Top Spin chega ao topo

Pong, um dos primeiros jogos de video game a ser caracterizado como tal, tinha a reprodução de uma partida de tênis como seu objetivo. A meta foi alcançada com sucesso, e o título é considerado até hoje como o marco zero da indústria e um dos principais clássicos dos jogos eletrônicos.

Levando-se em conta que o mercado teve seu início marcado por um jogo de tênis, é de impressionar que o esporte tenha levado tanto tempo até chegar de forma fidedigna aos consoles. O dia em que o jogador finalmente se sentirá dentro de uma quadra chegou, já que essa é a sensação proporcionada por Top Spin 4.

O título da 2K Games leva adiante os conceitos já apresentados nos títulos anteriores da série. A ideia aqui é apresentar o mundo do tênis como ele é, com o glamour das grandes partidas, quadras famosas e astros do esporte, e com a dificuldade que é enfrentada por um aspirante ao topo do ranking mundial.

Com Top Spin 4, a 2K Games parece finalmente ter alcançado o ápice da categoria. Com uma jogabilidade muito bem programada, controles intuitivos, belos gráficos e diversas opções, o título não só é superior ao restante de sua franquia como pode ser considerado o melhor game de tênis já lançado.

Ainda assim, há espaço para melhorias em um quinto episódio, mas as críticas se resumem a detalhes gráficos (como a expressão dos jogadores ou da torcida), uma seleção ainda maior de jogadores ou a aspectos do cenário. Como experiência, Top Spin 4 é perfeito, e ganha ainda mais força quando usado com o PlayStation Move.

Cara de um, focinho de outro

Pelo trailer acima, já dá para perceber que um dos principais destaques de Top Spin 4 é o cuidado com a aparência dos jogadores. Apesar de não contar com um grande elenco de personalidades das quadras, os tenistas presentes no título são representações fieis de suas contrapartes reais, cada um estudado cuidadosamente para ser idêntico aos esportistas que estamos acostumados a ver na televisão.

Img_normal

Isso significa que, além das fraquezas e maestrias de cada “personagem” com diferentes jogadas e tipos de chão, as reações particulares de cada um deles também estão presentes. Isso significa que Roger Federer dá suas deslizadas pela quadra, Caroline Wozniacki grita de frustração ao perder uma bola e Rafael Nadal dá socos em direção ao chão após vencer uma partida disputada.

Enquanto isso, os olhos dos fãs do tênis brilham de excitação. A riqueza de detalhes do game da 2K é impressionante, e se estende também às minúcias das quadras em nas quais as partidas são realizadas e à forma como a bola se comporta em cada tipo de terreno. O resultado é uma amostra bem realística do que é jogar tênis. Mas, claro, sem sair de casa.

Fugindo dos padrões do gênero

Normalmente, todos os jogos de tênis seguem o mesmo esquema de controle. Cada um dos botões realiza um tipo diferente de saques ou recepções, enquanto o tempo que o botão é segurado até a raquetada define a força com a qual o golpe é desferido. Apesar de caminhar lado a lado com esse estilo básico, Top Spin 4 acrescenta uma pequena modificação na fórmula, e foi capaz de modificar completamente o cenário do tênis virtual.

O título privilegia o jeito sobre a força. Sendo assim, não adianta apertar o botão com tanta força a ponto de esmagar o controle. Aqui, o negócio é acertar o tempo das raquetadas de acordo com a velocidade com a qual a bola vem na direção do jogador, soltando o botão no momento exato.

Indicadores visuais mostram ao jogador se a jogada foi bem sucedida ou se os controles foram abandonados cedo ou tarde demais. Não é difícil se acostumar, basta tempo e um pouco de treinamento.

É um longo caminho até o topo

Img_normalComo em todo jogo do gênero, Top Spin 4 conta também com um modo Carreira, no qual objetivo é deixar de ser um tenista iniciante para chegar ao topo do ranking mundial de tenistas. Ao contrário da maioria dos jogos esportivos, porém, o jogador não inicia sua carreira como uma grande promessa do alto escalão (ao molde de jogos como F1 2010, em que já é possível começar na categoria principal), e sim deve construir seu nome.

O processo de se transformar em um dos grandes jogadores do tênis mundial leva tempo, e faz com que o jogador dispute torneios pequenos e treinos restritos, ganhando fama ao longo do tempo. Vitórias e bons desempenhos nas partidas também valem pontos de experiência, que são utilizados para melhorar fundamentos de jogo e criar um jogador de acordo com as preferências do usuário.

Com o tempo e o trabalho duro, o antes tenista iniciante começa a poder andar ao lado das estrelas. Assim, recebe convites para amistosos com astros e é convidado para trabalhar com técnicos de ponta, além de ter entrada garantida nos principais torneios do esporte.

Img_normalVale a pena citar também o sistema de criação de personagens, etapa inicial do modo Carreira. Com opções avançadas para personalização do seu tenista, é possível criar um jogador com a exata aparência do usuário, além de selecionar estilos de roupas, tênis e raquetes. Com o tempo, novas opções de vestimentas são habilitadas, aumentando ainda mais as possibilidades de customização.

Direto do túnel do tempo

Todo fanático por tênis tem seu ídolo. E nem sempre são jogadores que estão atuantes. Pensando nisso, a 2K Games incluiu um mimo para os aficionados de outrora. E esse presente vem na forma de grandes jogadores do passado, capazes de mostrar aos competidores da atualidade quem é que manda no mundo do tênis.

A lista é encabeçada por Andre Agassi, e conta com as seguintes lendas do esporte: Boris Becker, Björn Borg, Patrick Rafter, Ivan Lendl, Pete Sampras, Jim Courier e Michael Chang. Infelizmente, nada de Gustavo Kuerten por aqui mas, ainda assim, a seleção de estrelas deve agradar aos veteranos das quadras.

Tenistas inexpressivos

A 2K Games, sem dúvida, realizou um trabalho impecável no que diz respeito às aparências e personalidades dos jogadores. Como já citamos, os tenistas digitais são idênticos às suas versões reais no que diz respeito a características e estilo de jogo. Todos, porém, são tão expressivos quanto uma parede de concreto.

Os tenistas contam com expressão facial quase nula, e não esboçam reações mesmo nos momentos mais tensos ou de alegria extrema por uma vitórias. Os rostos continuam sempre iguais: com olhos vidrados e a boca semi aberta. Eventualmente, um pequeno sorriso pode surgir mas, em grande parte do tempo, o que impera é um grande olhar de peixe morto.

Img_normal

Essa falta de cuidado com os detalhes faciais dos jogadores é principalmente frustrante quando se observa a seleção feminina presente no game. Quando se tem beldades como Ana Ivanovic e a já citada Caroline Wozniacki em quadra, perceber que uma porta fechada é mais emotiva que as duas juntas conta como um grande ponto negativo para o visual de Top Spin 4.

Vocês todos são mudos?

O tênis, tradicionalmente, é um esporte que conta com uma torcida silenciosa. Para respeitar a concentração dos jogadores, espera-se que os espectadores da partida permaneçam em silêncio, e apenas aplaudam ou torçam (pouco) a cada ponto obtido pelos jogadores. Ainda assim, quando se assiste uma partida pela televisão, é possível observar tensão, alegria e toda uma sorte de sentimentos nos rostos dos fãs que, apesar de quietos, continuam se expressando.

Img_normalEm Top Spin 4, porém, isso não acontece. Não apenas a torcida, como também juízes, gandulas e assistentes de quadras, todos ficam completamente imóveis enquanto a bola está em jogo. Eles não se mexem nem mesmo para desviar de uma bolinha que se aproxima deles. Mas na verdade, nesse caso, eles nem precisam, já que o objeto os atravessa.

Nas partidas de treinamento, o resultado é ainda mais monótono, já que não há espectadores. O silêncio é quase opressivo e, mesmo quando um ponto é obtido, é possível ouvir apenas uma ou duas pessoas aplaudindo os jogadores. A indicação, nesses casos, é não jogar se estiver com sono.

Durante as partidas principais, nas raras vezes em que comemoram, a torcida (que, diga-se de passagem, é totalmente modelada em 3D, ao contrário da maioria dos jogos de esporte) se movimenta em três ou quatro padrões. Isso causa um efeito extremamente estranho já que, na maioria das vezes, é possível identificar diversas pessoas, lado a lado, movendo-se em sincronia e reagindo exatamente da mesma maneira.

Não é possível exigir que a 2K Games tenha o mesmo cuidado destinado aos jogadores com a torcida, que influencia muito pouco no principal mote do game. Mas jogos como Bulletstorm já provaram que é possível variar o “elenco de apoio” sem gerar um resultado repetitivo. Sendo assim, um pouco mais de atenção nesse sentido não faria mal, e deixaria o resultado final ainda mais interessante.

87 ps3
Ótimo

Outras Plataformas

87 xbox-360