Nem o incrível Hulk consegue esmagar os defeitos deste jogo.

Um dos personagens mais conhecidos das histórias em quadrinhos da editora Marvel, o Incrível Hulk surgiu em1962, como parte da revolução dos quadrinhos desenvolvida por Jack Kirby e Stan Lee.

Segundo seus criadores, uma das principais inspirações da criação não poderia ser outra se não o clássico livro de Robert Louis Stevenson, Dr Jekyll and Mr Hyde (no Brasil, O Médico e o Monstro), revelando a dualidade do homem os conflitos freudianos do aparelho psíquico humano.

Na história original dos quadrinhos, o Hulk é o selvagem e poderoso alter-ego do Dr. Robert Bruce Banner, um cientista atingido por uma explosão de uma bomba gama (desenvolvida por ele mesmo) enquanto salvava um adolescente durante o teste do aparato militar.


Dos quadrinhos para o cinema

Estrela dos quadrinhos, o “Gigante Esmeralda” logo saltou das páginas impressas para a televisão e cinema, em animações e séries de TV. Depois da recepção pouco calorosa da versão das desventuras psicológicas do Dr. Bruce Banner para o cinema lançada em 2003 (em um filme dirigido pelo chinês, Ang Lee, o mesmo de “O Tigre e o Dragão”), a nova investida do Golias verde nos cinemas traz no elenco Edward Norton (de “Clube da Luta”) e Liv Tyler (filha do cantor Steven Tyler e estrela da trilogia “O Senhor dos Anéis”).

A exemplo do que vem acontecendo com certa freqüência, além da produção do filme, também já se anunciou uma versão para videogames. Infelizmente, tais produções já vêm acompanhadas de uma grande carga de responsabilidade dado o fracasso de títulos recentes.
É difícil achar sapatos do meu número!

Um bom exemplo é o jogo Iron Man, que aproveitou o lançamento do filme homônimo, mas ficou muito aquém do sucesso alcançado pela sua contraparte cinematográfica.

Na trilha do sucesso


Aproveitando-se do sucesso The Incredible Hulk: Ultimate Destruction — que provou a todos que um jogo fortemente baseado na sua fonte original pode dar certo — e da estréia do novo filme protagonizado por um dos membros fundadores dos Vingadores, a Sega não hesitou e preparou um novo título do super-herói mais destrutivo do universo Marvel.

Apesar de ser inspirado no filme, The Incredible Hulk acompanha aproximadamente 25% da trama do mesmo, a exemplo do que aconteceu com o jogo do Homem de Ferro, mas não se preocupe você encontrará os vilões oficiais do filme, como Abominável e os Caça-Hhulk do General Ross.

Caminhando pela cidade

Como já era de se esperar de um jogo do incrível Hulk, você pode contar com muita destruição e batalhas de níveis catastróficos (haja dinheiro para a administração pública reconstruir tudo).

O cenário de todo o caos é a cidade de Nova Iorque, sendo que você pode interagir com vários objetos de cenário, como postes, carros e outras caliças resultantes dos confrontos devastadores.

Em uma recriação fiel da metrópole estadunidense, o jogo mostra toda a selvageria e poder incontrolável do herói tecnicolor da Marvel (lembrando que a palheta de cores do herói não fica restrita ao tradicional verde, passando pelo cinza e vermelho.

O mundo aberto (no qual você pode explorar o cenário à vontade) apresenta uma série de construções e objetos prontos para serem demolidos pelo gigante esverdeado. E a destruição não se limita ao caos criado pelas próprias mãos do monstro incontrolável, isso porque você pode arremessar objetos como carros, ônibus e os famosos Caça-Hulk (Hulkbusters no original).

O ponto positivo desta dinâmica é que o cenário inteiro se mostra interativo, já que o jogador poderá destruir prédios e veículos ao longo da sua jornada, o ponto negativo é que os danos não são permanentes, ou seja, depois de derrubar um edifício inteiro, basta dar uma volta na quadra que ele estará de pé novamente (haja eficiência na construção civil).


Melhor do que a concorrência...

Se o jogo do Homem de Ferro foi uma decepção completa, esta nova aventura do Hulk é incrivelmente superior ao seu companheiro de editora. Entretanto, isso não significa dizer que o jogo consiga empolgar os usuários por muito tempo.

Aparentemente, a Edge of Reality — empresa responsável pelo desenvolvimento do jogo — simplesmente se aproveitou dos pontos fortes de Ultimate Destruction, desenvolvido pela Radical Entertainment, e aplicou a formula em uma nova história. O grande problema e que desta vez a história é fraca, repleta de furos e totalmente descartável.

Como o filme, você começará a sua saga de caos e demolição pelas vielas do Rio de Janeiro, em uma espécie de missão de didática que irá explicar os comandos básicos. Após alguns confrontos a ação é transportada para Nova Iorque, onde a pancadaria vai rolar solta de forma totalmente diferente do que é visto no filme.

O jogo tem seus momentos de apelo, em especial para os fãs dos quadrinhos que deverão vasculhar cada centímetro do cenário atrás de itens e objetivos secundários que por sua vez irão liberar novos personagens e até mesmo algumas participações especiais. Um bom exemplo são as diferentes versões do Hulk, sendo que a edição do PS3 oferece um personagem exclusivo, o Hulk da Guerra (visto na série World War Hulk — Guerra do Mundo Hulk).

Feito as pressas
Acho que voupegar um show antes de destruir tudo!

Os gráficos apesar de bem apresentáveis não são nada surpreendentes. Seu grande mérito é o modelo do protagonista, repleto de detalhes e extremamente bem definido, o problema é que todo o resto do cenário não acompanha este grau de detalhamento.

Outro problema é a renderização dos cenários. Quando o jogador está cruzando os céus às ruas parecem estar vazias, sem carros ou pedestres, entretanto assim que o grandalhão esverdeado pousa as ruas são tomadas por toneladas de veículos e transeuntes.

A música e os efeitos sonoros são outra decepção. Se a sonoplastia e a trilha sonora não comprometem o título, as dublagens certamente depreciam o jogo. Mesmo contanto com o trabalho dos atores do filme, o trabalho de dublagem desagrada pelos textos e pelo próprio envolvimento dos atores (que entregam as falas de forma mecânica e pouco inspirada).

Mal aproveitado


No final das contas The Incredible Hulk é mais uma adaptação que decepciona diante do potencial dos personagens. Tendo em vista os fracassos recentes, o jogo ainda consegue se sair melhor do que outros similares.

A parte técnica não impressiona nem um pouco e passa a impressão ao jogador de que o título fora concluído as pressas, sem muito cuidado com maiores detalhes, vislumbrando um lançamento junto com o filme.
60 ps3
Regular

Outras Plataformas

60 xbox-360