Harry Mason e sua filha estão mais perdidos do que nunca!

Sejamos diretos: esta versão de Silent Hill para PSP não é para todos. A tensão característica da série retorna, mas como não há qualquer tipo de arma ou objeto com que se possa eliminar oponentes, muitos poderão sentir falta da ação — mesmo que esse nunca tenha sido o foco da jogabilidade na franquia. De qualquer modo, o jogo é sólido.

Fãs da franquia reconhecerão imediatamente a ambientação, já que estamos falando de Harry Mason em busca de sua filha após um acidente de carro que deixou suas memórias embaralhadas. A névoa e a neve retornam em peso para recriar o que foi visto pela primeira vez no jogo original da série — mas aqui a história é um tanto quanto diferente; embora não tenhamos a intenção de contá-la ou expor o final!

O game existe também para Wii, e embora os controles do console da Nintendo se emprestem bem ao título, o PSP também se mostrou adequado. Além disso, a experiência do jogo como um todo se revelou bastante interessante para um portátil — embora usar um fone de ouvido seja extremamente aconselhável para recriar a atmosfera de suspense de forma mais adequada; afinal de contas, um barulho repentino de buzina pode quebrar a imersão.

Com tudo isto em mente, pode-se dizer que o jogo é uma reinvenção do primeiro título da franquia, ao inves de um “remake”. E conseguiu reproduzir a experiência de forma bastante interessante e empolgante!

Silent Hill: Shattered Memories é sem dúvida alguma um título de qualidade, embora possua apelo a uma parte específica dos gamers. Sem ação, muitos deles poderão sentir falta de algo durante a jogabilidade. Os que preferem a parte da história e do suspense, no entanto, com certeza gostarão da experiência e a considerarão excelente.

A ambientação e a experiência remetem muito às partes de suspense e de terror do primeiro título da série, mas o tom da narrativa é algo novo, inovador e diferente. Vale a pena conferir o jogo de alguma forma, já que é impossível se decepcionar se você é fã do gênero. Silent Hill: Shattered Memories faz jus à franquia, ao mesmo tempo em que possui personalidade própria.

Suspense

A sensação de solidão que já se tornou marca registrada de Silent Hill retorna em grande estilo. Harry Mason perambula pelas regiões dentro e em torno da cidade de mesmo nome sozinho, na maior parte do tempo. Quando outros personagens aparecem, suas ações e comportamento são tão vagos e confusos quanto a situação em que o protagonista se encontra — o que constrói uma experiência fantástica.

O fato de não poder combater as criaturas que volta e meia aparecem também amplia a sensação de impotência perante o ambiente — e você sempre estará com o coração na mão quando a realidade alternativa que parece um pesadelo surge. Fugir é a única opção, mas isto não significa que se trata de uma tarefa simples ou que você não será pego. A tensão está sempre no ar.

Variado

Iluminar objetos e lugares não é a única coisa que se pode fazer neste jogo. Você deve frequentemente mover objetos, destravar portas e janelas e outros pequenos mini games. Tudo para diversificar a experiência e alternar os momentos de suspense e terror com outros de melancolia e tranquilidade.

O consultório do psicólogo, no qual você se encontra já no começo do game, é algo especial. As respostas que você dá às perguntas dele influenciam o resultado do jogo. Já no início ele também pede que você dê cor à figura de uma casa, o que proporciona alguns resultados impressionantes — que deixaremos que você descubra!

Trilha sonora

O som deste título é simplesmente o cerne da experiência. Enquanto os gráficos não são de ponta — mas também não são ruins, servem seu propósito — a trilha sonora é simplesmente envolvente. Jogar sem som e jogar com som faz com que você tenha a sensação de estar com dois jogos diferentes em mãos.

Os sons realmente fazem toda a diferença desta vez, e isto não é exagero. As batidas por minuto do seu coração aumentarão de acordo com a faixa sendo tocada, que se adequa perfeitamente a cada uma das ocasiões e situações em que Harry Mason acaba se metendo.

Provocando a mente

A história é intrincada e deve-se prestar atenção para entendê-la, mas a constante provocação por parte do jogo para que você imagine o que vem a seguir é extremamente interessante. Quem é essa pessoa que você acabou de encontrar? Isto é real ou minha imaginação? Por que este psicólogo é tão estranho? Tudo leva o jogador a tentar resolver os problemas antes mesmo que eles ocorram — e quando a solução aparece, ela é, quase sempre, totalmente inesperada.

Cenário familiar

Para os fãs da série, será agradável visitar novamente a região da cidade de Silent Hill, sendo que os personagens familiares estarão presentes. No entanto, mesmo que existam vários elementos já vistos anteriormente, eles não parecem repetitivos ou monótonos — a experiência como um todo parece renovada e dá vontade de explorar cada canto do município.

Point and click

No caso do PSP, a sensação que se tem, em vários momentos, é a de jogar um daqueles títulos “point and click”, de investigação. O que não é ruim, já que isto não é predominante e se encontra intercalado com várias outras formas de jogo que fazem da experiência algo bastante variado — como já comentamos acima.

É preciso prestar atenção em vários detalhes do cenário para conseguir progredir e em alguns momentos o jogador parece estar em um verdadeiro jogo de quebra-cabeças.

Impossibilidade de entendimento

Encontramos um desafio que os jogadores brasileiros simplesmente não conseguirão decifrar. É um momento em que deve-se descobrir um número e digitá-lo no celular para fazer uma ligação. No entanto, é preciso colocar o prefixo 555 antes do número — algo largamente utilizado nos Estados Unidos para números de telefone fictícios. Algo que a grande maioria de nós, brasileiros, nunca imaginaria.

Cenas de fuga

Uma crítica simples a elas: a impossibilidade de abrir o mapa enquanto se corre. O que custaria deixar que olhássemos o telefone durante a perseguição? Sem ele, fica muito difícil saber para onde ir, o que torna a coisa toda um tanto quanto estranha — afinal de contas, é preciso abrir o telefone rapidamente para olhar o mapa em vários momentos, deixando que os bichos te alcancem.

Falta de strafe

Enquanto que no Wii o jogador controla a lanterna utilizando o Wii Remote e a movimentação através do Nunchuk, no PSP é preciso segurar o botão superior direito para ativar a movimentação da fonte de luz. Assim, a movimentação fica um pouco mais estranha, especialmente no que diz respeito às curvas — algo que poderia ser solucionado através de algum tipo de movimentação lateral por parte do personagem.

87 wii
Ótimo

Outras Plataformas

80 psp