Análise de Resident Evil: Revelations Unveiled Edition

Resident Evil de verdade, agora na sua televisão [vídeo]

Videoanálise


Há pouco mais de um ano, Jill Valentine e Parker Luciani eram enviados a bordo do Queen Zenobia. A missão era resgatar um desaparecido Chris Redfield e protagonizar o que acabaria se tornando um dos melhores games da série Resident Evil. Agora, tudo isso volta à tona e ao alcance de todos, em versão HD e para todas as plataformas de mesa da atual geração.

Na tentativa de reverter alguns dos fracassos recentes da franquia e tirar o gosto amargo da boca dos fãs, a Capcom decidiu, justamente, atender aos desejos deles. Resident Evil: Revelations volta ao mercado em uma nova versão, com extras exclusivos e o tratamento que sempre mereceu. Terror, seja bem-vindo de volta. Nós estávamos com saudades.

Resident Evil: Revelations é um título recomendado principalmente para aqueles que andam descontentes com os rumos da franquia ou do terror no vídeo game de forma geral. É um título que traz todas as sensações que tornaram a franquia um sucesso no passado, ao mesmo tempo em que faz uso dos potenciais avançados da atual geração e todas as novas possibilidades de jogabilidade.

A compra pode não compensar apenas para quem já virou o game para Nintendo 3DS do avesso – principalmente se você adquiriu o console pensando apenas nele. Nesse caso, os personagens e dificuldades inéditas disponíveis podem não ser incentivo o bastante para adquirir o game mais uma vez.

A Capcom já afirmou que Resident Evil: Revelations pode acabar ditando os rumos da franquia para o futuro. É uma perspectiva interessante. Se depender deste game, a série tem tudo para voltar a seus tempos de glória. Apague as luzes. You have once again stepped into the world of Survival Horror.

Game cedido pela Capcom.

Mate a saudade

Resident Evil: Revelations é um contraponto a seu irmão maior, RE6. A ação desenfreada e os personagens superpoderosos são substituídos por protagonistas ainda habilidosos, mas que se veem em desvantagem diante da ameaça biológica que ameaça o mundo. É uma mudança total na dinâmica e um retorno às origens da saga.

Img_normal
Em diversos momentos, você se verá caminhando por corredores escuros e vazios. Em outros, a tela é inundada por inimigos que atacam por todos os lados e deixam o jogador sem saída. E em absolutamente todos você estará tenso e vulnerável, pensando se o melhor é atirar ou correr. Exatamente como nos clássicos games do PSOne.

Ao longo do game, é possível perceber diversas referências aos títulos clássicos, como a mão decepada segurando uma arma ou o enigma que prende uma escopeta à parede. Baús, que antes abrigavam itens, servem agora como pontos para melhoria de armas. E como não se lembrar da clássica mansão com os luxuosos corredores do Queen Zenobia?

É aqui que está ponto mais forte de Resident Evil: Revelations e um dos principais motivos pelos quais o relançamento para consoles de mesa foi a melhor decisão que a Capcom já poderia ter tomado para o game. Não que ele seja ruim no 3DS, muito pelo contrário. Mas mais pessoas merecem ter acesso a essa pérola da franquia.

Um pequeno entre gigantes

Img_normal
Resident Evil: Revelations é um dos jogos mais bonitos já produzidos para um console portátil. E, em sua remasterização, não deve nada a muitos games produzidos já com os atuais consoles de mesa em mente. Nesse quesito, o tratamento em HD mostra ainda mais a qualidade do título original.

Quando se pensa que estamos diante de um game produzido para um portátil, impressiona a qualidade das texturas e a quantidade de detalhes que, muitas vezes, nem mesmo poderiam ser percebidos na pequena tela. São pequenas minúcias como papéis espalhados pelo chão, marcas de sangue nas paredes e outros aspectos que mostram o cuidado dos desenvolvedores com o título.

Em nossa análise original, a compressão extrema aplicada sobre as cutscenes foi um dos pontos negativos citados. Aqui, porém, elas aparecem em todo o esplendor proporcionado pela alta definição, sem marcas de renderização. Ainda, um efeito foi aplicado sobre as imagens, deixando-as com cara de pinturas e tornando todas as cenas muito mais bonitas. O destaque vai para a animação/reportagem que resume a história da cidade flutuante de Terragrigia.

Quase um seriado

Devido ao aspecto portátil do original, esta nova versão apresenta um formato episódico, com capítulos curtos e divisões bem marcadas entre eles. A sensação de estar assistindo a uma série de televisão é ainda mais fortificada pelas aberturas de cada trecho, durante as quais você fica sabendo o que aconteceu “anteriormente, em Resident Evil: Revelations”.

Img_normal
Isso também permitiu que o roteirista apresentasse uma trama com diversos núcleos, meia dúzia de protagonistas e eventos que acontecem ao mesmo tempo ao redor do mundo, no passado ou no presente. Assim, você é levado dos porões do Queen Zenobia até Terragrigia, para desembarcar na Finlândia ou em uma praia do Mar Mediterrâneo logo depois.

Nada melhor do que aproveitar tudo isso com as legendas em português brasileiro, outro destaque do relançamento. Mesmo assim, olho vivo. O jogo usa o sistema de episódios para gerar reviravoltas e diversos cliffhangers. É possível, até mesmo, que você não compreenda o enredo na primeira jogada, fazendo com que uma segunda seja necessária. Não que isso seja um sacrifício...

Tem para todo mundo

Img_normal
Mesmo voltando seu olhar para o passado, a Capcom não se esqueceu da nova leva de jogadores, acostumada com os shooters da atualidade e que, eventualmente, pode ter conhecido a série em Resident Evil 6. O modo de controles “Atirador” permite que os fãs da dupla de analógicos possam embarcar no game sem problemas.

Já os mais saudosistas podem utilizar os controles clássicos e passar pela aventura usando o conjunto de comandos de Resident Evil 5. As novidades, como o uso de itens de cura ou granadas com um único botão ou a possibilidade de andar e atirar ao mesmo tempo continuam presentes. Aqui, apenas são acessadas de uma maneira diferente.

A lembrança de outros perfis de público vem também com o Raid Mode, o único modo extra do título. Aqui, aos moldes de Mercenaries, você deverá matar o maior número de inimigos no menor tempo possível.

Quem está acostumado com a versão para Nintendo 3DS pode preferir o relançamento para o Wii U, que traz dinâmicas bem semelhantes. Aqui, a Capcom reformulou as interfaces de usuário para torná-las mais intuitivas, e elas aparecem de maneira muito relevante na telinha do GamePad. A troca de armas é facilitada, assim como o gerenciamento de munição e itens de cura. Já a TV fica totalmente livre de menus para exibir os belos visuais do título.

Não nega a origem

Apesar de extremamente bonito e muito bem produzido, Resident Evil: Revelations não nega suas origens como um game para console portátil, ou seja, uma plataforma de menor capacidade. Aqui e ali, é possível perceber pequenos detalhes que passariam despercebidos na pequena tela, mas que gritam na nossa cara nas televisões de alta definição.

Img_normal
Não são raros os inimigos ou personagens que atravessam paredes. Uma TV maior possibilita uma melhor precisão, mas, muitas vezes, você verá seus tiros batendo em um corrimão ou barreira mesmo com você claramente mirando acima deles. Ainda, muitas das cenas do game apresentam graves rasgos, os famigerados screen tearings.

Não são defeitos que tornam o game horrível, mas sim aspectos que não passarão despercebidos aos olhares mais atentos. Temos apenas uma remasterização em mãos, mas, ainda assim, esses elementos poderiam ter recebido mais cuidado em sua conversão.

Cego e louco

Img_normal
Apesar de ser um jogo cuja campanha é essencialmente single player, em diversos momentos você se verá acompanhado de um parceiro. E, também, se irritará com ele. Nos momentos mais cruciais, como as batalhas contra chefes, dá vontade de dar um tapa na cara do sujeito que fica atirando no próprio pé em vez de disparar contra o inimigo gigantesco que está logo à frente.

Pelo menos, aqui não dependemos do companheiro para recuperar nossa vida nem temos que ficar gerenciando a munição dele. Já que é assim, então faça de conta que o amigo não existe e siga em frente como se estivesse sozinho.

92 pc
Excelente

Outras Plataformas

92 ps3
92 xbox-360
92 wiiu