Muita história e pouca ação deixam Naruto: Path of Ninja entediante.

Se voltarmos ao início das plataformas portáteis, ainda no Japão, quando foi lançado o primeiro Game Boy, com visor monocromático e pouquíssimos jogos, veremos que pouco mudou no estilo dos games de RPG lançados para esses consoles. Naruto: Path of the Ninja é uma prova disso.

O jogo é parece port para Nintendo DS dos títulos do Game Boy Advance. Gráficos e áudio são bastante parecidos, e só o que muda na jogabilidade é que o jogo aproveita a tela sensível ao toque disponível no Nintendo DS.Na época do surgimento dos portáteis, Pokémon era um sucesso, e o objetivo em Naruto é bastante semelhante. Aqui é possível jogar com seis personagens diferentes da série, aventurando-se nos 80 primeiros episódios da série de TV.

Um pouco sobre Naruto


A série de mangás Naruto, criada pelo mangaka (como são conhecidos os autores de mangás) Masashi Kishimoto, foi publicada originalmente em 1999 no Japão, e em 2002 ganhou uma versão animada que foi exibida no país até fevereiro de 2007. No Brasil a série chegou ao Cartoon Network — canal de TV por assinatura especializado em desenhos animados — no início de 2007, e atualmente é exibida pelo SBT em rede aberta. O mangá é distribuído por aqui pela Panini Comics.

O protagonista da série, Uzumaki Naruto, vive na Vila da folha oculta, a cidade ninja do país do fogo. Quando era bebê, Naruto teve um demônio — conhecido como a raposa de nove rabos — aprisionado em seu corpo, e por isso é mal visto em sua vila. Naruto sonha tornar-se o Hokage, uma espécie de ninja muito evoluído que representa a vila política e militarmente.Para chegar a Hokage, no entanto, o caminho é árduo. É preciso ser um grande ninja, com espírito de liderança e justiça, e muita paciência até atingir fama internacional, podendo assim representar sua terra natal com louvores de herói.

Os ninjas de Naruto utilizam poderes especiais nas batalhas. Conhecido em outros RPGs como mana, na série Naruto o poder mágico dos personagens é chamado chakra. Não poderia fazer maior sentido, já que na cultura espiritualista oriental ensina-se que chakras são os pontos de concentração energética no corpo humano.Situados naquele que é chamado o corpo etérico do ser humano, uma espécie de campo energético que integra o corpo físico e a alma ou espírito (por assim dizer), os chakras conduzem energia do espírito para a carne, bem como equilibram as funções do corpo.

Aqui, o poder dos chakras é usado para batalhas, concedendo poderes especiais aos lutadores: esses poderes são chamados jutsus, e permitem diversos usos diferentes nas batalhas: é possível, por exemplo, usar um jutsu de cura para aumentar a vida de seus amigos, bem como usar um jutsu que emana uma bola de fogo. Há ainda o Sexy Jutsu, um poder desferido por Naruto que o transforma em uma loira usando roupas curtas, deixando os adversários confusos.

Hora do combate?! Ah, ainda não...


O principal problema do jogo é que Naruto: Path of the Ninja tem muita história e pouca diversão. Se o jogador prestar atenção aos diálogos iniciais do jogo (e ele precisa prestar atenção se quiser jogar direito), passará mais de 10 minutos lendo um bate-papo quase sem sentido e que adiciona muito pouco ao enredo do jogo antes de entrar em um combate.O jogo começa com Naruto e seus dois amigos, Sasuke e Sakura, recém formados na academia ninja. Os três estão no campo de treinamento aguardando para serem aceitos numa nova fase do treinamento, onde aperfeiçoarão suas habilidades ninja, tendo a chance tão sonhada por Naruto de tornar-se um Hokage.

O jogador é obrigado a ler um diálogo frívolo sobre o atraso do novo sensei (instrutor de artes marciais) dos três, bem como precisa ver a discussão destes com o professor que se mostra pouco interessado em lhes treinar. Antes mesmo da chegada de Kakashi, o instrutor, o gamer estará irritado com tanta enrolação.Após uma conversa ainda mais longa com Kakashi, Naruto parte para o primeiro combate, onde deverá enfrentar Kakashi-sensei, demonstrando suas habilidades como ninja. Antes disso o jogador poderá combater alguns monstros escondidos pelo cenário, habituando-se ao sistema de batalha. Porém tais combates não são suficientes para matar a sede de batalhas depois de tanta falação, e mais falação vem pela frente.

É necessário fazer o mesmo com Sakura e por último Sasuke: após os 3 personagens percorrerem isoladamente uma floresta, lutando contra alguns monstros de baixo nível para em seguida serem derrotados por seu mestre. Depois? Não, nada de ação. Mais conversas. O jogador deve deixar o centro de treinamento e ir até a cidade, onde sentarão com seu mestre na ”lanchonete” local, depois irão até a academia ninja para receber sua primeira missão. Agora sim, após conversar com o Hokage você poderá lutar certo? Errado!

Mais papo furado e o jogador recebe ordens de ir até a casa do Hokage proteger um pergaminho secreto. Lá, um garotinho aparece para incomodar a vida dos heróis, roubando-lhes o pergaminho. Você não lutará com ele, se é isso que está pensando, mas poderá batalhar rapidamente com o mestre do menino — não que isso seja mais emocionante que os monstros de nível um citados acima.Gráficos e Áudio importados do GBAComo dito nos contras do jogo, é uma pena que Naruto: Path of the Ninja assemelhe-se tanto a um jogo do Game Boy Advance.

O DS tem muito mais potencial do que o portátil anterior da Nintendo, e poderia suportar gráficos muito mais complexos. Os golpes especiais executados pelos personagens, conhecidos como jutsus, chamam a atenção do jogador pelos efeitos interessantes apresentados na segunda tela do console — a tela superior —, lembrando muito as cenas do desenho animado.

Gráficos no padrão do GBA e áudio pobre completam uma experiência "meia-boca"


Naruto: Path of the Ninja, não peca unicamente no enredo cheio de firulas, mas também nos gráficos, que não fazem jus ao Nintendo DS, bem como na trilha sonora que fica muito para trás do potencial do console. Com músicas monofônicas que lembram o SNES, o jogo impulsiona o gamer a baixar o volume e ligar outra trilha sonora mais ao seu estilo enquanto joga. é terrível irritar-se com as músicas de um jogo a ponto de desligá-las, porém Naruto: Path of the Ninja conduz o jogador a esse extremo.

Quanto aos gráficos, mais efeitos especiais poderiam ter sido aproveitados, bem como uma maior utilização da tela superior do console, apresentando cenas similares ao desenho animado, teria resultado numa nota bem mais alta nesse sentido. Entretanto, se você é fã de Naruto e sua turma, com toda certeza irá se divertir aproveitando os 80 primeiros episódios do desenho na tela de seu DS.

O jogo vale a pena, apesar de ser um RPG como outro qualquer e não oferecer grandes diferenças que chamem a atenção, a não ser aproveitar o enredo de Naruto. Quem já jogou outros RPGs poderá se arrepender com Path of the Ninja, tudo vai depender de quanto você é fã de Naruto.

54 ds
Fraco