carta específica gastando alguns pontos.

Vale a pena entender o sistema e gastar algum tempo montando e modificando seu deck, para que ele se torne mais adequado ao seu estilo de jogo. Porém, o menu possui uma opção de formar um deck automaticamente, caso você não queira se preocupar com isso.

Linearmente perfeito

O desenvolvimento do jogo em MGA2 é absolutamente linear: a progressão entre as fases é sempre a mesma, e com os mesmos objetivos e acontecimentos. Mas tudo é feito de forma tão competente que o que é um problema em outros jogos aqui é uma qualidade.

As fases se tornam progressivamente mais complexas e difíceis, sendo que algumas apresentam várias salas e inter-relação de ações entre fases diferentes. O design dos mapas é muito interessante e criativo, apresentando uma variedade muito maior do que no primeiro jogo.

Especialmente interessantes são as batalhas com os chefes. Elas normalmente envolvem algum tipo de interação com o ambiente, a fim de facilitar o trabalho de derrotar os inimigos. Mas um deck poderoso também dá conta do recado. Assim como nos jogos de consoles, os chefes oferecem um bom desafio, e nesses momentos nem parece que você está jogando um jogo de cartas.

Menos camuflagem, mais tecnologia

O primeiro jogo tinha um esquema de cores bastante “militares”, que se refletia até mesmo no design dos elementos de jogo. Até nos cenários abertos os edifícios pareciam alojamentos de soldados.

Em MGA2 o ar que predomina é mais tecnológico. Os ambientes são mais coloridos e iluminados, com uso de fontes de luz e neons. O tema dos mapas também varia, de depósitos de armamentos até ambientes altamente tecnológicos, dominados por maquinário e computadores.

A história é contada através de uma forma história em quadrinhos (já tradicionais no PSP). A arte é refinada e as figuras dos personagens são bem desenhadas. O estilo será facilmente reconhecido pelos jogadores de MGA, e foi adotado em jogos mais novos, como Metal Gear Solid Portable Ops.

Os modelos dos personagens também são bem detalhados, principalmente os femininos. O cuidado no desenvolvimento visual é evidente por todo o jogo, e realmente não existe nenhum ponto negativo nesta área. Apenas a câmera continua sendo um problema, pois em alguns momentos, como quando Snake está embaixo de escadas, ela esconde vários objetos e o próprio personagem. Mas o problema é bem menos frequente do que no primeiro Metal Gear Ac!d.

Trilha sonora meramente coadjuvante

Em jogos de estratégia a trilha normalmente ocupa um papel secundário, o que se aplica também a MGA2. Aqui ela é remanescente do primeiro MGA, apenas compondo o ambiente, sem destaque. Os efeitos sonoros são típicos de Metal Gear, e ajudam a dar o tom peculiar da série ao Ac!d. Um grande defeito é a ausência de vozes, que seriam espetaculares em um jogo tão cheio de diálogos como Metal Gar Ac!d. Em vários momentos o jogador cansa de ler páginas e mais páginas de texto.

Uma adição indispensável para os fãs da série

Metal Gear Ac!d 2 propõe exatamente a mesma coisa que o primeiro: um jogo de cartas com toda a estética e feeling da conhecida série do PS2. É voltado para um público diferente, entretanto, apreciador de jogos de estratégia e com paciência para resistir ao seu longo período de aprendizado. Mas também é uma experiência diferente e compensadora, com méritos para os desenvolvedores que tiveram a coragem de criar algo diferente para o PSP.

81 psp
Ótimo