O Battle Royale que sempre sonhamos

Videoanálise

Atualmente uma das franquias de maior sucesso da Nintendo, Super Smash Bros. cresceu para se tornar um grande fenômeno. Embora com uma proposta muito diferente daquela a que estamos acostumados para o gênero de luta, a série acabou conseguindo uma legião de fãs que gostam do conceito de batalhas mais descontraídas e, é claro, de jogar com seus personagens favoritos da Big N.

Tudo isso não veio sem seus tropeços, no entanto. Super Smash Bros. Melee, para GameCube, foi duramente criticado por novatos como sendo difícil demais por sua velocidade exagerada e suas mecânicas que desequilibravam o jogo para o lado dos “profissionais”. Já Super Smash Bros. Brawl seguiu o caminho oposto: as partidas ganharam um ritmo mais lento e uma jogabilidade simplificada, que acabou por desagradar muitos veteranos.

Já o novo capítulo da série quer agradar a gregos e troianos. Diferente de seus antecessores, Super Smash Bros. vem trazer uma experiência mais equilibrada em termos de ritmo e jogabilidade; aquele conhecido ditado do “fácil de aprender, difícil de virar mestre”. Será que a Nintendo conseguiu tal façanha?

Em resposta a isso, temos a versão para 3DS, lançada um mês antes de seu irmão no console: esta conseguiu nada menos que uma nota 90 em nossa análise. Mas agora chegou a vez do game no Wii U – e aqui é que a Big N promete mostrar por que o novo capítulo da série realmente veio.

Pancadaria em seu auge

Não é preciso muito para ficar bem claro que o que a Nintendo nos prometeu é verdade. Para começar, o visual do novo Super Smash Bros. para Wii U é simplesmente impressionante, provando novamente que um trabalho de arte bem feito supera qualquer limitação de hardware, o game está entre os mais bonitos da geração e do console.

Há exemplos de sobra no game como prova desse aspecto. Os modelos de personagens e os cenários são absurdamente detalhados, abusando de cores vibrantes, enquanto os golpes trazem efeitos ainda mais espalhafatosos e exagerados do que já havíamos visto. E tudo isso a 1080p e 60 quadros por segundo, para deixar a briga ainda mais bonita.

Dando um toque extra de nostalgia, temos uma biblioteca enorme de músicas, vindas dos mais variados games da Big N. Mais uma vez, esse aspecto é um show à parte: centenas de trilhas clássicas se combinam a versões remixadas de canções famosas, superando com facilidade o já impressionante trabalho sonoro visto em Brawl. Acredite, veio a calhar presença de um menu só para ouvir essas músicas, pois muita gente vai querer gastar algumas horas aqui.

As novidades não ficam apenas na parte estética, é claro. Super Smash Bros. também trouxe uma enorme melhora na jogabilidade da série – agora o game não é nem rápido demais como em Melee, nem lento como Brawl. Junte isso à maior lista de lutadores de qualquer outro SSB (são quase 50 personagens) e, como resultado, jogar este título se mostrou a experiência mais agradável vista na franquia até o momento.

Mesmo se você for dos mais puristas da série, não há com o que se preocupar: o cerne do game continua com aquela mesma jogabilidade simples, cujo objetivo é arremessar o inimigo para fora da tela. Os personagens ainda trazem golpes baseados em habilidades clássicas de seus jogos; itens icônicos de títulos da Nintendo ainda chovem na arena durante a partida para mudar completamente o balanço da batalha... Bem, você entendeu a ideia.

A única diferença é que, graças a alguns ajustes, jogar se tornou uma experiência mais fluida e divertida.

Brigas para todos os gostos

Além da jogabilidade melhorada, a Nintendo apostou pesado em trazer muito, mas muito mais conteúdo do que jamais havíamos visto na série de Super Smash Bros. E isso não se limita aos já conhecidos trophies e outros colecionáveis, mas a uma extensa lista de modos de jogo recém-chegados à franquia.

Juntando-se ao já enorme número de modos presentes nos games anteriores, temos adições como o Target Blast, o Smash Tour e as Special Orders. Todas elas funcionam muito bem e ajudam a expandir a variedade da jogatina em Super Smash Bros., o que se mostra um dos pontos mais fortes para quem vem acompanhando a franquia pelos anos.

Smash Tour mais parece uma partida de Mario Party, mas é um dos novos modos do game.

Os modos antigos do game também passaram por alterações consideráveis, que dão um frescor à experiência. Se você estava esperando passar, por exemplo, pelo clássico (com o perdão do trocadilho) modo Classic, prepare-se para muitas mudanças – no lugar de uma sequência simples de batalhas, tudo ocorre de maneira bem diferente, que certamente vai resultar em surpresas divertidas.

Para jogar com todos os amigos. Ao mesmo tempo.

Com tudo isso, as mudanças em Super Smash Bros. para Wii U já seriam mais do que suficientes para impressionar qualquer um. Mas o fato é que muitos desses modos costumam ficar de lado rapidamente: convenhamos que, por mais divertido que seja uma partida do modo Classic, repetir o mesmo processo com cada um dos lutadores, sozinho, só para conseguir um troféu, acaba perdendo a graça.

A solução? Adicionar o multiplayer presencial em praticamente todos os modos do game. Agora podemos jogar partidas no Classic, All-Star, Home-Run Contest, Target Blast, Multi-Man Smash e até nos Events, em duas ou, em alguns casos, mais pessoas; isso tanto de maneira cooperativa quanto competitiva.

Pode parecer uma mudança pequena, mas acredite – a diferença é enorme. Graças a isso, você não fica mais limitado às partidas no modo básico de luta quando está com os amigos, podendo aproveitar praticamente tudo o que há no novo Super Smash Bros. Ao mesmo tempo, a jogabilidade cooperativa adiciona uma camada extra de complexidade às suas estratégias.

Cenários como o Temple foram adaptados especialmente para oito jogadores.

E o que dizer, então, do modo de batalhas para até oito personagens? Não há como negar que essa é uma das melhores e mais absurdas propostas já trazidas para a série – quem participou de algumas partidas entre quatro jogadores certamente sabe o quão caótica a pancadaria pode se tornar ao dobrar o número de participantes. Algumas limitações, como menos itens aparecendo ou a possibilidade de lutar apenas nas maiores fases, são inevitáveis, mas a diversão de brigar com tanta gente compensa fácil.

“E o multiplayer online?”

Já que estamos falando sobre batalhas contra outros jogadores, é hora de responder aquela fatídica pergunta que tanto assombra quem jogou o game no 3DS ou seu antecessor do Wii: o multiplayer online funciona bem? Felizmente, sim.

Lembra-se daqueles erros constantes, tempos de espera absurdos e lags que tornavam as partidas impraticáveis na versão do game para portáteis? Pode esquecer tudo isso no Wii U. Em nossos testes, a maior parte das partidas correu sem grandes problemas – havia uma engasgada aqui e ali, principalmente durante os primeiros segundos, mas a batalha rapidamente seguiu fluindo normalmente.

Com isso, temos a chance de tirar todo o proveito dos modos oferecidos por Super Smash Bros. na jogatina online. Isso inclui uma das novidades que mais devem agradar aos fãs da série: a separação das partidas nas categorias “For Fun” e “For Glory”.

A primeira, focada em uma jogatina exatamente como no multiplayer offline, tem itens, personagens customizáveis e cenários normais. Já a outra categoria se limita a uma partida sem itens e em arenas compostas apenas de uma enorme plataforma reta, de maneira que os jogadores profissionais podem ter uma disputa mais equilibrada. Como resultado, você pode ter o tipo exato de experiência que procura no game.

Criando sua batalha dos sonhos

Jogar todos esses modos traz recompensas bastante interessantes. Isso porque, em Super Smash Bros., o sistema de customização de personagens recebeu uma dose agressiva de esteroides. E como isso funciona? Simples: itens adquiridos durante suas partidas podem ser usados para melhorar os atributos de seu personagem, além de mudar as habilidades por versões alternativas de seus golpes.

Isso permite, por sua vez, a criação de verdadeiras aberrações, como um Ganondorf tão veloz quando Sonic ou um Diddy Kong com golpes mais poderosos que os de Donkey Kong. Pois é, as possibilidades são inúmeras, limitadas apenas pelos itens que você já coletou.

Não limitando-se a isso, a Nintendo também veio com um modo muito mais divertido e intuitivo de criação de mapas, em que você projeta as arenas que sempre imaginou. Se antes a ferramenta era um tanto limitada de usar, agora tudo ficou incrivelmente intuitivo, graças ao Gamepad – basta, literalmente, desenhar as plataformas na tela. Não tem como ser mais simples.

Smash Bros. no Wii U: maior em todos os sentidos

Por fim, não há como deixar de abordar algo que muitos de nossos leitores devem estar se perguntando – se há alguma diferença “verdadeira” entre o game no Wii U e no 3DS. A resposta para isso é: “sim”. Está bem, ambos os games trazem o mesmo elenco de personagens e os mesmos golpes e itens; muitos dos modos de jogo e mapas, no entanto, são completamente distintos, o que muda toda a experiência em um título como este.

Pode-se dizer que, embora tenham os mesmos elementos-base, os dois Super Smash Bros. trazem propostas completamente opostas. Enquanto a versão do game para 3DS foca em uma jogatina rápida, com modos de jogo feitos para durar não mais do que alguns minutos (o que é perfeito para um portátil), o título no Wii U traz uma quantidade abusiva de conteúdo, em partidas com mecânicas mais desenvolvidas.

Se você duvida mesmo assim, vale notar que a Nintendo lançou o vídeo que pode ser conferido logo abaixo. Este mostra 50 diferenças entre as duas versões, que vão de pequenas mudanças estéticas até fatores que mudam por completo a experiência de jogo.

Vale a Pena?

Por mais que seja uma franquia aclamada, Super Smash Bros. sempre pareceu precisar de alguns pequenos ajustes para atingir a tão almejada perfeição – fosse em mais conteúdo, novas mecânicas ou na mudança no ritmo das partidas.

Dessa vez, todavia, parece que a Big N finalmente acertou a medida da experiência em todos os aspectos. Como resultado, temos um game que impressiona por uma apresentação impecável, uma jogabilidade equilibrada, uma quantidade absurda de modos a para jogar sozinho ou com os amigos e itens para coletar. Logo, esteja preparado para muitas e muitas dezenas de horas de muita diversão com este game.

E, para quem já tem o game para 3DS, pode dar uma chance para o Super Smash Bros. no Wii U sem medo. Os títulos servem praticamente como complemento um para o outro, funcionando com perfeição na plataforma onde foram lançados graças a modos de jogo que oferecem disputas completamente distintas.

100 wiiu
Supremo
"Super Smash Bros. não apenas traz novidades para a jogatina: ele melhora tudo o que já havia na série, fazendo ela mostrar todo o seu potencial."

Pontos Positivos

  • Jogabilidade intuitiva
  • Repleto de modos de jogo
  • Jogar em até oito amigos é incrivelmente divertido
  • Muito conteúdo a ser coletado