Aprenda a balancear a ganância e a sobrevivência

Apesar de parecer bastante simples à primeira vista, Spelunky é um jogo de exploração bastante complexo e que exige muita dedicação do jogador antes de ser dominado. Originalmente lançado como um jogo gratuito para Windows em 2009, a versão atual do game foi lançada para o Xbox 360 em 2012 e no ano seguinte para PC, PlayStation 3 e PlayStation Vita.

No game, o jogador assume o papel de um explorador que adentra estranhas e misteriosas ruínas. Divididas em níveis, estas ruínas oferecem diferentes desafios a cada novo andar encontrado pelo explorador, que é bastante frágil e deve tomar cuidado com os diferentes oponentes e as armadilhas presentes no caminho.

Antes de adentrar o local pela primeira vez, um diário de um antigo aventureiro ainda ajuda o jogador a se situar. “Essas ruínas são misteriosas e as paredes parecem sempre mudar de lugar. Além disso, uma estranha maldição parece agir neste local, fazendo com que, independentemente do quanto eu me machuque, eu sempre acorde no início das ruínas”, dizem as páginas do diário, brincando com os infinitos continues necessários para avançar no game e com o fato de cada estágio ser gerado aleatoriamente a cada nova partida.

Com a saída sempre bloqueada, não resta outra opção senão seguir sempre em frente em busca dos tesouros escondidos nas profundezas das ruínas. Será que você conseguirá quebrar a maldição de Olmec ou estará condenado a se perder eternamente nos cenários que não param de mudar?

Spelunky é mais um daqueles jogos que mostram por que os desenvolvedores independentes estão em alta. Disfarçado como um jogo simples de plataforma 2D, o game esconde uma imensidão de detalhes e segredos que boa parte dos jogadores deve levar horas para descobrir.

Com isso, além de desafiador, Spelunky também distribui bem as suas recompensas a cada vez que o jogador consegue contornar um obstáculo que o derrubou anteriormente. Antes dos primeiros avanços, no entanto, é bom se preparar para sofrer bastante com a alta dificuldade do título. Desse modo, se você não tem paciência ou tempo para dedicar-se ao game, é bem provável que Spelunky acabe se revelando uma experiência frustrante. Caso esse não seja o caso, divirta-se e, antes de xingar o jogo na sua primeira (ou centésima) morte, lembre-se: eu avisei.

O tutorial de Spelunky pode ser facilmente completado em bons cinco minutos. Nele, o jogador é capaz de aprender as mecânicas básicas de jogo. Aperte este botão para atacar com seu chicote, este outro para saltar e este para correr. Quando correndo, você pode saltar mais longe e ignorar buracos menores. É possível juntar itens do chão e arremessá-los contra inimigos. Por fim, outros dois botões permitem que você arremesse bombas e fixe cordas para escalar grandes obstáculos – mas estes são recursos escassos que devem ser usados com cautela, uma vez que nem sempre é fácil renová-los.

Nestes cinco minutos, o jogador já consegue aprender essas mecânicas básicas que serão de grande serventia durante a aventura. No entanto, há muito mais em Spelunky além dessas simples observações. Desse modo, quando seu aventureiro passar por uma armadilha asteca na parede pela primeira vez, prepare-se para receber uma flechada que o arremessará para longe, além de nocauteá-lo por alguns segundos e consumir boa parte dos seus limitados pontos de vida.

Na segunda vez (ou talvez um pouco depois), quando você perceber que a armadilha é ativada por movimento, poderá atravessar esse obstáculo com certa facilidade ao atirar alguma pedra ou ao atrair um oponente desavisado para frente da armadilha. Este, no entanto, é apenas um pequeno detalhe e o aprendizado do jogador está apenas no começo.

Em seguida, o jogador deve passar a levar em consideração também que as aranhas esperam você passar por debaixo delas para atacar, que os potes de cerâmica podem esconder inimigos dentro, que algumas caveiras encontradas pelo caminho voltam à vida e o atacam... E tudo isso são apenas detalhes que você deve aprender no primeiro dos quatro mundos do jogo (desconsiderando um quinto secreto ainda mais difícil que, confesso, ainda não consegui alcançar).

Ainda que o jogador retorne para o início do jogo a cada vez que morre, perdendo tudo o que foi conquistado na última partida, isso não é de todo ruim. Da mesma forma que Rogue Legacy permite que seus jogadores retornem mais fortes a cada novo jogo, Spelunky também realiza algo parecido. Contudo, em vez de aumentar atributos do personagem (inexistentes aqui), o game recompensa o jogador com o conhecimento obtido na sua última aventura. Assim, a cada nova partida, você passa a tomar mais cuidado em relação àquilo que o matou da última vez.

Além disso, também há muitos elementos em Spelunky não explicados pelo jogo e cuja função deve ser descoberta por meio do velho ritual de tentativa e erro. A primeira vez que o jogador encontrar um crânio dourado na fase, ele poderá se sentir tentado a roubá-lo. Faça isso e prepare-se, uma vez que um grande pedregulho à la Indiana Jones será lançado pelo cenário, podendo aniquilar de uma vez qualquer explorador incauto. Chegue até o final com o artefato para ser recompensado com $ 10 mil (uma quantia bastante razoável dentro do game).

Por outro lado, caso o jogador decida oferecer o artefato em um dos altares da deusa Kali encontrados pelo caminho, a recompensa é um pouco diferente: um macaco dourado que defeca pepitas de ouro de tempos em tempos. Será que esse é um “investimento” melhor? Será que os altares contam com outros usos além desse? Para encontrar essas respostas, só investigando as ruínas cada vez mais a fundo para descobri-las com a sua própria experiência.

Desafio diário

Além do modo clássico – que permite que o jogador tente explorar todos os níveis para coletar o maior número de recompensas antes de enfrentar Olmec –, um desafio diário foi introduzido na versão para PC. Nele, os jogadores podem acessar todos os dias um mesmo conjunto de níveis organizados da mesma maneira para todos. Desse modo, toda a comunidade pode competir diretamente entre si para ver quem consegue a maior pontuação dentro dos mesmos parâmetros. Cada desafio só pode ser jogado uma única vez, sendo uma boa forma de verificar como está o seu desempenho em comparação com outros jogadores.

Além do modo clássico, em que os jogadores devem enfrentar todos os perigos das ruínas sozinhos, o game também conta com alguns modos multiplayer para até quatro jogadores. Neles, é possível encarar o desafio da jornada até Olmec cooperativamente ou então competir entre si dentro de um cenário para ver quem é o último a sobreviver.

Enquanto o modo cooperativo consegue ser bastante interessante por permitir que você se aventure pelo jogo principal com a ajuda de até três amigos, o fato de o jogo oferecer apenas multiplayer local limita um pouco a experiência, uma vez que todos os jogadores devem lutar para permanecer na mesma tela. Enquanto isso, o modo competitivo sofre com a falta de propósito e a falta do grande número de novidades e desafios sempre presente no single player. Assim, enquanto as duas modalidades certamente não são ruins, elas com certeza são inferiores a campanha principal.

Por fim, a altíssima curva de aprendizado do game (que é mais um daqueles fáceis de aprender, mas difíceis de serem dominados) pode espantar jogadores impacientes ou que não queiram dedicar muitas horas em um único jogo. Assim, se você está procurando um título acessível, é bom tomar cuidado ao considerar Spelunky.

90 pc
Excelente