Capcom arrasa em uma das maiores e melhores atualizações já vistas na franquia

Não é novidade para ninguém que a Capcom é especialista em lançar revisões dos jogos da série Street Fighter. Isso começou com o segundo episódio — com versões Hyper, Turbo e algumas outras — e logo se estendeu para os demais capítulos. A linha Alpha e Street Fighter III, por exemplo, contaram cada um com três variações até chegarem ao nível desejado pela desenvolvedora.

Com Street Fighter IV a história não é diferente. Depois de praticamente um ano de preparação, Super Street Fighter IV finalmente chega às lojas, carregado de conteúdos inéditos e de mudanças estruturais que devem agradar a todos os fãs. Esta análise será dedicada aos novos aspectos do jogo, portanto aqueles que quiserem mais aprofundamento a respeito do sistema de combate e da transição para três dimensões devem conferir a análise original, clicando sobre este link.

Se você acha que Super Street Fighter IV não passa de uma versão com “mais personagens”, fique sabendo que você está completamente enganado. A Capcom segue com a sua tradição de lançar versões atualizadas de seus jogos, mas nunca tivemos uma modificação tão grande, robusta e equilibrada como a vista agora.

Cenários, bônus e lutadores novos são apenas uma parte do título que está nas lojas por um preço bem mais acessível. Toda a interface e os recursos foram revistos e revitalizados, o que garante a novatos e veteranos muitas horas de diversão. Ainda temos sobre tudo isso o rebalanceamento de forças entre os golpes dos personagens e as novas passagens animadas.

A porção online, ainda que sem um modo dedicado para campeonatos, também brilha forte, com opções para todos os gostos e um novo sistema de pontuação, que desta vez incentiva os jogadores a experimentarem com o novo elenco e que permite uma leitura mais adequada da habilidade de cada um.

Resumindo: não interessa se você já comprou a versão anterior ou não, a verdade é que Super Street Fighter IV consagra a série uma vez mais como uma das melhores no gênero de luta e desta geração de consoles.

Apresentação expandida

A primeira coisa que você perceberá ao colocar Super Street Fighter IV para rodar será a mudança drástica na apresentação. As animações de abertura e os menus foram retrabalhados e estão bem mais atraentes aos olhos. O mesmo vale para as sequências animadas dos personagens, que agora tentam explicar um pouco mais a respeito dos motivos que levaram cada um dos guerreiros à competição.

A canção “Indestructible”, da banda Exile, foi substituída por outra música mais coerente, enquanto muitos outros personagens ganharam novos temas de combate, todos realmente superiores aos antigos. A verdade é que o aspecto sonoro melhorou consideravelmente e nem mesmo o narrador escapou do espírito de mudanças.

No que diz respeito aos cenários das lutas, alguns deles receberam melhorias, mas os que mais chamam a atenção do jogador são os dois novos. O primeiro é nos Estados Unidos, no topo de um prédio em construção com direito até mesmo a uma aparição de Hugo (o lutador esquisitão de Street Fighter III) com capacete ao fundo.

O segundo é na África, em meio à savana com lêmures, hipopótamos, zebras e outras criaturas ao fundo. O cuidado com a animação de tudo aqui foi soberbo, com direito a saltos, empolgação das criaturas com os golpes desferidos e até mesmo um eclipse solar, que progride ao longo dos Rounds. Esta é a paisagem mais bela do jogo e você ficará por aqui durante a maioria das primeiras rodadas de luta!

Um elenco invejável

Atendendo aos pedidos e superando a expectativa de muitos, a Capcom adicionou mais dez lutadores ao elenco, que oferece agora 35 escolhas para os jogadores. Eles foram selecionados de forma equilibrada de outros episódios da franquia. Confira a relação abaixo:

  • Ibuki — Street Fighter III.
  • Makoto — Street Fighter III.
  • Dudley — Street Fighter III.
  • Dee Jay — Street Fighter II.
  • T. Hawk — Street Fighter II.
  • Adon — Street Fighter Alpha.
  • Cody — Street Fighter Alpha.
  • Guy — Street Fighter Alpha.
  • Hakan — Inédito.
  • Juri — Inédito.

O detalhe mais importante a respeito dessa adição é que nenhum destes lutadores está disponível apenas para fazer número, muito pelo contrário. Todos eles são muito equilibrados entre si e contam com estilos mais do que únicos de controle, favorecendo em geral posturas de ataque.

Ibuki, por exemplo, utiliza suas “Kunais” no ar para manter o oponente afastado ou para se proteger de possíveis contra-ataques com Shoryukens. Embora o dano causado pelo impacto seja baixo, isso permite que uma estratégia de aproximação seja criada, o que abre espaço para ela literalmente destruir no corpo-a-corpo.

Makoto segue pela rota da surpresa, atacando o adversário em momentos inoportunos com máximo impacto causado pelos seus socos. A estreante Juri, afiliada à Shadaloo, possui melhorias cibernéticas, além de chutes mais que letais baseados no Tae-Kwon-Do. Para ela velocidade é um fator crucial.

Hakan dá um show na tela, tamanha a sua versatilidade e extravagância. O lutador turco utiliza como tática a oleosidade de seu corpo, sendo que até mesmo um de seus golpes é um banho em óleo que aumenta sua agilidade e poder de evasão. O melhor é que os comandos são relativamente simples e surpreendem quem está desprevenido. De brinde, você pode escolher o Ultra mais engraçado do game, no qual Hakan esmaga o oponente até que ele saia “voando” em direção à parede do cenário.

Equilibrando as coisas

Sem deixar o combate de lado, temos que elogiar o extenso trabalho da desenvolvedora com o rebalanceamento do título. Coisas como armadilhas de “Hadoukens do Ryu” e o dano absurdo causado pelos Combos de Sagat ficaram para trás, dando espaço para duelos bem mais equilibrados.

É claro que muitos de nós teremos que repensar a estratégia, já que os golpes de ligação e até mesmo as janelas de tempo também foram alteradas, mas ainda há espaço de sobra para os estragos em oponentes desprevenidos.

Não podemos nos esquecer de outro detalhe bem importante que acompanha Super Street Fighter IV: agora todos os lutadores têm dois “Ultras”. Você deve selecionar qual vai utilizar antes do início de cada disputa, exatamente como feito em Street Fighter III. Ken, por exemplo, agora pode executar um movimento horizontal com uma série de chutes flamejantes, enquanto Rufus (que teve sua “agulha” de mãos ligeiramente enfraquecida) pode atravessar projéteis como Hadoukens e atingir o adversário em cheio.

Um sistema que testa os seus limites

É comum vermos pessoas reclamando que o novo sistema (com os ataques e absorção por Focus, variações EX e cancelamento FADC) é complexo demais, principalmente para quem é novato e está tentando aprender a brincar com o game. A verdade é que o equilíbrio é praticamente perfeito e mesmo sem todos esses recursos os jogadores podem vencer e dominar as partidas.

Tudo é uma questão de tempo e de ritmo nos combates de Street Fighter, mas, além disso, o jogo oferece pelo modo de Desafios (Trials) a ferramenta perfeita para o aprendizado de praticamente tudo o que pode ser feito. Aliás, esse aliado ganhou uma leve reformulação e agora conta com missões individuais, as quais facilitam ligeiramente a vida do jogador.

Todos os caminhos abertos

Você ficava frustrado quando ligava o video game para uma partida com os amigos em casa e descobria que não podia utilizar os figurões (como Seth e Gouken) por não ter tido tempo suficiente para destravá-los com o modo Arcade? Pois é, nós também...

A excelente notícia é que em Super Street Fighter IV praticamente todo o conteúdo que é relevante vem liberado desde o início. Isso inclui todo o elenco, além dos Ultras diferenciados e das duas cores básicas. Basta pegar o controle e partir para a diversão!

O fato de o elenco vir destravado desde o início não significa que não há conteúdo oculto no game. Agora, sem o modo de sobrevivência (Survival) e de corrida contra o tempo (Time Attack) — que não melhoravam em nada a experiência — os jogadores só precisam competir em qualquer lugar para irem liberando aos poucos as novas cores de roupas e provocações.

Diversão online

A qualidade das partidas online — algo discutido adiante, nos pontos negativos da análise — permaneceu praticamente inalterada com relação à versão original, entretanto, a Capcom realmente se dedicou à criação de uma experiência bem mais robusta. Ao contrário de Street Fighter IV, que contava apenas com partidas normais e rankeadas (com pontos que mais puniam do que ajudavam), a versão “Super” vem carregada de opções de partidas.

Em primeiro lugar, existem dois pontos para medir o desempenho dos lutadores. Os “Player Points” aumentam ou diminuem com vitórias e derrotas, enquanto os Battle Points apenas aumentam, ficando associados aos personagens com os quais você lutou. Com base na proporção entre os dois você pode distinguir os bons dos maus lutadores.

Estes valores também determinam o seu ranking no jogo, de “D” em diante, o que é útil na separação de jogadores de mesmo nível pelo método automatizado. Seguindo adiante, temos o modo “Endless”. Nele oito jogadores entram na sala e começam a lutar, sendo que o apenas o ganhador tem o direito de permanecer para as próximas rodadas.

O barato desta modalidade é que todos os jogadores da sala podem se comunicar por voz enquanto as lutas rolam, podendo até mesmo gritar palavras de incentivo (ou de frustração) para os combatentes que se enfrentam no momento. Depois de tudo isso vem o “Team Battle”. Trata-se de um minicampeonato em times com até quatro jogadores, com possibilidade de escolha da ordem de cada jogador.

Aprendendo com os seus erros

Depois de toda a pancadaria com os amigos, desconhecidos e até mesmo lutadores de outros países, você pode aproveitar o sistema de replays de Super Street Fighter IV para rever em que ponto errou. É permitida a gravação de até 150 replays, criação de canais (para que amigos sejam convidados a assistir as suas lutas) e visualização em câmera lenta.

O único problema é a relativa falta de controle sobre a reprodução. Em alguns casos — principalmente durante a exibição de conteúdos alheios — é preciso fechar o vídeo e voltar desde o início para poder rever uma curta passagem.

Moendo carros

Quem é que não sentiu saudades de destruir carros e barris com os punhos e pés? A falta de um mini game foi, aliás, uma das principais críticas desferidas contra a versão original do jogo de luta da Capcom. Ainda bem que isso foi corrigido!

Em meio às partidas do modo Arcade (ou mediante seleção do bônus pelo menu de opções de jogo) você se deparará com o clássico carro — e fundo retirado de uma das fases de Final Fight — e com os barris na adega, que descem impiedosamente buscando a rota de colisão mais direta com a sua cabeça... Akuma que o diga!

Incentivo? Bem pequeno...

Se você, assim como nós, já comprou a outra edição de Street Fighter IV, saiba que a única vantagem que você terá será a seleção de dois efeitos exclusivos sobre os personagens (algo similar ao que foi feito com a versão para PC do game).

Eles são selecionados pelas cores de número 11 e 12. O primeiro aumenta as bordas de tinta, criando uma impressão até agradável. Já o segundo deixa a pele e as roupas dos personagens texturizadas, como se tivessem sido pintadas com traços de lápis de cor ou de giz. Na tela isso não fica tão bonito...

Sofrendo com a conexão

Apesar de todas as melhorias em termos de recursos e de opções, o modo online de Street Fighter IV ainda é extremamente dependente da qualidade de conexão de ambos os jogadores. Isso significa que se a conexão de um lado começar a cair ou ficar sobrecarregada, a partida passará de fluída para picotada em questão de décimos de segundos.

Na hora de escolher seus oponentes, dê preferência àqueles com no mínimo três barras de intensidade no sinal. Assim você evita frustração para os dois lados e sai sem a pontuação prejudicada.

Campeonatos? Não... Ainda não...

Por fim, nossa última reclamação a respeito dessa grande atualização é a falta de um modo de campeonatos, algo pedido pelos fãs desde que Street Fighter IV foi lançado. A Capcom já anunciou que trabalha em uma atualização para adicioná-lo ao rol de opções e que o download será gratuito.

Entretanto, depois de uma espera tão grande, realmente queríamos ver o pacote completo, ativo e funcional. Assim que o download for liberado nós atualizaremos esta análise.

95 ps3
Excelente

Outras Plataformas

95 xbox-360