Palavras cruzadas, Sudoku e desenhos...

Os jogos de quebra-cabeça são feitos sob medida para a nova geração de consoles portáteis. O caráter casual e despretensioso dos títulos agrada em cheio aos jogadores que querem uma distração rápida e divertida.

Quem não se lembra do saudoso Tetris e a infinita chuva de peças que abrandava as espera em filas ou o tédio das longas viagens.

Com a chegada do Nintendo DS uma nova leva de puzzles e outros títulos que instigam o raciocínio rápido se aliaram às novas possibilidades trazidas pelo console, notadamente o uso da stylus aliada à touchscreen — tela sensível ao toque.

Entre as novidades, o excelente Picross se destacou pela criatividade e uso inteligente dos recursos técnicos da plataforma. Lançado em 2007, o título se baseou em um tradicional quebra-cabeça japonês, para entregar um jogo cativante.

A fórmula simples, porém desafiadora, conquistou uma fervorosa legião de fãs que esperavam ansiosos por novos enigmas. Em Picross 3D as charadas estão ainda mais complicadas, haja vista a introdução de uma nova dimensão.

Se no primeiro título as imagens apareciam em duas dimensões, a nova edição da franquia deu um salto para o mundo tridimensional, alterando significativamente a maneira de se jogar, porém sem perder a essência do original.

Se você gostou do primeiro Pricross, então não pode deixar de conferir sua continuação. Picross 3D traz novos desafios advindos da introdução das imagens tridimensionais.

A HAL Laboratories — desenvolvedora do título — fez um belo trabalho não apenas na programação, mas na elaboração dos quebra-cabeças, que vão exigir muita atenção e raciocínio rápidos dos jogadores.

Os gráficos, apesar de limitados, não são exatamente ruins, o que desagrada é o design e o estilo visual — que apesar de depreciarem o valor final do produto, não prejudicam a jogabilidade e a diversão.

Picross 3D é mais uma bela adição à extensa biblioteca de puzzles do Nintendo DS. Trata-se de um título que prende o jogador, oferecendo desafios inteligentes e instigantes.

Uma questão de perspectiva

A jogabilidade de Picross 3D é basicamente a mesma do original, no entanto com uma grande diferença. Em vez de imagens planas (convencionais), você deverá resolver quebra-cabeças de desenhos tridimensionais.

Img_originalProcesso de resolução é o mesmo. As faces do sólido geométrico apresentam diferentes números e símbolos que indicam a quantidade de blocos que compõem a verdadeira forma do objeto escondido.

Você utiliza a stylus para girar a estrutura em seu eixo e visualizar o objeto por completo. Além disso, também pode “marcar” os blocos, tornando-os indestrutíveis e facilitando a construção mental da imagem escondida. 

A dinâmica é difícil de ser explicada, mas fácil de ser compreendida dentro do jogo, especialmente por conta da evolução gradual dos desafios e do detalhado — e nada enfadonho — tutorial que apresenta todo o sistema de jogo.

“Pra cá e pra lá”

Como o jogo trabalha com mais de uma dimensão, a jogabilidade teve de ser levemente adaptada. Assim, o título recebe uma nova ferramenta, os Slicers.

Resumidamente é uma forma simples de enxergar os diferentes “níveis” da estrutura — basta arrastar a stylus pela tela —, permitindo que o jogador observe de perto os blocos do interior do objeto que podem ou não ser removidos.

“A Velma disse ‘gente’!”

Picross 3D também conta com um novo Img_originalsistema de pistas. Além da indicação tradicional dos números — que indica quanto blocos em sequencia compõem o desenho real — o título também traz pistas compostas.

A primeira pista composta é apresentada com o número dentro de um circulo, significando que existe uma determinada quantidade de blocos, dividida em dois grupos, dentro da linha ou coluna indicada.

A segunda é revelada pelo número dentro de um quadrado, indicando que os blocos que não devem ser destruídos estão separados em três ou mais grupos, em vez de estarem em sequências.

Quebrando a cabeça

Como se não bastasse os mais de 350 enigmas presentes no jogo, você ainda pode se aventurar pelo editor de formas e criar seus próprios desafios. O melhor de tudo é que as suas obras podem ser compartilhadas via Nintendo Wi-Fi Connection — serviço que também permite que você baixe as criações dos outros jogadores.

Baderna visual

O primeiro Picross utilizava seus gráficos 2D “pixelados” para prestar uma homenagem ao passado da Nintendo. Apostando em um esquema de cores limpo e coerente, Picross entregava imagens “quadriculadas” que lembravam os primórdios da “Big N”.

Em Picross 3D se percebe uma mudança de estilo. Os gráficos permanecem limitados, apesar da introdução de objetos tridimensionais, e a paleta de cores é confusa e nada atraente.

85 ds
Ótimo