Análise de Super Street Fighter IV: Arcade Edition

Entre o DLC e a nova versão

Videoanálise

Depois de colocar os jogos de luta novamente no centro da atenção desta geração e de lançar uma atualização ainda melhor que o original, a Capcom mostra o que promete ser a edição definitiva do game estrelado pelos icônicos Ryu e Ken. Em Super Street Fighter IV: Arcade Edition, o estúdio traz para os consoles o conteúdo lançado com exclusividade nos fliperamas japoneses, como novos personagens e um balanceamento nas habilidades dos demais lutadores.

Além disso, ao contrário do que aconteceu em Super Street Fighter IV, Arcade Edition foi disponibilizado tanto como um game em mídia física quanto em um DLC para seu antecessor. Desse modo, quem já possui o jogo não precisa se preocupar com uma nova compra, pois basta baixar o material adicional para ter acesso ao aprimoramento de vários recursos de jogabilidade.

Img_normal

Por ter sido lançado tanto como conteúdo adicional quanto em mídia física, Super Street Fighter IV: Arcade Edition transita entre as duas nomenclaturas. Se você já é um velho conhecido do mundo das lutas e possui a versão mais recente do game, o DLC adiciona novos recursos que ampliam o game, mas sem o mesmo impacto da última atualização.

Img_normal
No entanto, se este é seu primeiro contato com o título, todas as características principais de SSF IV continuam, pois se trata do mesmo título, com apenas algumas alterações. Sob esse aspecto, o jogo é igualmente fantástico ao seu antecessor. Para os jogadores de PC, Arcade Edition é imperdível por ser inédito na plataforma.

Em relação aos consoles, o único ponto que deve ser ressaltado é o custo-benefício. Como é possível adquirir o jogo de duas maneiras, é muito mais válido comprar a versão anterior e baixar o DLC via PSN ou LIVE, já que o preço de um game presente há mais de um ano no mercado é muito menor do que o de um recém-lançado.

Novos competidores

É inegável: falar de Super Street Fighter: Arcade Edition é apresentar os novos personagens, pois eles foram o principal motivo que fizeram a Capcom lançar esta versão. Isso porque eles foram adicionados com exclusividade nos fliperamas japoneses, o que causou certa indignação entre os usuários dos consoles.

Sendo assim, agora é possível jogar com os irmãos Yun e Yang, de Street Fighter III, e dos demoníacos Evil Ryu e Oni, a forma mais poderosa de Akuma. Além de elevar a lista de lutadores a 39, a adição também traz algumas mudanças na jogabilidade por conta das características diferenciadas de combate de cada estreante.

No caso da dupla chinesa, por exemplo, o grande foco é a agilidade. Com movimentos rápidos, é possível acertar os adversários sem que eles tenham tempo de revidar, permitindo que você crie combinações poderosas. Em compensação, essa vantagem é equilibrada pela pouco dano causado por estes ataques.

Já Evil Ryu e Oni são o extremo oposto, com golpes muito mais fortes e uma quantidade menor de energia. Dominados pelo Hado do mal, eles mantêm o estilo de suas formas clássicas e trazem apenas algumas alterações na execução de determinadas ações.

Aparando as pontas

Embora os quatro novos competidores sejam a grande atração de Arcade Edition, isso não significa que os demais personagens não tenham recebido a devida atenção. Isso porque a nova versão de Super Street Fighter IV traz mudanças significativas em todos os demais lutadores.

Img_normalEssas alterações podem até não ser tão perceptíveis aos olhos da maioria dos jogadores, mas aqueles que participam de campeonatos e veem o jogo com mais seriedade vão notar a diferença. Como vários ataques tiveram sua força alterada e modificações em seu funcionamento, houve um equilíbrio geral em todo o elenco do game.

No caso de Guile, por exemplo, o dano causado por seus Ultra e Super Combos foi reduzido. Já Ken teve um aumento no impacto de seu Shoryuken, mas o golpe ganhou mais alguns frames,deixando o personagem vulnerável por um tempo um pouco maior.

Como dito, todas essas mudanças podem passar despercebidas diante da maioria dos usuários, mas quem participa de competições irá perceber que as alterações mudaram completamente a forma de se jogar. A ideia da Capcom foi equilibrar as forças desses lutadores para que todos tenham níveis semelhantes de vantagens e desvantagens.

Img_normal
Vale a pena ver de novo

Ainda no campo dos jogadores mais competitivos, o Replay Channel também recebeu melhorias para ajudar na hora de elaborar táticas de combate. Com a adição do recurso que permite seguir certos usuários, Arcade Edition faz com que vídeos de lutas sejam enviados diretamente para seu perfil. Se você sempre quis saber como o lendário Daigo, o jogador mais famoso de Street Fighter, enfrenta seus adversários, saiba que agora é possível.

Não tão super assim

Img_normalEmbora Arcade Edition possa ser considerado como a edição definitiva do jogo de luta da Capcom, isso não significa que ele não tenha seus próprios problemas. Mesmo trazendo novos personagens e outras melhorias, a atualização não consegue superar as novidades de Super Street Fighter IV, ficando à sombra de seu antecessor.

Não que isso o torne ruim, mas em nível de quantidade de mudanças e do peso que essas alterações têm na jogabilidade, a nova versão não consegue empolgar da mesma maneira. Enquanto Super SF IV fez jus à nomenclatura e expandiu o universo do game, a edição para fliperamas apenas acrescenta alguns recursos sem o mesmo impacto.

Desse modo, enxergar Arcade Edition como um DLC se mostra mais coerente do que como um jogo inédito, pois se trata da mesma mecânica e com pouquíssimas inserções realmente significativas. Prova disso é a inexistência de Trials ou animações de rivais para os novos lutadores, assim como a falta de outros cenários.

95 pc
Excelente

Outras Plataformas

80 ps3
80 xbox-360