Mais um capítulo da crônica de Naruto e seus amigos ninjas.

Naruto alcançou fama internacional em pouco tempo e logo foi transportado para os videogames, seu grande sucesso foi em títulos do gênero de luta, passo óbvio já que muito do sucesso do anime e do mangá está nos confrontos repletos de ação.

Outras adaptações transpuseram o ninja de Konoha em títulos de RPG, outro passo interessante, já que em um RPG é possível contar uma história aproveitando-se muito bem dos vários personagens presentes na saga.

Desta vez os ninjas do mundo criado por Masashi Kishimoto, estão em um misto de ação e RPG. Entretanto o elemento RPG resume-se a distribuir alguns pontos de experiência em alguns atributos básicos, como na série Dragon Ball Budokai, e a jogabilidade própria do estilo ação/plataforma, é utilizada de forma simplista, o que torna o jogo extremamente enfadonho e repetitivo, resumindo-se a um beat-'em-up.

Filler

Para os fãs da série a história que guia o jogo pode muito bem ser considerada um filler, termo que denomina um arco de histórias criado apenas na versão animada, sem qualquer conteúdo necessariamente relevante, deste modo, não alterando a história original. Os fillers, aparecem ao longo de toda a saga animada do ninja Naruto e poucos são os fãs que vem essas histórias com bons olhos.

O enredo do modo principal (Story) apresenta-se condizente ao universo criado por Kishimoto (autor do mangá), entretanto as animações que entregam a história ao jogador são muito lentas, enfadonhas e mal dubladas, mesmo contando com o mesmo elenco de vozes do anime (versão americana).

A história gira em torno de um clã de ninjas que pensava-se ter desaparecido. Após retornar de uma missão, Naruto, encontra o ninja do País do Vento,
Kankuro, que veio alertar a Hokage da Vila Secreta da Folha, de que o tal clã está de volta e a procura de objetos misticos chamados Orbes Espirituais. O clã chamado Shirogane é especializado em marionetes, e eles pretendem utilizar as Orbes Espirituais para reviver um grande mal, conhecido apenas como o Marionete Mestre.

Você controla Naruto na maior parte do tempo, mas também poderá controlar outros personagens presentes no anime e no mangá de sucesso mundial. Dentro do modo história você deverá executar as missões que a 5ª Hokage, Tsunade, irá lhe conferir. Em cada missão você contará com a ajuda de outros personagens, entre eles a pequena Sakura, o estrategista Shikamaru, o poderoso Neji e o veloz Rock Lee entre outros.

Como em seu predecessor (lançado apenas alguns meses antes desta seqüência), Uzumaki Chronicles 2 baseia-se no estilo de ação/aventura, entretanto a jogabilidade simplificada do gênero, que acaba funcionando bem em títulos como Dynasty Warriors, mas que torna este jogo extremamente enfadonho por sublimar grande parte do desafio.

Conforme você avança pelos capítulos (dez ao total) você vai liberando o conteúdo extra do jogo, como novos personagens, novas missões, novos cenários, etc.

Missões suicidas

Os outros modos de jogo presentes são as Missões (Mission) o Sobrevivência (Survival) e o multiplayer (Battle).

As Missões consistem basicamente de mini-estágios, como os presentes ao longo de todo o modo história. Cada missão possui um objetivo diferente, apesar de todos serem extremamente similares de pouco desafiadores. Em certas missões você deverá proteger um item ou uma pessoa, enquanto em outro cenário você deverá eliminar todos s inimigos ou talvez apenas o líder de um grupo de bandidos.

Como no anime e no mangá, as missões são divididas pelo grau de dificuldade, sendo que as de Rank D são as mais fáceis e as de Rank A as mais difíceis, existem também missões especiais de Rank S, somente para os mais habilidosos dos ninjas. Para liberar todas as missões, incluindo as de Rank S, você deve terminar o modo história. Algumas missões permitem times com três personagens, enquanto outras deve ser executadas exclusivamente por um personagem.

Uzumaki Chronicles 2 também possui um modo multiplayer, apesar de ser o ponto mais fraco de todo o jogo. O multiplayer tenta reproduzir as lutas intensas que definiram a franquia Ultimate Ninja, entretanto utiliza-se da mesma jogabilidade do estilo ação/plataforma.

Os movimentos de câmera desajeitados, a movimentação estranha e o sistema de controle inapropriado fazem desta opção a grande fraqueza do título, o que poderia ser uma boa idéia foi mal executada.

Treinamento Ninja

Talvez a grande diferença entre este título e o original, seja a utilização de vários personagens simultaneamente. Enquanto no primeiro jogo da franquia o seu personagem secundário era sub-utilizado, nesta versão, graças a um sistema de controles bastante intuitivo (basta pressionar o botão L2) você pode trocar entre qualquer um dos membros da sua equipe.

O jogo também permite um certo grau de customização do seus heróis, utilizando o dinheiro e o os pontos de experiências coletados durante as missões, você poderá alterar várias características. Na guia Level Up, você pode redistribuir seus pontos de experiencia aumentando a sua barra de vida, ou incrementando a sua defesa, ataque, etc.

A opção Skill Plate (que pode ser acessada antes ou durante as missões) serve como uma espécie de inventário para suas habilidades. Cada um dos ninjas possui um design próprio e você deve organizar todos os chips de habilidades dentro deste design, os chips que ficarem de fora do design não terão efeito.

Para conseguir novos chips de habilidade você deverá comprá-los na guia Shop, nesta mesma guia você também pode aumentar o espaço do seu Skill Plate, permitindo assim, que você acomode mais chips de uma só vez.

Sombras e silêncio

Uzumaki Chronicles 2 apresenta gráficos consistentes apesar de estarem aquém da capacidade do console. Comparado com o original, esta versão consegue superar muitas das limitações apresentadas anteriormente.

Ao invés de utilizar gráficos no estilo cel
-shading (popularizado por jogos das franquias Dragon Ball Z Budokai e Naruto: Ultimate Ninja), como no original, esta versão opta por um aspectos mais arcade
, uma escolha que favorece o gênero de ação do jogo, mas empobrece um pouco a apresentação final.

A trilha sonora é bem similar à predecessora, o que significa muito “rock ninja oriental”, infelizmente as músicas são acompanhadas de péssimos diálogos e dublagens de qualidade duvidosa.

Dattebayo!

Com menos do que um ano entre o lançamento de Naruto: Uzumaki Chronicles 2 e seu predecessor, não deveríamos ter um jogo surpreendentemente diferente do anterior.

Provavelmente os fãs da série Naruto consigam explorar mais os atributos deste jogo, apreciando mais o enredo e a presença de vários personagens do anime, entretanto para os outros jogadores, alheios a série, o título é fraco e pouco interessante, e por se tratar de uma sequência, parece um tanto supérflua.

61 ps2
Regular