Análise de Teenage Mutant Ninja Turtles: Turtles in Time Re-Shelled

Já não se fazem mais heróis como antigamente!

Batizados em homenagem aos artistas renascentistas Leonardo, Michelangelo, Donatello e Rafael habitavam os esgotos de Nova Iorque, as tartarugas mutantes ninja criadas pelo sábio Mestre Splinter, protegem a cidade das investidas do temível Destruidor (Shredder), líder do Clã do Pé e seu parceiro megalomaníaco, Krang — um general alienígena que deseja dominar a Terra.

Isso era nos idos de 1984, quando Kevin Eastman e Peter Laird introduziram uma nova linha de personagens a linha de histórias em quadrinhos da editora Mirage Comics. Em pouco tempo as Tartarugas Ninja dominaram todos os frontes e depois do sucesso nas bancas de jornal o quarteto pulou para a televisão em um desenho animado que estreou em 1987 (durando 9 anos).

Em pouco tempo vieram às versões cinematográficas (quatro ao todo, sendo que o último é uma animação digital) e uma série de jogos de video games então distribuídos pela Konami.

Entre os vários títulos estrelados pelas Tartarugas estava Teenage Mutant Ninja Turtles: Turtles in Time (também conhecido como Teenage Mutant Ninja Turtles IV), lançado originalmente nas máquinas de arcade em 1991 detém o recorde de máquina arcade mais vendida da Konami e agora retorna aos consoels de sétima geração em uma versão remodelada, mas não exatamente melhor.


Para quem não lembra

O jogo original, Teenage Mutantat Ninja Turtles: Turtles in Time, acompanhava a luta das tartarugas contra o Destruidor e Krang, que simplesmente roubaram a Estátua da Liberdade.

Para recuperar o monumento o quarteto adolescente segue os capangas do destruidor até o Technodrome (base de Krang), no entanto ao entrarem na estrutura, o Destruidor arremessa os ninjas mutantes em uma dobra temporal, enviando os heróis através do tempo.

Agora você deve lutar no passado, presente e futuro, para poder voltar para casa e acabar com os planos dos vilões. Sendo que um dos grandes trunfos do jogo é a possibilidade de encarar esse desafio ao lado de outros três amigos. Isso mesmo, você poderá ingressar em partidas cooperativas com suporte para até quatro usuários, seja no multiplayer local ou online.

Era dos arcade

O retorno de Turtles in Time foi celebrado como um dos maiores destaques do Summer of Arcade, campanha sazonal da Microsoft que promove os títulos da Xbox LIVE Arcade, no entanto também deve ser a maior decepção.


O título original cativou milhões de fãs tanto nas casas de fliperama como no saudoso SNES. A ação frenética hack ‘n slash estrelada pelas tartarugas mutantes fez do jogo um sucesso instantâneo, mas será que a dinâmica de outrora resistiu ao teste do tempo.
Filma eu Galvão

Na verdade o jogo mantém-se extremamente fiel ao original, com muita ação beat ‘em up. Você vai cansar de surrar os débeis ninjas do Clã do Pé, tudo isso em cenários totalmente 3D com gráficos redesenhados e uma trilha sonora bem animada. Porém, fica a impressão de que algo está faltando.  

Os controles se resumem a três botões, dois de ataque (um normal e outro especial) e um para saltar. Você até pode combinar alguns movimentos como rasteiras ou encontrões, além de arremessar os adversários contra a tela (um dos pontos mais cômicos do jogo).

O estilo beat 'em up manteve-se vivo pelos esforços de jogos como o excelente Castle Crashers, que solidifica as bases estabelecidas pelos títulos anteriores das próprias Tartarugas Ninjas, mas o retorno da dinâmica de tempos passados apenas comprova o quanto os jogos mudaram desde 1991 e o que funcionava antes pode não ser tão atraente hoje.

Pancadaria generalizada

O jogo deve agradar aos fãs do original, mas fica aqui um alerta, a dinâmica de jogo é extremamente repetitiva. O humor continua presente, mas muito diluído e os personagens (carismáticos e singulares) não se diferem em nada — mesmo que o jogo apresente uma tabela com diferentes indicadores para cada herói.

A mecânica de jogo é no mínimo infantil e mesmo nos nível mais difícil o título não apresenta algo realmente desafiador. Pressione o botão de socos, desvie de algumas armadilhas e execute os chefes de cada fase, todos os níveis são apenas uma repetição dessa rotina.

Uma novidade interessante foi à adaptação da jogabilidade aos novos gráficos 3D, agora você pode atacar em todas as direções, porém essa pequena adição não consegue manter-se atual por muito tempo, e no final das contas acaba deixando o título ainda mais fácil.

Chega de desgraça

Turtles in Time não é um show de horrores, o jogo apresenta sim alguns defeitos, mas também soma alguns atributos. Os gráficos estão estilizados e mesmo que não sejam os melhores já vistos na Xbox LIVE ou PlayStation Network podemos considerá-los condizentes.

O humor sempre foi algo presente na saga das Tartarugas Ninja, e mesmo diluído, ainda marca presença em TMNT: Turtles in Time. Um bom exemplo são as tiras de cada herói e a possibilidade de arremessar os oponentes contra a tela.

To ficando tontoA jogabilidade também não é de toda ruim, apesar de repetitiva ainda traz alguns componentes interessantes. Em determinados níveis o cenário afeta o equilíbrio dos personagens.  

 Os modos de jogo permitem que você acompanhe toda a história, ou encare qualquer nível com direito a 99 vidas (viva o poder do Konami Kode) na modalidade Quickplay. Além disso, o estilo Survival oferece um pouco mais de desafio colocando os usuários dentro da campanha, mas com apenas uma vida.

Porém, sem sombra de dúvida, o grande atrativo do jogo é o seu modo multiplayer com suporte para partidas com até quatro usuários simultâneos, sejam partidas locais ou online.

Melhor pegar o original

O primeiro jogo das Tartarugas Ninja também está disponível na Xbox LIVE Arcade, e mantém-se entre os títulos mais vendidos do sistema. A Ubisoft não estragou essa nova versão, mas fica um sentimento de que o original permanece superior.

Praticamente não houve inovações na jogabilidade, sendo que o cerne dos aprimoramentos ficou por conta dos gráficos (que por sinal podem não agradar a todos por conta do seu estilo).

Sabendo que o a Xbox LIVE e PlayStation Network oferecem jogos como 'Splosion e Fat Princess por preços similares, fica aqui a sugestão de que existem outros títulos mais interessantes disponíveis na rede — inclusive o jogo original das Tartarugas (que por sinal é mais barato).


60 ps3
Regular

Outras Plataformas

60 xbox-360