A dura vida de um franco-atirador

A Segunda Guerra Mundial está chegando ao fim. Os alemães estão recuando perante o avanço das tropas aliadas e têm como último recurso os precisos misseis V2, que podem representar a última vantagem para os nazistas. Mas eles não são os únicos que estão de olho nessa tecnologia.

Na pele de um franco-atirador enviado sozinho para Berlim, sua missão é localizar cientistas envolvidos nas pesquisas armamentistas do Terceiro Reich. Para avançar, nada de dar uma de Rambo e sair atirando por aí. O objetivo é ser furtivo, utilizando posições privilegiadas para matar seus inimigos sem ser detectado.

Img_normal
Para jogar Sniper Elite V2, você precisa ter bastante paciência. A representação extremamente fiel da Berlim de 1945, os gráficos bonitos e o áudio apurado, infelizmente, acabam maculados por uma dificuldade punitiva e bugs que quebram a seriedade da experiência.

É uma pena, já que o título da Rebellion é uma ideia que poderia gerar ótimos frutos se bem desenvolvida. A dinâmica não é inovadora, claro, mas a utilização das imagens em câmera lenta e a grande variedade de caminhos possíveis a transformaram em algo extremamente interessante. Pena que, na realidade, essa guerra não é bem lutada.

Sinta-se em meio à guerra

Sniper Elite V2 não é um jogo fácil e boa parte de sua dificuldade decorre da abordagem extremamente realista do título. Elementos como a distância até os inimigos e o vento, nas dificuldades mais altas, devem ser levados em conta na hora do combate. A ideia é passar uma experiência mais próxima da realidade.

O protagonista do game também não é nada resistente e, assim como qualquer pessoa comum, pode morrer com apenas alguns ferimentos. Sendo assim, o jogador deve tomar cuidado extremo, procurando andar sempre abaixado e calculando precisamente cada disparo, já que o som de um tiro mal colocado pode revelar sua posição para os inimigos.

Img_normal
Itens como minas terrestres, granadas, armadilhas e até pedras podem ser usados para atrair ou distrair os inimigos. Caso você seja localizado, tais artigos se mostrarão muito providenciais, pois atrasarão o ataque alemão enquanto você procura um novo esconderijo para continuar avançando pelos cenários.

O som também será seu aliado nessa batalha. Quem tem um sistema sonoro potente em casa ou utiliza bons fones de ouvido poderá distinguir exatamente a localização de cada inimigo por meio do som de passos, tiros e gritos. A trilha sonora, apesar de repetitiva, também funciona para pontuar os momentos tensos ou indicar que o caminho está livre.

Violência gráfica

Para gratificar quem faz bom uso de seu rifle e dá tiros certeiros, Sniper Elite V2 conta com um sistema extremamente gráfico para mostrar os danos sofridos pelo inimigo. Lembra-se dos X-Ray Attacks de Mortal Kombat? Então, a mesma coisa acontece aqui, com uma cena em câmera lenta que mostra a trajetória das balas pelos órgãos internos dos oponentes.

Isso se traduz em ossos quebrados e pedaços do crânio e miolos voando por todos os lados. O recurso mostra ainda mais um cuidado da Rebellion com detalhes, já que a bala sofre uma deformação assim que atinge seu alvo, ficando alojada no corpo dos inimigos ou atravessando-os e saindo como um pedaço de metal amassado do outro lado.

Pesquisa que vale a pena

Img_normal
Se você procura um game que passe a sensação de como é estar no meio de um dos maiores conflitos armados da história, Sniper Elite V2 é uma boa escolha. Os desenvolvedores da Rebellion parecem ter passado muitos dias debruçados sobre os livros de pesquisa e entregam ambientes fieis à Berlim da época, além de uniformes e comportamentos que condizem aos dos soldados nazistas.

Todos falam um alemão perfeito quando gritam orden, chamados e provocações em busca do protagonista. Jogar o game sem legendas que traduzam o idioma amplia ainda mais a sensação de desafio e é um importante elemento na ambientação.

Mais frustrante do que desafiador

Todo o realismo proposto por Sniper Elite V2 acaba se tornando uma pedra no sapato dos jogadores quando o próprio sistema do game é utilizado contra eles. A fidelidade extrema às leis da física e a atenção constante dos soldados inimigos acabam gerando um ciclo que dificulta absurdamente a jogabilidade.

Atirar, por exemplo, chama a atenção dos oponentes devido ao som do disparo. Isso acaba atraindo-os para a sua localização. Uma vez encontrado pelos alemães, porém, você dificilmente conseguirá fugir, já que basta encontrar um novo esconderijo e expor-se para atirar para receber uma saraivada de balas em sua direção. E se conseguir escapar, adivinhe: basta mais um tiro para tudo começar de novo.

Img_normal
Isso sem contar a grande quantidade de soldados que aparecem nos momentos de maior tensão, quando o protagonista é localizado. Se você utilizar seu rifle para mirar à distância, verá inimigos surgindo, literalmente, do nada, em um popin que sempre trabalha contra o jogador.

Tal problema não é tão gritante em cenários abertos, nos quais existe uma grande variedade de esconderijos e caminhos para serem seguidos. Nas fases fechadas – como a segunda, que se passa dentro de uma fábrica de montagem de mísseis V2 – a punição é extrema e, na maioria das vezes, você conseguirá avançar devido a falhas na inteligência artificial e não por sua própria habilidade.

O resultado disso tudo é uma grande frustração e pouco incentivo à exploração de estratégias diferentes, já que o comportamento dos oponentes é errático e a quantidade deles sempre é desconhecida. Em Sniper Elite V2, é assim: caso você não consiga passar pelos cenários sem ser detectado, é melhor se preparar para sofrer muito ou voltar ao último checkpoint para evitar o incômodo.

Sozinho no mundo

Img_normal
O sistema de criação de partidas de Sniper Elite V2 pode dar ao jogador a impressão de que ele é o único no mundo rodando o game. Isso, porém, não é verdade e a dificuldade para encontrar parceiros online é fruto de uma péssima programação do modo multiplayer e não da ausência de usuários.

E quando finalmente você consegue encontrar um grupo e iniciar uma rodada virtual, tudo o que se vê são personagens travados e um sistema de renascimento pouco refinado, fazendo com que jogadores ressurjam ao lado de inimigos ou presos no interior de paredes de concreto. Isso sem falar no lag constante que permeia toda a experiência, algo inaceitável em um game que tem a precisão como elemento principal.

Mas já bugou?

Durante nossas análises, nos deparamos com um glitch logo nos primeiros minutos do tutorial, quando após a colocação de uma mina, o jogo simplesmente não indicava o caminho a seguir. Além do já citado popin de exércitos de inimigos, Sniper Elite V2 está cheio de pequenos bugs.

São inimigos que tentam chegar até o jogador e correm em direção a portas fechadas, oponentes que enxergam o protagonista mesmo estando de costas ou tiros claramente certeiros que insistem em não matar os adversários. Sinais de que todo o cuidado investido pela Rebellion no realismo e detalhes não se refletiu também na programação de Sniper Elite V2.

68 pc
Regular

Outras Plataformas

68 ps3
68 xbox-360