10 games incríveis de 2014 que você talvez não tenha jogado

10 games incríveis de 2014 que você talvez não tenha jogado

Último Vídeo

Muitos vão lembrar de 2014 como o ano de Far Cry 4, de Titanfall, de Mario Kart, de Middle-Earth: Shadow of Mordor e de vários outros AAA de sucesso. Acontece que muitos títulos de marketing mais modesto foram ofuscados por lançamentos como estes mencionados, mas nem por isso deixam de ser formidáveis.

Pensando em fazer justiça aos projetos que não receberam o destaque merecido junto ao público, elaboramos esta lista com 10 games excepcionais que você provavelmente não jogou no ano passado.

1. This War of Mine (PC)

Em uma era em que é rotineiro controlar em games soldados que matam casualmente, surge um jogo que explora uma outra perspectiva da guerra, e ela é terrível. This War of Mine leva você a controlar um grupo de civis que tentam sobreviver em uma cidade sitiada pela guerra.

Durante o dia, você deve se preocupar para não levar tiros de atiradores de elite. Durante a noite, você deve procurar por mantimentos pela cidade, buscando se manter vivo em meio ao combate. This War of Mine é propositalmente desconfortável e traz o mesmo tipo de reflexão de jogos como Spec Ops: The Line. Recomendamos os conflitos pessoais que ele vai provocar.

 2. Transistor (PC/PS4)

Criação do estúdio responsável por Bastion, Transistor é RPG de ficção-científica que possui um visual estonteante. O jogo traz combates elaborados que exigem estratégia por parte do usuário, além de proporcionar uma ambientação musical simplesmente deliciosa.

A história é contada aos poucos, deixando para o jogador juntar as peças e descobrir o “todo da situação”. Não deixe de conferir também nossa análise de Transistor, lá explicamos melhor por que vale a pena jogá-lo.

3. Valiant Hearts: The Great War (XONE/X360/jogo/PC)

A Ubisoft vem sofrendo duras críticas desde o lançamento problemático a decepção de Watch Dogs e o lançamento problemático de Assassin’s Creed Unity, algo que acabou ofuscando o excelente trabalho que ela realizou com Valiant Hearts: The Great War.

O jogo não apenas aborda de forma interessante a Primeira Guerra — pouquíssimas vezes lembrada em comparação com a Segunda — mas também oferece uma narrativa muito interessante.

A história traz o drama de Karl, que vivia na França com sua esposa Marie, até ser deportado para a Alemanha, onde passa a integrar o exército. O pai de Marie, Emile, é convocado para lutar no lado inimigo junto ao exército francês.

Deixando de lado a visão convencional dos shooter militares, Valiant Hearts é outro jogo que mostra uma visão mais real da guerra — sem “glamour” e bem mais triste. Ver o que acontece na vida dos personagens envolvidos através de várias pode ser uma experiência incrivelmente interessante e emocionante. Não deixe de conferir nossa análise

4. Jazzpunk (PC)

É possível que Jazzpunk seja o jogo mais esquisito que você já viu na vida. A proposta incomum do estúdio Necrophone é um game de comédia focado em puzzles e exploração através de uma apresentação bastante experimental.

A estética brinca com minimalismo e elementos retrô, trazendo uma mistureba que remete a filmes de espionagem antigos, séries policiais dos anos 70 e ambientação noir.

Você interage com objetos e cenários usando bugigangas estranhas durante o período da Guerra Fria. Algumas das piadas são sutis e outras são puro nonsense. Almofadas de peido, paródias com Street Fighter, diálogos que beiram o absurdo, limpador de para-brisas na tela... Se você gosta de games fora do convencional e muita loucura, Jazzpunk é um prato cheio.

 5. Fantasy Life (3DS)

Fantasy Life se destaca pela flexibilidade: disfarçado como RPG de aventura tradicional, com mecânicas que se enquadram perfeitamente em qualquer tipo de Zelda, há muito mais do que apenas viajar por campos verdes, desertos e oceanos.

Além de enfrentar monstros assumindo o papel de guerreiro ou arqueiro, por exemplo, também é possível pescar, cozinhar, costurar, criar poções... Todos os papéis exercidos de maneira icônica por NPCs. As atividades estão apenas a um menu de opção de distância, já que basta mudar de equipamento para assumir novos vidas e descobrir um rol inédito de missões a serem completadas.

 6. The Vanishing of Ethan Carter (PC/PS4)

Trazendo uma proposta de investigação sobrenatural, The Vanishing of Ethan Carter coloca o jogador na pele do detetive Paul Prospero, que está em busca do garoto que dá nome ao jogo. Apesar de trazer vários puzzles, o foco do game — que é inspirado no subgênero weird fiction — está mais na narrativa, na atmostera e na humanidade dos personagens apresentados.

O jogador é convidado a usar suas habilidades paranormais para resolver crimes e encontrar pistas em objetos importas espalhados pelo mundo aberto que o game oferece. A partir disso, é possível organizar os eventos e entender o que está acontecendo na macabra região de Red Creek Valley.

 7. Velocity 2X (PS VITA/PS4)

Sequência do popular game lançado originalmente para o PSP, Velocity 2X é um side-scroller com características de shooter e puzzle, que se destaca por oferecer um gameplay ágil. Apesar de ter tiros como elemento básico para abrir passagem, na prática a dinâmica lembra bastante os jogos clássicos da franquia Sonic.

O novo Velocity não é apenas rápido, mas também bem mais fluido e bonito. Os gráficos são minimalistas e a composição artística é bastante harmônica. Para aqueles que vivem reclamando que não há jogos bons para o PS Vita, esta é uma prova de que é possível encontrar pérolas na biblioteca do portátil.

8. The Talos Principle (PC/PS4)

The Talos Principle definitivamente não é um jogo convencional. Misturando elementos religiosos, filosóficos e de lógica, a campanha coloca você na “pele” de um androide que vaga por jardins de um ser onipresente a fim de coletar peças.

A história de The Talos Principle não é entregue de mão beijada, é preciso que o jogador leia terminais e escute diários em áudio para compreender o que está acontecendo. É um game que desafia você a pensar, a até mesmo questionar questões existenciais.

9. Sherlock Holmes: Crimes and Punishments (XONE/X360/jogo/PC)

É verdade que o icônico detetive da Scotland Yard teve vários games ruins ao longo dos últimos anos, mas Crimes and Punishments é uma exceção a esta triste regra. O novo jogo da série traz elementos mais sofisticados na apresentação visual e nas mecânicas, fazendo mais jus à grandeza do personagem.

A Frogwares parece desta vez ter bebido de referências da série da BBC produzida por Steven Moffat, trazendo textos na tela que mostram a linha de pensamento do protagonista e a “inspeção” do perfil dos personagens apresentados.

A versão cinematográfica de Guy Ritchie aparentemente também foi influência no game, devido ao tom mais obscuro e momentos com câmeras lentas. O novo Sherlock Holmes é provavelmente o melhor da franquia e certamente um jogo acima da média.

10. The Banner Saga (PC/PS Vita/PS4)

O projeto desenvolvido por ex-integrantes da BioWare traz uma mistura de estratégica com RPG tático, além de uma trama madura e cheia de decisões importantes. Em The Banner Saga você precisa fazer com que um exército viking se mantenha vivo administrando recrutas e situações de fome e doença. Às vezes é preciso atacar com toda força, às vezes é preciso retirar as tropas.

A história também é envolvente e impacta diretamente o gameplay de acordo com seu desenrolar. Não se esqueça de ler também nossa análise do game e conferir mais motivos para jogá-lo.

Já que os grandes lançamentos de 2015 só começam a chegar em fevereiro, quem está de férias e sem nada para jogar vai possivelmente encontrar alguns títulos bem interessantes para passar o tempo. Se você conheceu algum jogo incrível em 2014 que não fez muito sucesso e que não está nesta lista, não deixe de contar para a gente nos comentários.

*O trecho de Fantasy Life é colaboração de Julianna Isabele

Você sabia que o Voxel está no Facebook, Instagram e Twitter? Siga-nos por lá.