A briga é intensa, mas as turbinas não chegam a esquentar

No mundo dos games, temos tiroteios para todos os lados — e em todos os lugares. Além dos populares jogos de ação em terceira pessoa, o público é presenteado com os famosos FPS e vários outros jogos inspirados por conflitos bélicos. Algumas desenvolvedoras conseguem trazer fórmulas diferentes às guerras, gerando títulos inovadores e marcantes.

Quem não se lembra, por exemplo, do lendário Ace Combat? Desenvolvido pela Namco, o título chegou às lojas em 1995, exclusivamente para o saudoso PlayStation. O game trouxe a essência dos jogos de combate aéreo para os consoles, sendo inspiração para diversas outras franquias e rendendo excelentes sequências.

Conferimos, em 2007, Ace Combat 6, exclusivo para o Xbox 360.  O título trouxe combates online e gráficos em alta resolução, deixando muitos jogadores extasiados com a beleza e a qualidade da obra. Felizmente, AC6 não foi o único game que rasgou os céus desta geração.

A Ubisoft decidiu entrar na briga com Tom Clancy's H.A.W.X, que remetia muito à franquia da Namco. O jogo surpreendeu, trazendo ambientes reais, capturados via satélite através da tecnologia Geoeye, e um sistema de combates interessante. Nada muito inovador, mas, mesmo assim, muito divertido.

Seguindo o exemplo de uma das grandes séries do gênero, a Ubisoft decidiu preparar uma sequência para a pancadaria aérea. Intitulado apenas Tom Clancy’s H.A.W.X. 2; o game trazia como promessa mais novidades na jogabilidade, modos de jogo inéditos e um multiplayer mais completo. Mas será que o voo foi bem sucedido, ou H.A.W.X. 2 é pura turbulência? Veremos.

Tom Clancy’s H.A.W.X. 2 é um jogo bacana para quem procura apenas caçadas aéreas. A fórmula mantém-se praticamente estática, trazendo aeronaves em conflitos típicos do gênero e um modo multiplayer para testar suas habilidades. Entretanto, mesmo com algumas novidades, o jogo não consegue trazer inovações realmente interessantes para os novatos ou para os gamers que procuram mais desafio. Em suma, H.A.W.X. 2 é um bom voo, mas que não chega a esquentar as turbinas

Simples, mas eficiente

Felizmente, H.A.W.X. 2 não arrisca muito na fórmula. Quem é fã dos jogos do gênero não terá nenhum problema quando por as mãos na mais recente obra da Ubisoft. Aqui, os controles são simples e intuitivos, principalmente se você já conhece outros jogos do estilo.

Como sempre, a história não é realmente relevante. No título, o jogador vive na pele de vários pilotos diferentes e de nações distintas. Entre os países, temos Rússia, Estados Unidos e Reino Unido. Ameaças terroristas, conflitos econômicos e outros problemas são a grande razão dada ao jogador para que ele possa eliminar tudo o que vê pelos ares.

Mesmo não sendo o ponto principal, a história até diverte, principalmente por contar com algumas reviravoltas. Entretanto, a estrutura central do jogo é mesmo a ação. H.A.W.X. possui um esquema de jogabilidade simples e semelhante ao predecessor.

Basicamente, o jogador usa o analógico esquerdo para controlar o avião, enquanto o direito serve para alterar a câmera. Com o botão círculo (B no Xbox 360) você dispara a metralhadora, a qual possui munição infinita. Já o X (A no Xbox 360) serve para lançar os mísseis, que contam com famoso sistema de travamento de mira, algo exaustivamente utilizado pelos jogos estrelados por aeronaves.

Assim como no primeiro jogo da série, você pode pressionar o triângulo (Y no Xbox 360) para focar a câmera em apenas um adversário. Esse pode ser um recurso útil, pois facilita a orientação quando o oponente gosta de se movimentar bastante. Além disso, H.A.W.X. 2 permite que você visualize tudo pela cabine do piloto, em primeira pessoa — basta alterar a visão no menu de opções.

O jogo oferece um tutorial explicando cada uma das funções do joystick, algo necessário para os pilotos novatos. Mesmo assim, não há motivos para preocupação, pois H.A.W.X. 2 oferece uma fórmula de fácil aprendizado, que pode ser encaixada no estilo arcade.

Explorando novos ares

Bem, qualquer um que tenha desfrutado de qualquer jogo de combate aéreo deve saber que estes títulos se resumem a um “pega-pega” nos ares. Em boa parte das missões de H.A.W.X. 2, as coisas realmente são assim. Seu objetivo é simples: caçar os outros aviões e transformá-los em poeira.

Entretanto, ao contrário do primeiro jogo, H.A.W.X. 2 traz algumas mudanças para a fórmula. Durante a campanha, o gamer terá que completar várias missões distintas, que fogem um pouco das caçadas aéreas. Quem já jogou Call of Duty 4: Modern Warfare vai se surpreender com as fases de H.A.W.X. 2. O motivo? O AC-130.

Img_normal

O famoso avião poderosíssimo e capaz de destruir praticamente qualquer coisa está de volta. Aqui, o jogador também controla apenas a mira enquanto observa seus alvos através da visão noturna. Nessas etapas temos algumas variações de objetivos, como proteger um determinado veículo ou então aniquilar edifícios inteiros com seus canhões. Algo muito bem-vindo para a série, principalmente por quebrar o ritmo repetitivo das caças.

Além desse gigante, H.A.W.X. 2 também traz missões em que o jogador controle um UAV (Unmanned Aeria Vehicle, ou veículo sem tripulação, em uma tradução livre). Para quem não sabe, estamos falando daqueles aviões que também aparecem em Modern Warfare quando o jogador exige o rastreamento da área. A aeronave é pilotada à distância, mas isso não impede que o jogador confira suas ações nos ares.

Nos momentos em que o UAV é a estrela, você deve realizar objetivos como marcar edifícios com uma luz especial e escutar conversas. Tudo é bem simples, e o jogador raramente terá problemas com essas missões. Contudo, mais uma vez, a variação é bem-vinda por contribuir com a dramaticidade do game, dando ênfase à trama e, simultaneamente, quebrando um pouco da fórmula tradicional.

Outras altitudes

Img_normalAlém do modo campanha, o qual possui 20 missões e exige aproximadamente 12 horas para ser completado, o gamer ainda tem acesso a várias modalidades distintas. Uma delas é o modo Arcade, em que é possível jogar novamente as missões da Carreira adotando desafios diferentes. Sem dúvidas, algo perfeito para quem terminou o game e continua com sede de combate.

Outro modo é o Survival Mode que, conforme o próprio nome indica, obriga o jogador a combater ondas e ondas de inimigos até não aguentar mais — ou simplesmente explodir. Por fim, o Free Flight, que mais se parece com uma modalidade de Flight Simulator. Aqui, tudo o que você tem a fazer é passear, pois o modo elimina os oponentes e permite que o jogador explore livremente os locais adotados como cenário pelo game. Nada como um pouco de paz, não é mesmo?

É claro que o multiplayer também marca presença em H.A.W.X. 2. Felizmente, o modo está mais robusto do que no jogo original. Aqui, temos um modo cooperativo para até quatro jogadores, em que é possível entrar e sair no momento em que bem entender. Você pode aproveitar esse modo em missões individuais, na campanha inteira ou até mesmo nos níveis do Arcade.

Sem dúvidas, jogar com os amigos é bem divertido, principalmente durante as caçadas aéreas. Há ainda os modos competitivos, que suportam até oito pessoas. H.A.W.X. 2 oferece modalidades em equipes, nas quais o oponente não é somente o time adversário. Diversos alvos, incluindo instalações com satélites e navios bombardeiros, também surgem no campo de jogo e podem ser destruídos para se obter mais pontos.

Vale lembrar que H.A.W.X. 2 também conta com uma espécie de sistema de habilidades. O jogador recebe pontos de experiência na campanha e nos modos online, e estes podem ser utilizados para desbloquear novos aviões e deixar sua aeronave mais poderosa. As skills variam desde a diminuição no tempo necessário para travar a mira no oponente até uma bonificação em sua energia.

Mais do mesmo?

Mesmo com seus esforços, H.A.W.X. 2 não consegue conceber uma experiência completamente inovadora e surpreendente o suficiente para cativar a atenção dos jogadores. Fora as missões mais tranquilas, o título não oferece muitas variações, principalmente para aqueles que já desfrutaram do primeiro jogo da série ou então de Ace Combat 6.

A fórmula pode enjoar rapidamente e depois de terminar o modo Carreira não há muito que fazer — os modos extras não são tão profundos assim. O jeito é apelar para o multiplayer, o qual, infelizmente, não oferece uma enxurrada de novos modos. Em suma, é mais do mesmo, mesmo que com algumas pequenas novidades.

Outro fator problemático é a inteligência artificial. No título, você tem de realizar algumas missões em equipe. O grande empecilho é que seus companheiros são praticamente inúteis e você acaba levando toda a briga em suas costas. Os outros pilotos simplesmente não atiram e nem sequer ajudam como iscas. É decepcionante e frustrante.

Img_normal

Os gráficos também não surpreendem. De longe, H.A.W.X. 2 traz belas paisagens, mas tudo vai por água abaixo no momento em que o jogador se aproxima. Os prédios são mal feitos, com modelos de baixa resolução, e as árvores parece blocos. Até mesmo os veículos não foram caprichados, o que acaba criando uma sensação de que você está eliminando carrinhos de brinquedo.

Por fim, temos a detecção de colisões. Muitas vezes, o jogador terá de realizar manobras arriscadas para desviar de mísseis e outros obstáculos. Entretanto, H.A.W.X. 2 não colabora com esses eventos que, supostamente, estariam carregados de adrenalina. Isso acontece porque seu avião acaba colidindo com uma parede ou qualquer obstáculo sem sequer tocar nele.

70 ps3
Bom

Outras Plataformas

70 xbox-360