Transformers: o lado repetitivo da Lua


Robôs alienígenas armados até os dentes e capazes de se transformar em carros esportivos, jatos militares ou tanques de guerra. A ideia parece feita perfeitamente para desenhos, brinquedos e jogos de video game. Transformers é tudo isso.

Com o lançamento do terceiro filme da franquia, “O Lado Oculto da Lua”, chega também ao PlayStation 3 e Xbox 360 o game Transformers: Dark of the Moon. O título vem para ser um prelúdio à trama dos cinemas e mostrar o surgimento do mal que, mais uma vez, quer destruir a humanidade.

Img_normal

Transformers: Dark of the Moon faz perdurar a velha tradição de que games baseados em filmes são sempre ruins. Apesar de ter criado momentos interessantes, a desenvolvedora High Moon Studios não foi feliz no transporte da ação frenética das telas para os video games.

Mesmo com todo o potencial dos Autobots, os controles ruins e a repetição de combates tornam o game dispensável. Para os fãs dos personagens ou da franquia de filmes, o título pode até ser divertido. Jogadores que não possuem uma adoração especial por Optimus Prime e seus companheiros, porém, podem dispensar o título.

Maquinário especializado

Na trama de Transformers, cada personagem é focado em um tipo diferente de combate. Enquanto Bumblebee é rápido, Optimus Prime ataca de forma mais cuidadosa e é o total oposto de Ironhide, que prefere destruir tudo por onde passa.Todos esses estilos são reproduzidos no game.

A cada fase, o jogador controla um tipo diferente de robô. Isso significa também uma modificação completa no arsenal e nas habilidades de combate, dando variedade à experiência. Em alguns momentos, será necessário agir silenciosamente, usando uma função que deixa o personagem invisível. Em outras fases, a ordem é partir pra cima dos inimigos, detonando tudo pelo caminho.

Jogue dos dois lados

Img_normal

Para desenvolver uma história que dá abertura a “O Lado Oculto da Lua”, a desenvolvedora High Moon Studios decidiu abordar os dois lados da trama no game. Isso significa que o jogador não apenas incorpora os Autobots como, em algumas fases, também controla os Decepticons.

Esse aspecto é uma espécie de extensão da variedade citada no item anterior, já que os robôs malvados possuem uma série de habilidades bem diferentes dos heróis. Se você, assistindo aos filmes da série, sempre desejou trabalhar a serviço de Megatron, esta é sua chance.

Momentos estrelados

Apesar da maior parte do jogo se tratar de combates entre os personagens principais e capangas de seus oponentes, é nas batalhas contra os chefes de fase que Transformers: Dark of the Moon mostra sua força. É isso que os fãs querem ver: Optimus Prime contra Megatron. E é o que eles terão.

As lutas contra os oponentes principais são as que mais requerem habilidade do jogador, que deverá saber usar com precisão as habilidades exclusivas de cada Transformer. Isso pode significar a diferença entre vitória e derrota, pois o título não é fácil e o usuário se sentirá constantemente desafiado.

Os aspectos citados aqui também valem para o multiplayer online, que leva a luta entre os robôs principais às últimas consequências. Apesar de conter modos batidos do gênero (como Team Deathmatch ou Free For All, por exemplo), as batalhas competitivas também servem como mais uma demonstração da força dos personagens do longa. Em alguns momentos, é até mesmo possível lembrar-se do clássico Twisted Metal.

Nó nos dedos

Os controles de Transformers: Dark of the Moon talvez sejam os mais confusos entre os jogos lançados recentemente. Grande parte das ações são controladas pelos botões superiores, mas as funções dos dispositivos se alteram de acordo com a forma na qual o personagem está.

Img_normalIsso significa que, por exemplo, enquanto Bumblebee é um carro, é possível mirar com o L1. Ao virar um robô, a mesma função é desempenhada pelo L2. Ao errar os pressionamentos, o personagem já se transformou em alvo fácil dos inimigos e, muitas vezes, será morto por eles. Até que se acostume, o jogador deve estar preparado para se frustrar inúmeras vezes.

Ação mecânica, sem trocadilhos

Toda a variedade citada nos pontos positivos se aplica apenas aos combates entre os personagens principais. As lutas entre Autobots e inimigos comuns são extremamente repetitivas e oferecem pouco desafio. Normalmente, a ação se limita a seguir em frente, matar diversas levas de oponentes e continuar em frente, até encontrar a próxima leva.

Img_normal

Há pouca diversidade de inimigos comuns e, em sua maioria, eles diferem uns dos outros apenas pelo tamanho, resistência e força dos disparos. Todos são idênticos, da mesma cor e agem da mesma forma durante os confrontos. A inteligência artificial não é apurada e os robôs agem como indivíduos, e não como parte de um grupo. Todos esses aspectos constituem um pacote extremamente monótono.

Tenha paciência

Esqueça comprar o game e ir correndo para casa jogá-lo. Transformers: Dark of The Moon exige uma instalação longa, que chega a ultrapassar 15 minutos. O processo é obrigatório.

O tempo não se compara a instalações notoriamente demoradas, como as de Gran Turismo 5 ou Metal Gear 4. Ainda assim, quando se leva em conta a qualidade gráfica mediana do título e a grande quantidade de loadings entre as fases, não dá para encontrar uma razão que explique a espera antes de partir para a ação.

55 ps3
Fraco

Outras Plataformas

55 xbox-360