Fúria sobre rodas! Rage faz bonito, apesar de todos os problemas [vídeo]

Videoanálise

Apesar dos mais de 15 anos de estrada, a id Software conta com poucos títulos em sua biblioteca. Todavia, quando seu currículo traz jogos do calibre de QuakeDoom e o pioneiro no gênero FPS, Wolfenstein 3D, fica claro que o estúdio prima pela qualidade e não pela quantidade.

Com uma fama dessas não é de se estranhar que qualquer projeto envolvendo a id Software chame a atenção dos jogadores. Assim, quando Rage foi anunciado na QuakeCon de 2007 o mundo dos video games sabia que algo grandioso estava por vir.

Agora, quatro anos e muita ansiedade depois, o título finalmente desponta nos consoles caseiros e computadores. Misturando a dinâmica clássica dos jogos de tiro em primeira pessoa com pitas de RPG e combate veicular, Rage oferece uma experiência de alto padrão, apesar de alguns escorregões.

Entre mortos e feridos, Rage ainda se destaca como um dos melhores jogos de tiro em primeira pessoa do disponíveis no mercado. A produção da id Software comprova o talento de John Carmack e, mesmo com todos os problemas técnicos, ainda fica acima da média.

A jogabilidade é afiada e os visuais — quando você consegue fazê-los rodar apropriadamente — são realmente impressionantes. O componente multiplayer é agradável, apesar de limitado, e o ponto alto fica por conta da campanha single player, que pode se estender por mais de 20 horas.

Todavia, as inúmeras questões técnicas prejudicam demais o desempenho de Rage e acabam diminuindo consideravelmente a apreciação do título. Questões básicas como o gerenciamento de saves nada confortável e a história genérica também são pontos negativos.

Apesar dos problemas, Rage ainda é uma excelente pedida para os fãs de jogos de tiro em primeira pessoa. Mesmo com todas suas falhas, a nova obra de John Carmack ainda se destaca pelo design inspirado e jogabilidade bem ajustada.

Clique aqui para saber como funcionam os critérios das análises do Baixaki Jogos!

"Paladino do Oeste"

O ponto alto de Rage é a sua jogabilidade. Como já era de se esperar de uma desenvolvedora do calibre da id Software, o título aposta em um estilo ágil no qual o jogador experimenta diferentes gêneros dentro do mesmo jogo.Img_normal

A exploração do cenário é tão interessante quanto às missões. Enquanto isso, as interações com os outros personagens substituem com muita propriedade longas sequencias de animação. Além disso, ainda encontramos um robusto sistema de personalização que permite criar novos equipamentos e editar itens já existentes.

Esse dinamismo oferece grande variedade à forma de jogar. A estrutura que poderia se tornar repetitiva foge do usual e agrada em cheio quem procura por algo diferente no mar títulos “genéricos” que recheiam o gênero FPS. 

Trabuco

Um dos elementos mais atraentes de Rage é a o seu esquema de personalização de armamento. Ao longo do jogo você encontrará várias plantas para a construção de itens e armas. Conforme o jogador coleta os materiais necessários essas construções se tornam viáveis e novos equipamentos são adicionados ao seu inventário.

O melhor de tudo é que o gerenciamento dos objetos coletados na sua jornada é direto e totalmente descomplicado. O lixo é automaticamente agrupado em uma aba específica — para que possa ser vendido na diferentes lojas espalhadas pelo mapa de jogo —, enquanto que artigos especiais, que podem ser utilizados para a manufatura de itens e armas, ficam em destaque.

Img_normalEssas facilidades se mostram realmente interessantes quando percebemos que em que Rage você não se limita a manter a sua arma sempre carregada, mas também deve estar sempre em busca de novas maneiras de aprimorá-la, tornando-as mais letais e adaptadas às suas necessidades — haja vista que algumas missões fazem com que você invada fortalezas disparando para todos os lados, enquanto outras incumbências exigem algum planejamento estratégico e ação furtiva.

É a fúria!

Falar dos gráficos de Rage é algo difícil, pelo menos no que diz respeito à versão do jogo para PC. Não há como negar a beleza dos visuais: cenários realmente impressionantes, com um design muito bem trabalhado que entregam um clima pós-apocalíptico no melhor estilo diesel punk.

A direção de arte é afiada e o nível de detalhamento dos gráficos é verdadeiramente impressionante. Destaque para as animações, em especial para à sincronia labial dos modelos e as texturas elaboradas. Entretanto, toda essa beleza é prejudicada por inúmeros problemas técnicos, que acabam minando muitos dos pontos positivos.

Enfurecido

Rage era um dos títulos mais aguardados de 2011, especialmente porque estava em desenvolvimento desde 2007. Todavia, mesmo com tanto tempo de produção, o título ainda chegou com inúmeros problemas.

Img_normalNo momento em que realizamos a análise, boa parte dos problemas já foi corrigido pela Bethesda e id Software, ou supostamente corrigidos, pois ainda evidenciamos algumas questões extremamente desagradáveis. Dificuldades de compatibilidade com as placas de vídeo da NVIDIA resultaram em screen tearing, defeito que representa os infames “cortes” na tela, enquanto que as placas da AMD se mostraram particularmente inviáveis em vários aspectos — em alguns casos o jogo simplesmente nem rodava.

O lançamento do título foi conturbado por apresentar um jogo incompleto, repleto de erros e questões técnicas — ainda não resolvidas pelos desenvolvedores neste momento. Mesmo com as atualizações já lançadas ainda surgem alguns elementos problemáticos. O “pop in” — defeito gráfico relacionado ao carregamento das texturas — é um dos mais gritantes.

Além disso, também evidenciamos uma grande instabilidade na taxa de quadros por segundo (fps), fato que tornou a jogatina praticamente impossível. A id Software está trabalhando em melhorias e já disponibilizou algumas correções. Mesmo assim, a primeira impressão é a que fica e o que vimos não foi nada bom.

Inédito, já dito

Um dos argumentos centrais durante todo o processo de desenvolvimento de Rage foi o fato de que se tratava de algo verdadeiramente único, um jogo que não teria precedentes, com uma jogabilidade singular e um estilo próprio. Infelizmente não foi o que vimos na versão final do jogo.

Img_normalA inovação foi apregoada durante todo o desenvolvimento, mas no final o que temos é a reprodução — bem elaborada — de vários elementos já vistos em muitos jogos do gênero. Na verdade, ficamos com a impressão de que estamos jogando uma versão incrementada de Borderlands, com visuais e jogabilidade aperfeiçoados.

A estrutura de RPG está lá, mas não é necessariamente nova, bem como a ideia dos combates veiculares. Talvez o fato de tais elementos aparecerem combinados em um mesmo jogo seja de fato novo, mesmo assim isso não é o suficiente para dizer que se trata de algo diferente de tudo que já vimos por ai.

Faltou alguma coisa

Longe de ser um jogo ruim, Rage poderia ter sido muito melhor. Na verdade, o que realmente prejudica o título é a soma de erros. Alguns bons exemplos podem passar despercebidos pela maioria, mas se analisados de perto mostram como a id Software poderia ter incrementado o jogo consideravelmente.

Vejamos o multiplayer, que apesar de presente não chega a ser algo realmente instigante. Além de contar com apenas duas modalidades de jogo — uma baseada no combate veicular e outra em uma espécie versão cooperativa das missões single player — não vislumbra uma alternativa tão tradicional quanto o famoso deathmatch.

Outro bom exemplo é o sistema de saves. O jogo raramente salva os dados, obrigando o jogador a ficar atento à gestão de dados salvos para que, caso morra em um momento inoportuno, não se ver obrigado a retornar até um estágio muito anterior.

80 pc
Ótimo