Análise de Resident Evil: Revelations 2 - Episode 2: Contemplação

Evoluções, retrocessos e revelações

A semana de diferença entre o lançamento do primeiro e o segundo capítulo de Resident Evil: Revelations 2 parece que demorou mais do que o normal para passar. Normal: o game é de qualidade e, bem construído, faz com que os fãs sofram de expectativa para continuar a aventura de Claire, Moira, Barry e Natalia.

O episódio "Contemplação" tem a árdua tarefa de superar um piloto consistente e, além de dar continuidade à história, apresentar novidades que continuem agradando ao jogador. Agora que o enredo está estabelecido, a Capcom tem a liberdade de expandir o universo apresentado e aumentar os níveis de ação e suspense.

Atenção:  tentamos evitar ao máximo os spoilers no texto e na videoanálise, mas algumas surpresas são inevitáveis para quem não jogou o primeiro episódio ou foi até o fim do atual. De qualquer forma, será que o segundo capítulo mantém o nível do anterior e ainda deixa aquele gostinho de “quero mais” para o resto da aventura? Confira a seguir a nossa análise.

Progressão esperada

Partindo imediatamente do final do primeiro capítulo, o jogo começa com Claire e Moira deixando a estação de rádio e seguindo em direção à torre “onde a vida começa”. No caminho, elas encontram mais sobreviventes da Terra Save que também buscam uma saída da ilha. Nenhum chega a ser muito desenvolvido, mas a presença deles é importante para a trama.

Barry também continua em busca da filha, refazendo os passos de Moira e achando mais pistas. O problema é que alguém – ou algo – observa cada movimento do agente. Os documentos encontrados na campanha finalmente dão pistas sobre o novo vírus, que se chama T-Phobos e é “ativado” de acordo com o medo sentido pelos infectados. O bracelete colorido é visto em ação.

Assim como a história é expandida, os mapas ficaram maiores: há uma vila de pescadores com uma orla e casas a serem visitadas, lembrando muito o povoado de Pueblo, em Resident Evil 4, fora trechos de uma cidade e de um hospital. Este cenário e a misteriosa torre são especialmente macabros e bem desenhados, garantindo a tensão em vários momentos.

Novidades bem-vindas

Novos inimigos são introduzidos para mudar um pouco a forma de jogar. Eles seguem uma fórmula que já é utilizada desde Resident Evil 4: uma criatura invisível e um infectado perigoso com uma arma elétrica. Apesar da repetição, a introdução deles é bem feita e só tem a contribuir para o jogo. A criatura que não pode ser vista, por exemplo, tem uma habilidade especial e exige a ajuda de Natalia para ser abatida. Isso cria momentos de tensão e faz com que você utilize novas estratégias.

Outra novidade está no “Modo de Raide”, ou “Raid Mode”. Com a introdução de novas fases, os jogadores ganham ainda mais motivos para continuar com Revelations 2 ligado enquanto o terceiro episódio não sai: são ainda mais mapas, peças, armas e possibilidades de competição entre você e seus amigos.

Final de explodir cabeças

Quem assistia a séries como "Lost" e "Breaking Bad" sempre perdia o fôlego nos minutos finais de cada episódio: eram quase sempre bombásticos ou abertos, com perguntas ou acontecimentos que seriam respondidos somente no capítulo seguinte. Como controlar essa ansiedade?

Se isso já acontecia em "Colônia Penal", em "Contemplação" o gancho do final está em seu ápice. A revelação, acompanhada de um documento que dá pistas sobre quem é o antagonista do jogo é feita de forma correta e surpreendente, deixando você muito mais ansioso pelo próximo ato. Para se ter uma ideia, sem entregar muita coisa, a pessoa foi citada rapidamente em um documento bônus de um jogo anterior sem qualquer alarde e só agora fez uma entrada triunfal.

Entretanto, alguns mistérios permanecem no ar, como a origem de Natalia e o trauma de Moira, permitindo que os dois episódios restantes também tenham as suas próprias surpresas bombásticas.

Revisitar não pode ser reciclar

A Capcom precisa cuidar para que um dos aspectos mais divertidos do jogo não se converta em uma falha — no segundo capítulo, é possível ficar com essa impressão. É verdade que a história de resgate faz com que Barry revisite vários cenários que antes foram percorridos por Claire e Moira (e isso é muito divertido, ainda mais por conta da diferença de período entre as campanhas), mas o exagero torna a jogatina cansativa.

Barry e Claire passam praticamente pelos mesmos lugares juntos, inclusive fazendo quase os mesmos passos. O enigma da alavanca do hospital é refeito, enquanto a vila de pescadores e a pequena cidade são transitadas pelos mesmos mapas. Novamente: o recurso não é ruim, mas foi um pouco mal utilizado neste episódio. A diversão é justamente fazer duas campanhas diferentes para não enjoar fácil do jogo — e refazê-las inúmeras vezes para coletar conquistas, por exemplo, torna-se ainda mais cansativo quando os mapas mudam pouco.

Reprovado em Língua Portuguesa

Na análise do primeiro capítulo, uma das reclamações foi direcionada às legendas em português, que "perdiam" palavras e traduziam palavrões de forma bizarra. No segundo capítulo, elas conseguem piorar e podem até confundir o jogador.

Em determinado momento, uma sirene começa a soar, atraindo inimigos para o local, e um personagem fala para você desativar a "ninfa". Peraí, desativar o quê? Pois é: provavelmente, a tradução pegou "siren" e passou para "sereia" (e depois "ninfa") em vez de "sirene". Logo depois, um diálogo possui a palavra "bar" traduzida como "barra" em vez do estabelecimento que vende bebidas. Cadê a revisão?

Vale a pena?

O capítulo “Contemplação” de Resident Evil: Revelations 2 mantém o alto nível de qualidade do episódio anterior, traz evoluções em uma série de aspectos e faz com que o game chegue na metade da duração com uma ótima perspectiva. Ele tem qualidades e defeitos diferentes do primeiro, porém atinge praticamente o mesmo nível.

Os níveis de ação e suspense são ampliados: mais inimigos surgem ao mesmo tempo na tela e a tensão constante em busca de munição ou um lugar seguro só aumenta. Ao mesmo tempo, a história avança no ritmo certo. Seguindo o título do jogo, são feitas revelações de cair o queixo dos fãs da série, fazendo com que a vontade de jogar o terceiro episódio só aumente.

Os novos cenários e inimigos são boas adições, apesar das criaturas serem versões repaginadas de adversários de outros game da série. Já os mapas são uma faca de dois gumes: mais vastos (porém ainda cheios de perigos), eles acompanham bem a progressão do episódio e são bem construídos. Por outro lado, a repetição de caminhos entre Claire e Barry, por mais que seja justificável, é exagerada e torna-se cansativa neste segundo episódio. Pelo fim do episódio, é possível que isso não se repita nos demais, o que já é uma boa notícia.

Alguns pontos negativos do primeiro capítulo permanecem, como a ausência de co-op online e a falta de puzzles. As legendas em português continuam de má qualidade e, para piorar, podem comprometer até a jogatina por conta de traduções mal feitas. Os mesmos erros do primeiro capítulo obviamente permanecem, como a ausência de um cooperativo online (a ausência do offline para PC enfim foi corrigido).

Já com dois episódios sólidos, Revelations 2 prova cada vez mais que, mesmo não tendo gráficos de ponta e apresentando problemas pontuais, é um jogo a ser contemplado.

80 pc
Ótimo
"O capítulo apresenta alguns defeitos a mais que o primeiro, mas as qualidades estão mantidas e a história não para de melhorar."

Pontos Positivos

  • O final. Que final!
  • Trama bem desenvolvida e no ritmo certo
  • Novos mapas e inimigos de qualidade

Pontos Negativos

  • Cenários revisitados demais
  • As legendas em português conseguiram piorar

Outras Plataformas

80 ps3
80 xbox-360
80 ps4
80 xbox-one