Análise de The Witcher 3: Wild Hunt — Hearts of Stone

Novos mistérios desafiam as habilidades do bruxo de Rívia

Após uma série de DLCs gratuitos constituídos por roupas, itens e algumas missões adicionais rápidas, os fãs de The Witcher 3: Wild Hunt finalmente ganharam a primeira grande expansão do game. Ocorrendo de forma ligeiramente deslocada da aventura principal do RPG, a aventura faz com que Geralt tenha que lidar com forças ocultas e promessas que ele é forçado a cumprir contra sua vontade.

Para pagar sua dívida, o herói vai ter que enfrentar espíritos, lidar com criaturas imortais, matar monstros e resolver diversos mistérios em uma jornada que leva entre 10 e 12 horas para ser completada. A aventura é recomendada para personagens de nível 30 ou superior, mas você não precisa já ter obtido esse grau de habilidade para aproveitá-la.

Ciente de que muitas pessoas estão embarcando no universo do jogo agora, a CD Projekt RED oferece opções para qualquer um que queira aproveitar imediatamente a expansão. É possível tanto usar um save preexistente (com a história principal completa ou não) quanto um personagem totalmente novo já no nível 32 para embarcar diretamente na nova aventura.

Trama paralela

A aventura de Hearts of Stone começa de forma simples: basta ler um quadro de avisos próximo à cidade de Novigrad para iniciar na missão, que parece o simples extermínio de um monstro qualquer. No entanto, não demora muito para que o bruxo se veja em uma trama que envolve príncipes amaldiçoados, espíritos e um acordo sombrio entre duas figuras aparentemente imortais.

Entre as novidades do DLC está a volta de Shani, personagem que é familiar aos leitores dos livros que inspiraram a série e àqueles que jogaram o primeiro game da franquia. Além disso, há a estreia de um novo sistema de runas que torna os poderes de Geralt ainda mais fortes, embora exija certos sacrifícios ao forçar o jogador a explorar especializações bastante específicas.

Apesar de perder um pouco de ritmo em certos instantes, a trama principal de Hearts of Stone se desenrola de maneira muito interessante. A CD Projekt RED aproveitou a expansão para explorar outro lado da personalidade de Geralt, que aparece de forma mais inconsequente em determinados momentos — e que pode explorar uma nova opção de relacionamento que não impacta nas decisões tomadas na história principal.

Em geral, a aventura adicional tem uma estrutura que se assemelha muito a algumas das missões mais longas e interessantes de Wild Hunt, passando por cenários diversificados. A história claramente foi feita para quem já terminou a aventura principal, o que faz com que ela pareça um tanto deslocada em relação aos eventos que dizem respeito à Perseguição Salvagem — o que está longe de torná-la ruim, felizmente.

Além de sua história principal, Hearts of Stone oferece uma rodada extra de algumas atividades já presentes no game principal. Entre as adições estão novos contratos para a caçada de criaturas e pontos de interesse que revelam monstros bastante poderosos — só decepciona um pouco o fato de nenhuma dessas atividades oferecer algo inédito em relação às dezenas de pequenas missões já disponíveis anteriormente.

Avaliado como um todo, Hearts of Stone possui um roteiro bastante interessante e traz alguns dos personagens mais intrigantes de todo o RPG. No entanto, é no combate que a experiência mais se destaca, oferecendo alguns duelos contra chefes particularmente interessantes e que vão fazer você deixar de lado algumas fórmulas seguras que funcionavam contra os inimigos do jogo-base.

Retorno ao que já era bom

Quem mais vai se beneficiar com a nova expansão são os jogadores que terminaram Witcher 3: The Wild Hunt na época de seu lançamento. Não somente há os novos conteúdos para aproveitar, como o DLC dá a chance de conferir algumas das melhorias de desempenho e correções de design que a CD Projekt RED implementou nos diversos patches lançados nos últimos meses.

No entanto, nem tudo o que foi adicionado pela produtora é exatamente positivo: apesar de grande, a nova área explorável ao norte de Oxenfurt peca pela falta de originalidade e por seguir um padrão bem reconhecível. Além disso, os já mencionados pontos de interesse adicionais repetem padrões que envolvem explodir ninhos de monstros, saquear baús com novos equipamentos e matar criaturas poderosas.

Hearts of Stone é especialmente recomendado para quem já terminou a aventura principal e não se cansou do universo de The Witcher 3. No entanto, quem ainda está começando o RPG pode achar uma boa ideia avançar um pouco na trama antes de investir em uma compra: em um título que traz em si mais de 100 horas de jogo, 10 ou 12 horas adicionais podem parecer até mesmo intimidantes para quem ainda tem que explorar um conteúdo básico que já é bastante rico.

Com a expansão, a CD Projekt RED dá uma nova lição na indústria, entregando um trabalho pelo qual realmente vale a pena pagar, especialmente se você gostou da aventura principal. Agora, resta aguardar pelo lançamento de Blood and Wine, esperado para o início de 2016, para descobrir se o estúdio consegue a dura tarefa de acertar pela terceira vez seguida e tornar Wild Hunt um game ainda melhor do que quando ele chegou às lojas.

Compre com o menor preço:
90 pc
Excelente
"Hearts of Stone é uma ótima desculpa para retornar ao universo de The Witcher 3"

Pontos Positivos

  • Combates contra chefes apostam na variedade de táticas
  • Trama adicional é bastante interessante
  • A expansão traz alguns dos personagens mais interessantes do RPG
  • Possibilidade de ingressar rapidamente nos conteúdos do DLC

Pontos Negativos

  • Pontos de interesse adicionais não trazem novidades
  • O ritmo do roteiro é errático em certos momentos
  • Os novos equipamentos são pouco atraentes para quem já tem um personagem desenvolvido

Outras Plataformas

90 ps4
90 xbox-one