Será difícil ter uma melhor chance de se tornar um mestre Pokémon [vídeo]

Videoanálise


A série Pokémon é tão famosa que dispensa apresentações, sendo uma das franquias de maior sucesso no mundo dos games e com uma enorme quantidade de títulos lançados no mercado.

Desconsiderando seus spin-offs, entretanto, a série sempre se dividiu em duas propostas principais. Nos portáteis, tínhamos a aventura original, em que você controlava um garoto (ou uma garota) com o objetivo de se tornar um mestre Pokémon, se aventurando pelos campos de um continente cheio de monstrinhos para capturar.

Já nos consoles, a proposta era um pouco diferente, pois, no lugar de um mundo inteiro a explorar, os títulos se limitavam às batalhas Pokémon. Mesmo tendo muito menos a fazer nesses games, eles atraíam qualquer fã da franquia por um simples fator: a oportunidade de ver as criaturas em três dimensões, com mais detalhes do que jamais havíamos visto nos sprites em 2D das versões de Game Boy, Color, Advance ou Nintendo DS.

Img_normal

Desde então, todo o fã de Pokémon sempre quis ver a combinação perfeita entre as duas propostas – um game com a exploração dos portáteis, mas os gráficos incríveis dos consoles. Infelizmente, tivemos que esperar muitos anos para que isso se tornasse verdade, mas finalmente temos essa união dos sonhos com Pokémon X e Y.

Será, porém, que os novos títulos para 3DS são capazes de cumprir as exigências e expectativas resultantes de mais de uma década de espera dos gamers? Confira nossa análise para descobrir.

Pokémon X/Y impressiona com facilidade qualquer fã, embora não o faça sem seus deslizes: explorar o cenário realmente não é a melhor das experiências até você se acostumar com os problemas nos controles e na câmera.

Mas o que vale é que tudo o que há de mais importante – as batalhas, a exploração de cenários, o desafio de encontrar e capturar pokémons, entre outros – está ali, apresentado com uma qualidade nunca antes vista na série.

Img_normal

Então, no fim das contas, qual o grande problema em gastar duas ou três horas frustrantes aprendendo qual direcional usar em determinado momento ou ter pouco uso para o 3D quando o título que promete dezenas (ou até centenas) de horas de diversão? Pokémon X e Y definitivamente vale a pena, se provando o melhor game da franquia até o momento.

Este jogo foi adquirido pelo Baixaki Jogos para a realização desta análise.

Videoanálise


A série Pokémon é tão famosa que dispensa apresentações, sendo uma das franquias de maior sucesso no mundo dos games e com uma enorme quantidade de títulos lançados no mercado.

Desconsiderando seus spin-offs, entretanto, a série sempre se dividiu em duas propostas principais. Nos portáteis, tínhamos a aventura original, em que você controlava um garoto (ou uma garota) com o objetivo de se tornar um mestre Pokémon, se aventurando pelos campos de um continente cheio de monstrinhos para capturar.

Já nos consoles, a proposta era um pouco diferente, pois, no lugar de um mundo inteiro a explorar, os títulos se limitavam às batalhas Pokémon. Mesmo tendo muito menos a fazer nesses games, eles atraíam qualquer fã da franquia por um simples fator: a oportunidade de ver as criaturas em três dimensões, com mais detalhes do que jamais havíamos visto nos sprites em 2D das versões de Game Boy, Color, Advance ou Nintendo DS.

Img_normal

Desde então, todo o fã de Pokémon sempre quis ver a combinação perfeita entre as duas propostas – um game com a exploração dos portáteis, mas os gráficos incríveis dos consoles. Infelizmente, tivemos que esperar muitos anos para que isso se tornasse verdade, mas finalmente temos essa união dos sonhos com Pokémon X e Y.

Será, porém, que os novos títulos para 3DS são capazes de cumprir as exigências e expectativas resultantes de mais de uma década de espera dos gamers? Confira nossa análise para descobrir.

O lado ruim de um mundo 2D com cara de 3D

Pokémon X/Y pode ter trazido muitas qualidades com seus gráficos 3D. Na hora de explorar o continente de Kalos, porém, o impacto negativo que isso tem na jogabilidade é perceptível de imediato.

O problema é causado pela possibilidade de se mover com relativa liberdade, devido à presença de um controle analógico, mas com as limitações de exploração dos games originais em 2D. Basta tentar andar até alguém usando o direcional, por exemplo, para que, no lugar de parar logo à frente do personagem, você acabe apenas desviando dele.

Img_normal

Outro exemplo bastante frustrante disso está na hora de acessar áreas estreitas do cenário. Isso porque seu personagem fica preso em paredes invisíveis com uma facilidade enorme, simplesmente porque você não estava perfeitamente alinhado. Em um primeiro momento, detalhes como esses podem não parecer grande coisa. Mas acredite: depois de algumas horas de jogo, algo assim se torna insuportável. Logo, você vai querer ficar com o direcional digital.

Uma batalha contra a câmera

A situação se mostra ainda pior nas horas em que Pokémon X/Y tenta colocá-lo em um ângulo de visão diferente, com a câmera “montada” no ombro do personagem. Uma vez que seu treinador pode se mover com extrema rapidez, é ridiculamente fácil se sentir completamente desnorteado nessas situações, visto que ela o acompanha pelo menor movimento.

Img_normal

Para nosso alívio, esse caso não é exatamente comum, se limitando a algumas áreas bastante específicas, como a cidade de Lumiose (a maior de todo o game) e um número pequeno de cavernas. E, ainda bem, porque muita gente ia sair nauseada depois de algumas horas de jogo caso tivesse que lidar com as câmeras se movendo daquele jeito durante toda a trama.

Kalos: o continente das paredes invisíveis

Por falar em paredes invisíveis, prepare-se para se frustrar bastante com elas. Antes de tudo, quero deixar claro que aceito a existência delas. Também entendo tranquilamente as desculpas que os desenvolvedores usam para colocá-las – sejam elas montanhas, uma série de barris enfileirados, uma floresta densa ou uma simples cerca. O que Pokémon X/Y faz, porém, é difícil de engolir.

Img_normal

O fato é que o título mal se dá ao trabalho de “esconder” as paredes. Normalmente a única diferença entre uma parte acessível e inacessível do cenário é uma mínima diferença de cor entre partes da grama ou uma mínima elevação no relevo, o que frequentemente atrapalha o jogador na hora de identificar que partes do mapa ele pode ou não explorar.

Felizmente, depois de algum tempo de jogo fica mais fácil se acostumar com a diferença entre cada tipo de área. Mas que é bastante estúpido ter que dar uma enorme volta para alcançar um item a cinco passos de distância quando tudo o que separa você dele é um minúsculo pedaço de grama escura, sobre isso não há dúvidas...

Está paralisado!

Fãs do 3D no 3DS, sinto informá-los que essa não é uma função que vocês vão querer utilizar em Pokémon X/Y. Basta ativá-la para que a queda na taxa de frames se revele quase que imediatamente durante as batalhas.

Img_normal

Ao menos parece que a Nintendo, percebendo tais limitações, fez com que a função 3D se limitasse a apenas uma parcela do game, sendo ela as batalhas Pokémon de 1 contra 1. Disputas em duplas e trios ou mesmo explorar os cenários não possuem suporte à tecnologia – e ainda bem, pois mesmo esses casos já apresentam ocasionais slowdowns.

87 3ds
Ótimo